Calígula – História desse Imperador

Caio César, mais conhecido como Calígula, foi o terceiro imperador romano. Ele era conhecido pelos seus excessos absurdos e loucuras


Nascido em 31 de agosto do ano 12 d.C., Caio Júlio César Augusto Germânico foi o terceiro imperador romano e membro da dinastia Júlio-Claudiana instituída por Augusto. Era conhecido entre seu povo como um imperador de natureza cruel e extravagante. Seu apelido, Calígula, significa “botinhas” e foi posto pelos soldados das legiões comandadas pelo seu pai, Germânico, pois acreditavam que o garoto ficava engraçado usando pequenas caligaes (sandálias militares) nos pés. Com a morte de seu pai, o jovem Caio foi adotado pelo imperador de Roma, Tibério e aos 25 anos sucedeu o seu trono de imperador.

O governo de Caio César, Calígula

No começo da administração, Roma estava tendo um crescente período próspero e a gestão era impecável. Contudo após uma série de exageros do imperador, o local passou a enfrentar crises, principalmente a econômica, que gerou a fome na população. Na tentativa de melhorar alguma coisa, Calígula empreendeu um conjunto de reformas públicas e urbanísticas que acabaram por esvaziar o tesouro de Roma. Fazendo muitas dívidas, tomou medidas desesperadas para restabelecer as finanças imperiais, até mesmo pedindo dinheiro à plebe. Quanto aos militares, eram subordinados de seu Senhor, mas não discutiam as suas medidas.

Suas loucuras

Calígula

Calígula era um imperador megalomaníaco e apaixonado por orgias. | Imagem: Reprodução

  • O começo do governo do imperador foi calmo e liberal, tanto que os cidadãos romanos chegaram a pensar que este era o início de uma era alegre para todos. Mas para o desapontamento dessas pessoas, Caio adoeceu devido aos excessos de orgias que participava, e ao se recuperar revelou sua maldade;
  • Calígula fazia gastos exorbitantes, cobrava impostos muito altos e não tinha noção de quando parar de cometer excessos na sua vida. Isso piorou e muito a situação do povo;
  • O imperador era conhecido por sua crueldade com os presos e escravos, humilhando-os sempre que possível;
  • Os condenados eram torturados por ele em frente aos seus familiares, que para completar assistiam o imperador tomar posses das vítimas;
  • Caio não admitia ser contrariado em absolutamente nada e até gostava de ser odiado por seu povo;
  • Mantinha uma casa de prostituição e ordenou que estátuas de sua pessoa fossem colocadas em locais de destaque em todos os templos, até mesmo nas sinagogas de Jerusalém. Foi assim que entrou com conflito com os judeus, que não aceitaram tal desejo de ser adorado como um deus do imperador;
  • Nos seus últimos anos de vida, Calígula se envolve em uma extensa série de escândalos, como o de obrigar suas irmãs a se prostituírem e fazê-las manterem relações incestuosas com ele.

O assassinato de Calígula

É importante lembrar que os soldados do imperador apoiavam todas as suas loucuras. Várias vezes Calígula escapou de atentados, pois o povo o odiava profundamente. No entanto, depois de aguentarem calados os absurdos cometidos pelo patrão, os soldados já aterrorizados e fartos, decidiram acabar com o seu governo. O imperador foi assassinado num túnel que ligava o palácio ao fórum, em 24 de janeiro de 41 d.C., evento que gerou a ira de seu tio Cláudio, que logo tomou o trono para si e ordenou a execução dos assassinos de seu sobrinho.

Imagens

Estátua de Calígula

Imagem: Reprodução

 

Calígula - Estátua em Mármore

Imagem: Reprodução

 

Moeda com a figura de Calígula

Imagem: Reprodução


Reportar erro