Crise do Império Romano – História

Por Wanessa Galvão

O Império Romano é até hoje um símbolo de poder e grandiosidade. No entanto, até mesmo um Estado tão forte enfraqueceu diante de alguns acontecimentos e crises. Entre os principais motivos da queda do Império Romano estão o aumento desordenado da expansão territorial e até mesmo a crescente difusão do cristianismo.

Crise do Império Romano - História

Imagem: Reprodução

A primeira crise do império

“Império Romano” é na verdade um termo usado para se referir ao Estado de Roma após o período em que ele passou por uma reorganização política idealizada pelo primeiro Imperador Augusto. Nessa época a extensão territorial de Roma era imensa e causava medo em outros povos, que via toda a Roma como uma grande fortaleza. Entretanto, os gastos e os problemas eram de tamanhos equivalentes, ou seja, enormes.

As dimensões continentais do Império Romano dificultavam a administração e o controle militar da região, abrindo espaço principalmente para ataques de povos bárbaros. As riquezas obtidas eram imensas, mas manter a ordem e o domínio sobre tantos povos diferentes tornou-se um desafio, que acabou dando início a desintegração do Império.

A crise escravista

Sem novos territórios para conquistar, o Império Romano parou de receber mão de obra escrava – a base de todo o Império. A pouca mão de obra causou uma diminuição na produção de alimentos, o que consequentemente provocou uma diminuição nos impostos, uma vez que as pessoas não possuíam mais tanto dinheiro já que não tinham como plantar para vender.

A baixa na arrecadação de impostos foi atingir diretamente a força militar do império, que começou a se enfraquecer perante a crise. Sendo assim vários povos bárbaros aproveitaram a deixa e tomaram grandes porções do Império.

Agravantes

Alguns outros acontecimentos agravaram as principais crises que atingiram o Império Romano, entre eles está o crescimento do cristianismo entre o povo romano. O Cristianismo contestava as bases religiosas, políticas e ideológicas do Império. Se posicionando contra a escravidão, a guerra e o domínio de povos conquistados. O aumento na corrupção nas províncias e até mesmo no centro do Império também ajudou a enfraquecê-lo.

O começo da Idade Média

Apesar das diversas crises citadas o Império Romano permaneceu como uma potência por mais de meio século, sendo, no ano de 395 dividido em dois pelo Imperador Teodósio. Cada um dos dois filhos do Imperador recebeu como “presente” uma porção do Império, que recebeu os nomes de Império Romano do Ocidente e Império Romano do Oriente.

Por cerca de 10 séculos o Império Romano do Oriente conseguiu permanecer de pé, sendo extinto apenas em 1453, após ter sua capital, Constantinopla, tomada por turcos. Já a parte referente ao Império Romano do Ocidente já estava bastante enfraquecida pelas crises escravistas e administrativas e em 476 um grupo de bárbaros germanos, conhecidos por Hérulos, tiraram proveito do fato e conquistaram o Império Romano do Ocidente. Esse fato marca o início da Idade Média.