Bloco econômico NAFTA – Países, objetivos e características

Por Gabriely Araujo

Bloco econômico NAFTA - Países, objetivos e características

Mapa com os países que formam o bloco NAFTA. | Foto: Reprodução

No ano de 1993 Estados Unidos, Canadá e México assinaram um acordo comercial que entraria em vigor em 1º de setembro do ano seguinte, o acordo tinha como objetivo criar uma área de livre comércio entre os países membros e ainda fazer frente à União Europeia, bloco econômico que vinha se destacando no cenário da economia global. Foi criado então o bloco econômico do NAFTA (North American Free Trade Agreement, em português, Tratado Norte-Americano de Livre Comércio) que é hoje um dos mais importantes do mundo com um PIB (Produto Interno Bruto) de aproximadamente 10,3 trilhões de dólares.

Apesar de possuir uma estrutura forte, o NAFTA conta com disparidades em relação ao nível econômico dos países membros. Os Estados Unidos são atualmente a maior economia do mundo e o Canadá apesar de aparecer em destaque no ranking econômico ainda é dependente de recursos americanos, o México por sua vez não recebe tanto destaque no cenário internacional, porém possui grande poder de compra e recursos como petróleo que é exportado para os Estados Unidos.

Objetivos do NAFTA e seus países

  • A derrubada das barreiras alfandegarias garantindo assim o livre comércio entre os países membros e facilitando o fluxo de mercadorias.
  • Redução de custos comerciais entre os mesmos.
  • Aumentar o percentual de exportação entre si.
  • Garantir elevação e ajuste da economia dos países membros para que os mesmos ganhem destaque e competitividade no cenário global do comércio.

Principais características

A criação do bloco econômico trouxe diversas vantagens para os países membros tendo em vista que o Canadá é dependente de recursos financeiros americanos e o México, que possui um enorme mercado consumidor, detém uma grande jazida de petróleo que é exportado para Estados Unidos e Canadá sustentando assim a sua economia. Ambos veem vantagens na mão-de-obra barata oferecida pelo México para diminuir seus custos de produção e instalam no país várias filiais de suas empresas e fábricas beneficiando o mesmo com o aumento da geração de empregos para a população mexicana. O grande percentual de cidadãos mexicanos empregados pode ser extremamente favorável aos Estados Unidos tendo em vista que este fator pode diminuir a entrada de imigrantes ilegais em território norte-americano. A instalação de empresas americanas no México também tem como objetivo baratear o custo de produção e abastecer o mercado americano a custos menores.

Com o crescimento do NAFTA superior a 150 % na última década, os Estados Unidos pretendem expandir suas áreas comerciais implantando um megabloco econômico que prevê a derrubada das barreiras comerciais entre as Américas do Norte, Sul e Central (com exceção de Cuba), o ALCA (Área de Livre Comércio das Américas). Se entrasse em funcionamento ele renderia um PIB de cerca de 20 trilhões de dólares e teria uma população de 850 milhões de habitantes. Contudo, o novo bloco atenderia especialmente aos interesses econômicos norte-americanos, que se sobressairia aos países em desenvolvimento e subdesenvolvidos. Sendo assim por divergências entre os países, o ALCA ainda não foi implantado.