5 dicas para estudar sozinho com qualidade

Na intenção de aproveitar melhor o tempo das pessoas que optam por estudarem sozinhas, aí vai uma série de dicas para facilitar a aprendizagem


A forma com que cada pessoa estuda é o que vai relacionar o sucesso nos exames e provas.

Algumas pessoas assimilam melhor os conteúdos quando estudam sozinhas, enquanto outras pessoas, preferem montar grupos de estudo.

Independente da maneira, o importante é que o conteúdo esteja sendo assimilado. Na intenção de aproveitar melhor o tempo das pessoas que optam por estudarem sozinhas, aí vai uma série de dicas.

Elas estão relacionadas a montagem de rotinas, escolha dos ambientes e técnicas que ajudaram a fixar tudo o que está sendo estudado. Portanto, preste atenção em cada uma delas e aplique-as no seu dia-a-dia.

5 dicas para estudar sozinho com qualidade

Foto: depositphotos

Ambiente

Procurar um ambiente convidativo ao estudo e que seja ao mesmo tempo tranquilo, ajuda na concentração.

Ficar longe do barulho, da movimentação de pessoas, sobretudo de meios que possam desviar a sua atenção, a exemplo de televisão, vídeo game e celular, concentram sua atenção nas lições.

Procure usar a luminosidade natural a seu favor. Se o horário dedicado aos estudos for a noite, procure um ambiente bem iluminado. Sombras nas páginas de leitura podem tornar a leitura cansativa, proporcionando mais facilidade em desviar o foco do estudo.

Rotina

Estabelecer horários fixos, com tempo delimitado para o estudo de cada matéria, lanche e espaço para resolver atividades, ajuda o cérebro a assimilar melhor o conteúdo estudado. No mais, estabeleça também horários para todo o seu dia, programando cada coisa: horário das refeições, lazer, descanso e encontro com amigos.

O não seguimento de uma rotina deixa o cérebro desorientado, não ajudando na concentração, nem tão pouco no aproveitamento dos estudos.

Defina um horário fixo para dormir, pois o sono, na rotina de estudos, é um aliado importante, pois ele estabelece a restauração das sinapses e melhora o funcionamento do cérebro. O recomendado é que o sono tenha um mínimo de oito horas.

Pausas estratégicas

Não forçar o cérebro, exigindo cada vez mais dele, não ajuda em nada. De acordo com alguns especialistas, a cada 50 minutos de estudo, a concentração tende a ficar um pouco mais despeça.

Por isso o recomendado é fazer pequenos intervalos de 10 minutos durante o período.

Outra boa dica é levar em consideração fatores biológicos que aumentem o poder de concentração e absorção do conteúdo. O córtex pré-frontal, responsável pelo raciocínio, alcança potência máxima às 11h. Por tanto, esse é o momento mais indicado para estudar o assunto mais complicado.

Anotações

Durante a leitura, procure fazer pequenas observações sobre o assunto, tentando fazer um link entre o conteúdo do livro com a explicação do professor em sala de aula. Também vale a pena pensar em palavras chaves que faça com que você se lembre do assunto.

Ainda na parte de anotações, você não deve se restringir a evidenciar com palavras tudo o que está vendo. Se for da sua preferência, não hesite em usar desenhos, linhas do tempo, mapas e cores. Use o método mais apropriado ao seu entendimento.

A prática leva a perfeição

Incrementar os estudos diários com a resolução de exercícios práticos sobre a matéria ajuda a assimilar melhor o conteúdo. Para isso você pode usar os exercícios sugeridos pelo próprio livro, buscar outros com ajuda da internet ou ainda procurar aqueles que foram abordados em exames e concursos.

Outra boa solução é aproveitar os últimos minutos do horário reservado aos estudos para fazer um resumão de tudo o que foi visto. Para isso, procure colocar em um papel tudo o que você lembrar e que esteja relacionado ao conteúdo.

Isso ajuda a que você assimile o conteúdo. Nesse caso, procure não se preocupar com a pontuação ou forma correta de escrever as palavras, isso pode atrapalhar o fluxo de inspiração.


Reportar erro