Fábula, parábola e apólogo

Tanto na fábula e no apólogo como na parábola, utiliza-se o recurso da alegoria, mas cada um deles possui suas próprias características


Entre os povos que não se utilizam da escrita, é comum encontrarmos a figura do mais velho como o sábio que possui a capacidade de transmitir um ensinamento profundo por meio de histórias simples e fáceis de serem compreendidas. Muitas destas histórias servem, nas mais diversas culturas, para educar crianças e transmitir valores da sociedade.

O grego Esopo e o francês La Fontaine, por exemplo, destacaram-se por suas fábulas e apólogos, que inclusive eram usados para educar futuros reis; enquanto que no universo das religiões é bastante comum encontrarmos as parábolas.

Fábula, parábola e apólogo

Foto: Reprodução/ internet

Fábula

Trata-se de um texto literário bastante comum na literatura infantil, em que se expressa uma lição moral. A linguagem utilizada é simples, o fato narrado é algo fantástico ou inusitado e, geralmente, não estão presentes mais de duas ou três personagens, principalmente os animais com características humanas.

O enredo é bastante curto, desenvolve-se em torno de um conflito e o texto também conta com uma analogia entre a realidade humana e a situação vivida pelas personagens, a fim de ensinar algo ou provar alguma verdade (lição moral, que é comum, porém não obrigatória).

O conteúdo costuma ser expresso nas falas das personagens, geralmente escritas por meio de discurso direto, no entanto, existem fábulas que concentram o conteúdo no comportamento das personagens.

Parábola

Derivada do grego parabole (narrativa curta), a parábola é uma alegoria escrita em forma de narração, em que as personagens são seres humanos ou ideias apresentadas como pessoas. Este tipo de texto transmite uma lição ética através de uma prosa metafórica, de uma linguagem simbólica, ilustrando verdades e sintetizando ensinamentos.

Além de ser protagonizada por seres humanos, a parábola se diferencia da fábula e do apólogo por possuir a alegoria mais ricamente trabalhada. Trata-se de um gênero muito comum na bíblia, em que estão escritos originalmente e de forma sucinta em versos (versículos).

Apólogo

Trata-se de um gênero alegórico no qual as personagens são seres inanimados, objetos ou até partes do corpo humano. Deste tipo de texto também se deduz um ensinamento de vida, por meio de situações semelhantes às reais.

O apólogo, com o uso dos exemplos, tem o objetivo de atingir os conceitos humanos, para modificá-los, levando a uma mudança de comportamento, de ordem moral e social.

Diferencia-se da fábula por se concentrar em situações reais; já a diferença com relação à parábola se dá porque o apólogo trata de qualquer tipo de lição de vida, e não apenas questões religiosas e lições éticas.

*Débora Silva é graduada em Letras (Licenciatura em Língua Portuguesa e suas Literaturas)


Reportar erro