Biografia de Monteiro Lobato

Monteiro Lobato (seu nome completo era José Bento Monteiro Lobato) nasceu na cidade de Taubaté, no interior de São Paulo em 1882. Foi alfabetizado…


Monteiro Lobato (seu nome completo era José Bento Monteiro Lobato) nasceu na cidade de Taubaté, no interior de São Paulo em 1882. Foi alfabetizado por sua mãe e despertou cedo o gosto pela literatura. Sempre irrequieto, escandalizou a sociedade quando se recusou a fazer a primeira comunhão. Em sua formatura da faculdade de Direito, fez um discurso agressivo que fez com que vários professores, padres e bispos se retirassem da sala. Atuou como promotor público e paralelamente publicava seus primeiros contos em jornais e revistas que posteriormente reuniu em uma obra chamada Urupês. Casou-se com Maria Pureza da Natividade e teve quatro filhos, Marta, Edgar, Guilherme e Rute. Em 1911 mudou-se para a fazenda Buquira, deixada como herança por seu avô.

Biografia de Monteiro Lobato

Foto: Reprodução

Houve uma época em que seus livros brasileiros eram editados em Paris ou Lisboa, e foi quando ele se tornou editor para editar livros também no Brasil e implantou uma série de renovações nos livros didáticos e infantis. Em sociedade com Octalles Marcondes Ferreira, fundou a “Companhia Gráfico-Editora Monteiro Lobato”, que foi a falência devido ao racionamento de energia. Em seguida fundam a “Companhia Editora Nacional”. Ele é muito conhecido até hoje entre as crianças uma vez que sua escrita é simples e realidade e fantasia andam lado a lado em suas histórias. Monteiro Lobato foi o precursor da literatura infantil no Brasil. Morreu em 1948, vítima de um derrame.

Personagens

Seus principais personagens, conhecidos até hoje, são a Emília, que é uma boneca de pano com vida, Pedrinho, Visconde de Sabugosa, uma espiga de milho com vida e muito inteligente, Cuca, a vilã, e o Saci Pererê. Estes personagens fazem parte da obra mais famosa, “O Sítio do Pica-Pau Amarelo”, famosa entre as crianças até hoje.

Livros

Suas principais obras infantis são “A Menina do Nariz Arrebitado”, “O Saci”, “Fábulas do Marquês de Rabicó”, “Aventuras do Príncipe”, “Noivado de Narizinho”, “O Pó de Pirlimpimpim”, “Reinações de Narizinho”, “As Caçadas de Pedrinho”, “Emília no País da Gramática”, “Memórias de Emília”, “O Poço do Visconde”, “O Pica-Pau Amarelo” e “A Chave do Tamanho”.

Além de seus livros infantis, também escreveu outras obras como “O Choque das Raças”, “Urupês”, “A Barca de Gleyre” e “Escândalo do Petróleo”.

Jeca Tatu

Em seu livro “Urupês”, Monteiro Lobato retrata a imagem do caipira brasileiro, destacando sua pobreza e ignorância que o tornava incapaz de auxiliar na agricultura. Este personagem tornou-se símbolo nacionalista e foi usado por Rui Barbosa em sua campanha presidencial em 1918.

Crítico

Monteiro Lobato escreveu ainda muitas críticas, entre elas “Jeca Tatu” e “Negrinha”, que retratam a visão que o autor tinha do país. Os contos falam sobre o trabalho do menor, parasitismo da burocracia, a violência contra os negros, imigrantes e mulheres, da empáfia dos que mandam, do crescimento desordenado das cidades e outros assuntos da crise de 30.


Reportar erro