Biografia do papa Francisco

No dia 13 de março de 2013 o nome de Jorge Mario Bergoglio entrou para a história. Ele foi eleito o primeiro papa nascido na América, em mais de 1200 anos


Jorge Mario Bergoglio, ou simplesmente Papa Francisco, nasceu em Buenos Aires, na Argentina, no dia 17 de dezembro de 1936. Mas foi no dia 13 de março de 2013 que seu nome entrou para a história.

Ele foi o primeiro papa nascido no continente americano e também o primeiro latino-americano da Igreja Católica, em mais de 1200 anos.

Sua serenidade e envolvimento com a doutrina, chamam a atenção na sua personalidade.

Jorge Mario Bergoglio é filho de emigrantes piemonteses. O pai, Mario Bergoglio, trabalhava como contabilista no caminho de ferro e a mãe, Regina Sivori, ocupava-se da casa e da educação dos cinco filhos.

Biografia do papa Francisco

Foto: depositphotos

Antes de dedicar-se a vida religiosa, Bergoglio estudou Farmácia. Sua entrada no seminário aconteceu aos 19 anos, no seminário em Villa Devoto, na Companhia de Jesus.

Completou os estudos humanísticos no Chile e, tendo voltado para a Argentina, em 1963, obteve a licenciatura em filosofia no colégio de São José, em San Miguel.

De 1964 a 1965, foi professor de literatura e psicologia no colégio da Imaculada de Santa Fé e em 1966, ensinou estas mesmas matérias no colégio do Salvador, em Buenos Aires. De 1967 a 1970 estudou teologia, licenciando-se também no colégio de São José.

Foi no dia 13 de dezembro de 1969 que Bergoglio foi ordenado sacerdote. Regressou à Argentina, onde foi mestre de noviços na Villa Barilari, em San Miguel, professor na faculdade de teologia, consultor da província da Companhia de Jesus e também reitor do colégio.

No dia 31 de julho de 1973, foi eleito provincial dos jesuítas da Argentina, cargo que desempenhou durante seis anos. Retomou o trabalho no campo universitário e, de 1980 a 1986, foi novamente reitor do colégio de São José, e pároco em San Miguel.

Em março de 1986, partiu para a Alemanha, onde concluiu a tese de doutorado; em seguida, os superiores enviaram-no para o colégio do Salvador, em Buenos Aires, e sucessivamente para a igreja da Companhia, na cidade de Córdova, onde foi diretor espiritual e confessor.

Cardeal Bergoglio

No dia 20 de maio de 1992, o então papa João Paulo II nomeou Jorge Mario Bergoglio como bispo titular de Auca e auxiliar de Buenos Aires.

No dia 27 de junho, recebeu na catedral a ordenação episcopal precisamente do cardeal. Como lema, escolheu Miserando atque eligendo e no seu brasão inseriu o cristograma IHS, símbolo da Companhia de Jesus.

O religioso foi nomeado vigário episcopal da região Flores, em dezembro de 1993, quando também foi-lhe confiada a tarefa de vigário-geral da arquidiocese.

Depois do falecimento do cardeal Quarracino, Bergoglio foi conduzido ao cargo de arcebispo, em 28 de fevereiro de 1998. Três anos mais tarde, no Consistório, João Paulo II atribuindo-lhe o título de São Roberto Bellarmino.

No ano de 2002, Bergoglio recusou a nomeação ao cargo de presidente da Conferência episcopal argentina, posição que viria a ocupar três anos mais tarde, sendo confirmado por mais um triénio em 2008. Em abril de 2005, participou no conclave durante o qual tinha sido eleito Bento XVI.

Como arcebispo de Buenos Aires, o religioso pensou num projeto missionário centrado na comunhão e na evangelização, com quatro finalidades principais: comunidades abertas e fraternas; protagonismo de um laicado consciente; evangelização destinada a cada habitante da cidade; assistência aos pobres e aos enfermos.

O seu objetivo era reevangelizar Buenos Aires.

Pontificado

O cardeal Bergoglio foi eleito em 13 de março de 2013, no segundo dia do conclave, escolhendo o nome de Francisco. Ele é o primeiro jesuíta a ser eleito Papa, o primeiro Papa do continente americano, do Hemisfério Sul e o primeiro não europeu investido como bispo de Roma em mais de 1.200 anos.

A eleição aconteceu depois que Bento XVI renunciou ao cargo, no dia 28 de fevereiro de 2013. No conclave que aconteceu em 2005, que elegeu o cardeal Joseph Ratzinger, Bergoglio já era cotado para assumir o papado.

Porém, sua posse foi prorrogada. Ao ser eleito, o novo pontífice escolheu o nome de Francisco. Segundo o próprio, uma referência a Francisco de Assis.


Reportar erro