Antígenos e anticorpos

Constantemente, o corpo humano entra em contato com bactérias, vírus e microrganismos que podem prejudicá-lo. Isso, no entanto, não acontece tão frequentemente, pois o…


Constantemente, o corpo humano entra em contato com bactérias, vírus e microrganismos que podem prejudicá-lo. Isso, no entanto, não acontece tão frequentemente, pois o nosso corpo tem a presença de antígenos e anticorpos.

Antígenos e anticorpos

Foto: Reprodução

O que são antígenos?

Os antígenos são as substâncias que estimulam a produção dos anticorpos e, além disso, que reagem especificamente com eles.

Essa substância pode ser uma proteína, um polissacarídeo ou um complexo que contenha as duas substâncias citadas. Os antígenos, normalmente, são os vírus, as bactérias, substâncias presentes na saliva de insetos inoculadas por suas picadas, ou ainda por porções de alimentos que não são totalmente digeridas.

Anticorpos e sua produção

Os anticorpos são glicoproteínas produzidas quando a célula-mestra reconhece a presença de um antígeno. Essa, um linfócito, é um tipo de leucócito dividido em dois grupos que irão variar de acordo com a necessidade ou não da passagem pelo timo para a maturação.

Linfoide, bilobado e esponjoso, o timo é um órgão situado acima do coração e logo atrás do esterno. Os linfócitos T precisam passar pelo timo e não formam anticorpos, mas atuam na imunidade celular. Os linfócitos B, por sua vez, não precisam passar pelo timo, e são responsáveis pela produção dos anticorpos conhecidos como circulantes, responsáveis pela imunidade humoral.

As moléculas de anticorpos tem a forma de um Y e são constituídas de quatro cadeias de aminoácidos, sendo duas delas leves e curtas, e duas pesadas e longas, que são unidas por pontes dissulfídicas.

A sequência de aminoácidos de um anticorpo é igual em todos eles, sendo variável somente em uma parte que irá determinar a especificidade desse anticorpo, representando ainda a região de combinação com os antígenos.

Quando formado, o linfócito, mesmo imaturo, á apresenta os anticorpos específicos e, ao encontrar o antígeno específico para os anticorpos, ambos se unem. Neste processo, o linfócito é ativado e passa pela divisão e diferenciação.

O linfócito é, então, multiplicado produzindo os plasmócitos e as células de memória. Enquanto os primeiros produzem os anticorpos circulantes, os últimos são responsáveis por circular secretando anticorpos.

Relação antígenos-anticorpos

Denominada afinidade, a força de ligação entre o anticorpo e o antígeno é representada, comumente, pela dissociação constante (Kd), sendo capaz de descrever a concentração necessária de antígenos para ocupar locais de ligação de ½ das moléculas de anticorpos presentes em uma solução com anticorpo. Quando menor for o Kd, maior e mais forte será a interação de afinidade.


Reportar erro