Educação tecnológica: estudante encontra solução simples para preservar frutas

Uma solução de baixo custo, a partir de fécula de mandioca e óleo de cravo-da-índia, pode resolver um problema atual: o desperdício de alimentos


Publicado em 01 de setembro de 2015

 

Uma solução de baixo custo, a partir de fécula de mandioca e óleo de cravo-da-índia, pode resolver um problema da sociedade moderna, o desperdício de alimentos. A ideia resulta de um ano de pesquisa do estudante Josemar Gonçalves de Oliveira Silva, do campus de Planaltina do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Brasília (IFB).

Para obter o resultado, a fruta a ser preservada deve ser mergulhada em solução preparada com a fécula de mandioca e o óleo essencial de cravo-da-índia. O custo de produção do litro é inferior a R$ 5. O preparo é bastante simples. Após a aplicação, o alimento ganha, em média, mais dez dias de vida. Para importação ou transporte dentro do país é um tempo considerável. “Em uma pesquisa, constatei que 40% das bananas colhidas são perdidas por causa de doenças, um número muito alto”, diz o estudante.

Ao realizar testes, Silva observou que não houve o desenvolvimento de doenças nos frutos revestidos. “A fórmula impede o desenvolvimento de micro-organismos, principalmente os fungos”, diz. “Além disso, traz outras melhorias ao alimento, como retardar a maturação, melhorar as características externas e aumentar o tempo de vida de prateleira dos frutos, isso tudo sem alterar as características originais do produto”.

O projeto, Embalagem Biodegradável e Ativa com Função Antimicrobiana para Aplicação em Alimentos, é considerado pelo autor um novo conceito de embalagem. “É o que a gente chama de embalagem ativa, que interage com o alimento controlando determinada característica”, explica.

Educação tecnológica: estudante encontra solução simples para preservar frutas

Foto: NCS/IFB

Patente

Aos 20 anos, Silva cursa licenciatura em biologia. Ele já concluiu os cursos técnicos em agroindústria e em tecnologia em agroecologia. O próximo passo é verificar a patente e pesquisar alternativas de automatização do processo para aplicação em grande escala. O estudante garante, no entanto, que a fórmula está pronta para ser usada. “O pequeno produtor, os revendedores de hortigranjeiros ou até mesmo a dona de casa já podem fazer a aplicação”, salienta. “Para os grandes produtores, a ideia é buscar parceiros para uma produção em nível industrial”. Ele cita a possibilidade de um processo automatizado para grande escala, “com aplicação por spray, com os frutos pendurados ou em esteira e, depois, em uma câmara de secagem rápida”. Em curto prazo, o objetivo é disseminar o conhecimento, ao divulgar a fórmula a pequenos produtores, assentados e revendedores de hortigranjeiros.

Prêmio

Com a pesquisa, o estudante ganhou o prêmio de melhor projeto da 4ª Semana de Produção Científica do Instituto Federal de Brasília e recebeu convite para estágio na Universidade de São Paulo (USP). Silva ganhou destaque também no Fórum Mundial de Educação Profissional, no Congresso Norte e Nordeste de Pesquisa e Inovação e na 67ª Reunião Anual da Sociedade Brasileira para o Progresso da Ciência (SBPC).

A professora orientadora do projeto, Heloisa Falcão, mostra orgulho com o desenvolvimento da pesquisa. “Nosso papel de professora orientadora é o de ser facilitadora. O Zeca desempenhou a pesquisa com bastante empenho”, disse.

*Do Portal do MEC


Reportar erro