Como a vitória de Trump pode afetar o Brasil

Após longa batalha eleitoral, Donald Trump é eleito o 45º presidente dos Estados Unidos. Ele conquistou o voto de 289 delegados, enquanto Hillary 218


Depois da maioria das pesquisas de opinião sobre as eleições presidenciais nos Estados Unidos apontarem a candidata democrata como vencedora, o republicano Donald Trump foi eleito o novo presidente da nação mais poderosa do mundo.

Surpresa para muitos, a verdade é que agora os questionamentos se voltam para a atuação dele à frente da Casa Branca e o impacto que isso terá em alguns países.

O Brasil, por exemplo, assim como a América Latina, já foram citados pelo agora presidente, na época de campanha. Trump se referiu ao Brasil quando citou os países que, segundo ele, tiram vantagem dos Estados Unidos através de práticas comerciais que ele considera injustas. A balança comercial entre os dois países, porém, é favorável aos EUA.

Como a vitória de Trump pode afetar o Brasil

Foto: depositphotos

Esmiuçando os impactos

Nas vias de fato, nem o Brasil, nem tão pouco a América Latina foram tratados como prioridade nas campanhas dos dois candidatos. Porém, o impacto, sobretudo para o Brasil, vai além do pouco espaço dado a ele pelos candidatos. Economia e comércio, imigrações e concessão de vistos e ideologia entre os governantes podem ser impactos sentidos com a chegada de Trump ao poder.

Economia e comércio

Atualmente, os EUA são o segundo maior parceiro comercial do Brasil, atrás da China. Levando em consideração os conceitos defendidos pelo partido republicano em relação a política protecionista e ao apoio as indústrias e geração de emprego local, o Brasil tem muito o que se preocupar em relação ao comércio e economia internacional.

Com a candidatura de Trump, esse cenário passou por uma pequena modificação, onde ele propôs renegociar os acordos comerciais firmados pelos EUA para preservar empregos no país e reduzir o déficit americano nas transações com o resto do mundo. Dessa forma, o Brasil continuaria sendo prejudicado.

Para alguns economistas, as consequências seriam imediatas e negativas, e causariam o que muitos estão chamado de “efeito Trump”, os efeitos devem ser devastadores. Em contrapartida, os economistas chamam atenção para a imprevisibilidade do presidente eleito, trazendo ainda mais dúvida para o futuro.

Imigrações e vistos

Viver nos Estados Unidos sempre foi um sonho para muitos brasileiros, tanto é que, a estimativa é que mais de um milhão de brasileiros vivam no país em situação imigratória irregular. Nesse quesito a política defendida por Donald Trump traz para primeiro plano o “bem-estar econômico de imigrantes legais”.

O presidente eleito defende que a admissão de novos imigrantes levará em conta suas chances de obter sucesso nos EUA. Dessa forma, aquelas pessoas com grau de escolaridade mais elevado e habilidades específicas teriam mais vantagem em relação a outra pessoa, ao menos é o que acreditam os especialistas.

Já em relação a concessão de vistos, Trump fez poucas menções ao sistema atual. Hoje, Brasil e EUA negociam a adesão brasileira a um programa que reduziria a burocracia para viajantes frequentes brasileiros, como executivos.

Tanto Barack Obama quanto Hillary Clinton apoiavam reformas no sistema de imigração americano, que dariam cidadania a imigrantes ilegais que hoje vivem nos Estados Unidos. Enquanto isso, Trump fez declarações polêmicas durante a campanha, ameaçando deportar 11 milhões de imigrantes ilegais e construir um muro na fronteira com o México.

Ao final da campanha, Trump não mudou o tom prometendo, por exemplo, “veto extremo” à imigração. Mas deu menos detalhes sobre quais políticas irá realmente adotar.

O Brasil no governo Trump

Exceto a menção feita no período de campanha, no ano de 2015, a qual Trump se refere ao Brasil como exemplo de países que tiram vantagem dos Estados Unidos através de práticas comerciais “injustas”, não houve qualquer outra ressalva. Outro ponto que deve ser levado em consideração foi o distanciamento de pontos ligados à América Latina como um todo.

No entanto, alguns especialistas acreditam que, diferentemente de Hillary Clinton, o republicano tem o elemento de imprevisibilidade. Ou seja, ele pode tomar decisões repentinas, sem que sejam previstas, que podem interferir nos mais diferentes níveis.

O resultado das urnas

Após longa batalha eleitoral, Donald Trump é eleito o 45º presidente dos Estados Unidos. O republicano conquistou vários Estados, onde os resultados eram imprevisíveis, como Flórida, Ohio e Carolina do Norte, garantindo vantagem sobre Hillary Clinton. Ao fim, Trump conquistou o voto de 289 delegados, enquanto Hillary 218.


Reportar erro