Alunos brasileiros são premiados em competição latino-americana

Equipe desenvolveu um processador de resíduos orgânicos domésticos (Prod), que tritura, compacta e drena líquidos residuais


Publicado em 04 de setembro de 2015

 

Uma equipe de seis estudantes e uma professora do campus de Goiânia do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Goiás (IFG) recebeu o prêmio de melhor apresentação em competição de inovação, o I2P Latin America (Idea to Product Latin America), em São Paulo, na última semana. A equipe desenvolveu um processador de resíduos orgânicos domésticos (Prod), que tritura, compacta e drena líquidos residuais. A competição é realizada pela Fundação Getúlio Vargas.

O objetivo da máquina é reduzir o lixo orgânico doméstico, a partir da compactação e diminuição do volume. “Sabemos que 60% do lixo doméstico é composto de resíduos orgânicos, inadequados para o aterro sanitário”, salientou a professora Sandra Regina Longhin. “Com o equipamento, o que resta dos resíduos vai diretamente para a compostagem.”

Os benefícios, segundo Sandra, professora de química, atingem também o transporte do material inaproveitável, que passa a ter custo mais baixo pela redução do volume do lixo dispensado.

Alunos brasileiros são premiados em competição latino-americana

Foto: Divulgação/ IFG

A equipe vencedora é formada pelos estudantes Nadine de Paula Santos e Bruno Alves Rocha, do curso técnico em controle ambiental; Rafael Sforni Mota, engenharia mecânica; Victor Carrijo Guimarães, técnico em mineração; Augusto Sérgio Patrocínio, técnico em edificações, e Wesley Rosa de Mesquita, engenharia ambiental. Eles competiram entre as seis melhores equipes da América Latina, na categoria Ciências da Vida, e admitem que não esperavam repercussão tão positiva do projeto, desenvolvido desde o início do ano. “Não pensávamos que ficaria tão sério e, num espaço de tempo tão curto, que tomaria essa proporção”, disse Nadine. “Ainda mais sabendo que competimos com projetos de mestrado e doutorado.”

O projeto será aplicado também em turmas do curso técnico em alimentação do campus de Goiânia, para ser testado e se tornar conhecido por maior número de pessoas. De acordo com a professora Sandra Regina, o grupo pretende desenvolver planos de gestão de resíduos para residências em condomínios horizontais e verticais da cidade. “A ideia é criar protótipos para fazer testes em espaços”, afirmou.

O Instituto Federal de Goiás teve outra equipe participante do I2P Latin America, a do campus de Inhumas, que desenvolveu o projeto de chocolates naturais à base de hortaliças com baixos teores calóricos. “Os estudantes elaboraram trufas com hortaliças e chocolate para um público infantil, de modo a associar diversão, nutrição e reeducação alimentar, criando assim uma ideia inovadora: brincando de ser saudável”, explicou a professora Elisângela Cardoso de Lima Borges, tutora do grupo, composto pelos estudantes Gustavo Henrique Amaral Monteiro Rocha, Ana Caroline Teixeira Santos, Beatriz Alves Carvalhais, Gabriel Gonçalves Ribeiro, Gleyciene Oliveira Silva e Higor Luiz Oliveira Ribeiro.

*Do Portal do MEC


Reportar erro