A linguagem ideal para a redação no Enem

Ter o cuidado com as palavras, verbos e expressões a serem escritas: eis o necessário para a elaboração de uma redação com boa linguagem, sobretudo no Enem.


“Estudante não entra na faculdade se falhar na redação”, dizem as autoras Dad Squarisi e Arlete Salvador no livro “A Arte de Escrever Bem”. Tal afirmação é uma verdade que, indiscutivelmente, deve ser levada a sério. Escrever um bom texto requer domínio da língua portuguesa e também um amplo repertório de palavras.

Atualmente, o Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) é um dos processos avaliativos e de seleção mais concorridos para estudantes que queiram ingressar em universidades ou simplesmente obter um certificado de conclusão do ensino médio. Pois bem. Justamente na prova do Enem uma redação do tipo dissertativo-argumentativo é exigida dos candidatos.

De tal modo que para os interessados em obter uma nota classificatória nesse exame necessitam, além de responder corretamente o máximo de questões da prova, criar um bom texto, visto que a redação equivale a aproximadamente 20% da pontuação final do Enem.

Escrever um bom texto requer domínio do português e um amplo repertório de palavras

Foto: Reprodução/ internet

Assim, é fundamental saber quais palavras, expressões e verbos empregar no texto para que o mesmo represente uma boa redação. Repetição de palavras, utilização de clichês, bordões e frases prontas não são bem-vindos, pois passam a ideia de um texto pobre, cujo escritor possui uma pequena variabilidade linguística. Ser objetivo e coeso também é um pré-requisito.

Verbos habituais x substitutos

É muito comum a utilização repetida de verbos comuns do cotidiano, a exemplo de fazer, dar, ter, ser, entre outros, ao invés do emprego de verbos específicos e mais adequados para cada contexto descrito em um texto. A seguir é possível perceber alguns exemplos típicos.

Fazer. Uma boa educação faz bons cidadãos (gera, produz); A pobreza faz desemprego e consequentemente a miséria (promove, gera, ocasiona); A violência no trânsito faz inúmeras vítimas diariamente (produz, cria).

Dar. O evento naquela região deu bons frutos para a economia local (gerou, produziu); Os meios de comunicação deram a informação (publicaram, divulgaram); Os pais deram muita atenção ao filho mais novo (dedicaram).

Ter. A administração do local não tem alternativa (possui); Todo cidadão tem esse direito perante a lei (possui, merece); Identifiquei que ali tem um problema (existe, há).

Exemplo nota mil

Confira abaixo o exemplo de um bom desenvolvimento de redação. O trecho foi extraído da redação da jovem Larissa Freisleben, texto o qual obteve nota mil no Enem 2014. A estudante intitulou sua redação de “Publicidade infantil: perigoso artifício”.

Os nazistas já conheciam os efeitos de uma boa publicidade: são inúmeros os casos de pais delatados pelos próprios filhos –o que mostra a facilidade com que as crianças são influenciadas. Essa vulnerabilidade é maior até os sete anos de idade, quando a personalidade ainda não está formada. Muitas redes de lanchonetes, por exemplo, valem-se disso para persuadir seus jovens clientes: seus produtos vêm acompanhados por brindes e brinquedos. Assim, muitas vezes a criança acaba se alimentando de maneira inadequada na ânsia de ganhar um brinquedo.

A publicidade interfere no julgamento das crianças. No entanto, censurar todas as propagandas não é a solução. É preciso, sim, que haja uma regulamentação para evitar a apelação abusiva –tarefa destinada aos órgãos responsáveis. No caso da alimentação, a questão é especialmente grave, uma vez que pesquisas mostram que os hábitos alimentares mantidos até os dez anos de idade são cruciais para definir o estilo de vida que o indivíduo terá quando adulto. Uma boa solução, nesse caso, seria criar propagandas enaltecendo o consumo de frutas, verduras e legumes. Os próprios programas infantis poderiam contribuir nesse sentido, apresentando personagens com hábitos saudáveis. Assim, os pequenos iriam tentar imitar os bons comportamentos.


Reportar erro