Biografia de Clarice Lispector

Conhecida como uma das maiores escritoras da literatura brasileira, Clarice Lispector é lembrada pelo jeito peculiar de escrever sobre sentimentos ligados aos acontecimentos da…


Conhecida como uma das maiores escritoras da literatura brasileira, Clarice Lispector é lembrada pelo jeito peculiar de escrever sobre sentimentos ligados aos acontecimentos da vida.

Clarice Lispector

Foto: Reprodução

A sua história

Clarice nasceu em Tchetchelnik na Ucrânia, no dia 10 de dezembro de 1920.  Era filha de família de origem judaica. Em março de 1922, mudou-se junto à sua família para o Brasil, mais precisamente para a cidade de Maceió, onde uma tia já morava há alguns anos. No ano de 1925 muda-se para a cidade de Recife. Clarice aprendeu a ler e escrever muito nova, e estudou inglês e francês.  Ao completar nove anos de idade perde sua mãe. E em 1931 começa a estudar no Ginásio Pernambucano, conhecido como o melhor colégio público da cidade. Em 1937 muda-se para o Rio de Janeiro, junto com seu pai e suas irmãs, moraram no Bairro da Tijuca, começou a estudar no Colégio Silva Jardim, e ficou conhecida no colégio por ser uma grande frequentadora da biblioteca.

Ao terminar o ensino médio ingressa no curso de Direito, e ao completar 19 anos publica seu primeiro conto “Triunfo”. Em 1943 se formou em Direito e casou com o amigo de turma Maury Gurgel Valente. Ainda nesse mesmo ano publicou seu primeiro romance “Perto do Coração Selvagem”, onde retratou uma visão interiorizada do mundo da adolescência, recebeu o Prêmio Graça Aranha por esse romance.

Clarice sai do país para acompanhar seu marido na carreira de Diplomata no Ministério das Relações Exteriores. Moraram na Inglaterra, Estados Unidos e Suíça. Enquanto morava na Suíça, em 1948, teve seu primeiro filho, Pedro, e em 1953 quando morava nos Estados Unidos teve Paulo, seu segundo filho. Em 1959 Clarice se separa de seu marido e retorna para o Rio de Janeiro com os filhos.

De volta para o Brasil

Chegando ao Brasil começou a trabalhar no Jornal Correio da Manhã, onde assumiu a coluna Só para Mulheres, e lança “Laços de Família”, livro que ganhou o Prêmio Jabuti da Câmara Brasileira do Livro.

EM 1977, Clarice escreve seu último livro, “Hora da Estrela”, onde retrata a história de Macabéa, moça do interior que buscar sobreviver na cidade grande. No dia 09 de dezembro de 1977, Clarice vem a falecer devido a um câncer no ovário. Por coincidência ela falece um dia antes em que completaria 57 anos.

Frases famosas de Clarice:

“Liberdade é pouco. O que eu desejo ainda não tem nome.”

“Quando se ama não é preciso entender o que se passa lá fora, pois tudo passa a acontecer dentro de nós.”


Reportar erro