Biometria

Esta consiste na mensuração das características únicas de cada ser humano, tais como a impressão digital, a cor dos olhos, ou a textura da retina


Segundo o dicionário michaelis, biometria é a ciência da aplicação de métodos de estatística quantitativa a fatos biológicos. Ou seja, é o reconhecimento de cada ser humano através de suas características biológicas naturais, tais como retina, impressão digital, formato das mãos e até mesmo, odor. Derivada da língua grega, bios quer dizer vida, e metron, medida.

Como funciona?

A biometria funciona a partir do reconhecimento de elementos corporais distintos de cada indivíduo. São mensuradas características físicas ou comportamentais, como a cor dos olhos, a voz, a textura da íris, as impressões digitais, a forma de andar ou de falar, o formato do rosto etc. Essas características possuem princípios que não se repetem em mais nenhum ser humano. Os principais componentes de um sistema biométrico são:

  • Captura – É a obtenção da amostra a ser mecanizada (exemplo, a digital);
  • Extração – Ocorre quando se transforma a informação em característica única do indivíduo;
  • Criação de padrão – É quando o formato inicial é convertido em um formato final, para armazenamento;
  • Comparação – É aqui que são realizados testes para comparar se a informação dada é compatível ou não com os dados armazenados.
Biometria

Foto: Reprodução/ TRE-SC

Em que se utiliza a biometria?

Atualmente, a biometria é utilizada em processos referentes à segurança em geral. Acesso a sistemas, empresas, controles de ponto ou identificação criminal são os principais meios que se utilizam dessa tecnologia. Esse método também tem sido acrescentado cada vez mais ao cotidiano, como em clínicas, e tem levantado discussões acaloradas sobre os limites à privacidade dos cidadãos.

No cinema

É bem comum vermos, nos mais diversos filmes, a utilização desse processo tecnológico. Mas se engana quem pensa que essa tecnologia chegou há pouco tempo nas telas. Em 1968, o filme “2001: Uma Odisseia no Espaço” trouxe o reconhecimento da voz como exemplo de biometria. Em 1971, a impressão digital aparece no filme “007: Os Diamantes são Eternos”. O reconhecimento da retina aparece em “Jornada nas Estrelas 2: A Ira de Khan”, um filme de 1982.

História

Na China, durante a Dinastia Tang (800 d.C.), impressões digitais já era grafadas no barro para confirmar o indivíduo durante transações comerciais. Há relatos que os antigos faraós egípcios também faziam o discernimento dos cidadãos através das cores dos olhos, das cicatrizes e da arcada dentária.

Segundo o especialista Ricardo Yagi, a impressão digital em tinta é utilizada para reconhecimento criminal e civil há pelo menos cem anos. E o FBI tem em posse mais de 200 milhões de impressões digitais em seus bancos de dados.


Reportar erro