Conheça os povos que deixaram de existir sem deixar muitos rastros

Conheça os cinco povos que desapareceram e agora dão trabalho para os pesquisadores na remontagem de seus aspectos


A história está para nos mostrar como surgiram as civilizações, seus povos e suas culturas. Contudo, para que possa existir informações precisas é necessário que haja provas suficientes que consigam montar o “quebra-cabeças”.

Mas, como é possível indicar a existência de povos com poucas informações sobre eles? Esta questão é um desafio para os arqueólogos, que buscam respostas nos detalhes de cada descoberta.

Acompanhe a seguir cinco povos que desapareceram e agora dão trabalho para os pesquisadores na remontagem de seus aspectos.

Povos que sumiram sem deixar muitos rastros

conheca-os-povos-que-deixaram-de-existir-sem-deixar-muitos-rastros-sanxingdui

Foto: reprodução/wikimedia

1. Nok

Um dos povos que “quebra a cabeça” dos arqueólogos é a nação Nok, tendo em vista que as peças encontradas referentes a ela não possuem um contexto bem definido e por isso ainda é um grande mistério na história.

Contudo, algumas informações já puderam ser traçadas sobre os Nok, como a região onde viviam e os tipos de materiais que utilizavam em suas culturas.

De acordo com os historiadores, o povo que formava o Nok viveu entre os anos de mil a.C. e 300 d.C. A nação ficava situada onde hoje encontra-se o território norte da Nigéria.

Uma das características marcantes desse povo é a utilização de terracota para fazer as esculturas. Além disso, um aspecto chamou a atenção dos pesquisadores, isto é, a representação contínua de deficiências nas esculturas, a exemplo da elefantíase. Mas, para essa questão ainda não foram encontradas respostas.

2. Povo Silla

Levando em consideração as evidências encontradas pelos arquipélagos, o povo Silla foi fundado por um monarca chamado de Bak Hyeokgeose, que teria casado com uma rainha. Segundo uma lenda deste povo, o rei teria nascido de um ovo localizado na floresta e sua esposa seria descendente das costelas de um dragão.

Mitos a parte, este povo foi um dos que mais passaram tempo governando a península coreana, dinastia que perdurou entre os séculos 57 a.C. e 935 d.C.

Entre as descobertas mais recentes sobre este povo esta a da ossada de uma mulher encontrada em 2013. Pelas análises feitas, ela teria em torno de 40 anos quando faleceu. Além disso, de acordo com as evidências, ela ainda teria uma dieta vegetariana.

3. Cultura do Vaso Campaniforme

Devido a falta de informação, este povo não possui um nome propriamente dito. Por esta razão, o nome escolhido para designar a civilização que viveu entre os anos de 2,8 e 1,8 mil a.C., perambulando pela Europa. A escolha pela nomeação se deu devido aos traços das peças fabricadas por essa nação, que foram encontradas pelos pesquisadores.

Potes de cerâmicas com formato de sino invertido são as peças que compõem os estudos sobre essa população. Além desses artefatos, os arqueólogos encontraram também objetos feitos de cobres e sepulturas localizadas onde hoje fica a República Tcheca.

4. Punt

As evidências desses povos foram deixadas não por eles mesmos, mas sim pelos egípcios que mantinham relações comerciais com os Punt.

Os pesquisadores acreditam que, por volta do século do 26 a.C., essas duas civilizações já faziam trocas de produtos. Portanto, foram descobertos os carregamentos de marfim, ébano, mirra e ouro que os povos do Egito obtinham desses povos.

Apesar do vasto conteúdo sobre as trocas comerciais, não foi possível estabelecer a localidade dos Punt. Portanto, o que há é especulações dos historiadores que variam entre locais da África Oriental, como Somália, a Etiópia, a Eritreia e o Djibouti.

5. Sanxingdui

Em 1929, surgiu a primeira evidência sobre os povos Sanxingdui, mas foi só em 1989 que os arqueólogos descobriram de fato características pertinentes dessa civilização.

De acordo com as evidências, essa comunidade teria se fixado na Província de Sichuan, na China. Mas, com o passar do tempo teriam saído desta localidade buscando abrigo e água em Jinsha, ainda na China.

Os pesquisadores sabem que esta população tinha um dom artístico nato, pois as peças encontradas desses povos eram esculturas em jade e bronze. Muitas peças possuem um tamanho de até 2 metros de altura. Mas, por enquanto, estas são as únicas informações sobre os Sanxingdui.


Reportar erro