Construindo um enredo

O enredo é um esqueleto, pois serve para dar forma e sustentar todo o contexto da redação. Possui duas formas, a linear e não linear


Em quase todos os concursos ou vestibulares está sendo exigindo a produção de uma redação. Isso porque saber ler e escrever corretamente, ou melhor, claramente, se tornou uma ótima característica para um bom estudante ou funcionário qualificado. Apresentando um texto coerente, o candidato também mostra que consegue se comunicar e se expressar da melhor forma, e é exatamente isso que universidades e empresas procuram.

Por essas razões, redigir uma boa redação é muito importante, pois ela é, de certa forma, uma garantia de futuro. Sendo assim, se faz necessário seguir alguns passos em busca de redigir um texto ideal, e o primeiro deles é entender as estruturas que o forma. Por isso, este artigo vai tratar de uma das partes mais vitais da redação: o enredo.

Afinal, o que é enredo?

Muito se ouve falar sobre esse tal de enredo, mas mesmo assim pouca gente entende ou sabe explicar o que significa. Afinal, o que é enredo? Vamos pensar na redação e nas estruturas que a forma como partes de um corpo humano. Levando em consideração essa lógica teremos o enredo como o esqueleto do corpo, que serve para dar forma e sustentar todo o contexto da redação.

Nessa estrutura, há uma predominância do gênero narrativo, mas existe também os gêneros descritivos e dissertativos envolvidos na construção. O enredo, também chamado de trama, é o lugar onde há uma preparação para o clímax, que abriga esse momento crítico e ainda posiciona-se dando um desfecho para essa parte de maior tensão no texto. Além disso, contém os personagens da ação, o tempo e o espaço que decorrem na redação, isso implica dizer, que se não há enredo também não haverá essas estruturas essenciais para uma boa compreensão.

Construindo um enredo

Foto: Reprodução/ internet

Partes que compõem o enredo

A apresentação é parte inicial do enredo, nela será possível observar os primeiros personagens, a criação de um cenário e marcações. Nessa estrutura é possível demarcar as primeiras ações das pessoas envolvidas. Apesar de importante, nem todo texto contém a apresentação no enredo. Porém, isso não significa que todos os elementos incluídos nessa parte deixaram de existir, pelo contrário, são expostos em outra estrutura do texto.

Ao desenvolver o enrendo, o escritor também estará escrevendo a complicação, parte na qual as ações e os conflitos são desenvolvidos até culminar no clímax. Falando nisso, o clímax é a situação mais tensa do texto, em que está contido o problema maior de toda a redação. Para resolver esse momento crítico se faz necessário a última parte do enredo: o desfecho. Ele contará com a resolução do clímax.

Tipos de enredo

Linear

Acontece quando a sequência do tempo das ações descritas no texto estão coerentes a realidade em que elas aconteceram. Isto é, o escritor tece a história da mesma maneira que ela aconteceu, respeitando o tempo de cada ação.

Não linear

É o oposto do linear, uma vez que a história não é narrada da mesma maneira que ela aconteceu. Mas isso não implica dizer que esse modo está errado, podendo ser usado da mesma forma.


Reportar erro