Fé e razão na filosofia

Na cultura ocidental, o embate e o antagonismo existente entre a fé (crença religiosa) e a razão tornaram-se claros desde períodos muito antigos. Este…


Na cultura ocidental, o embate e o antagonismo existente entre a fé (crença religiosa) e a razão tornaram-se claros desde períodos muito antigos. Este tema é relacionado a um período medieval no qual havia um confronto entre os adeptos da religião cristã e os moralistas gregos e romanos, cada um dos grupos objetivando impor os seus pontos de vista.

Filósofos como Pitágoras, Heráclitos e Xenofánes desacreditavam na religião e, dessa forma, marcaram a ruptura entre razão e fé. A Filosofia marca o conflito entre a razão e a fé quando tenta explicar racionalmente os fenômenos, tais como os mitos, recusando a fé cega.

Fé e razão na filosofia

Foto: Reprodução

Fé x razão

Como já foi dito, o antagonismo entre fé e razão remonta a tempos antigos. O filósofo Anaxágoras foi obrigado por Atenas a fugir para impedir que fosse condenado publicamente, por suspeita de conceber um novo deus. O teólogo e filósofo italiano Giordano Bruno foi condenado à morte na fogueira pela Inquisição Romana, acusado de sustentar opiniões contrárias à fé católica sobre a Trindade, Jesus como Cristo, virgindade de Maria, Transubstanciação e outras.

A Filosofia tem como característica o estabelecimento de conceitos cada vez mais racionais através da História e mostra que, desde o início, a relação da fé com razão tem os seus momentos de embate e de reconciliação. Na Grécia Antiga, a Filosofia surgiu como uma tentativa de superar os obstáculos originados de uma fé cega em narrativas de Homero e Hesíodo. Para os seguidores de uma crença religiosa, o espírito é imortal; para a Filosofia, esta é uma afirmação que exige provas concretas.

Por causa dos questionamentos da Filosofia, o Cristianismo se transformou em Teologia, ciência que aborda Deus, mudando os textos da história santificada para teoria. A crença cristã queria fundamentar o seu domínio ideológico, debatendo sobre alguns temas.  Porém ainda há certas crenças que não poderiam ser compreendidas por meio da razão e, sem provas lógicas, apoiando-se na fé, tornam-se enigmas que não podem ser questionados, transformando-se em dogmas.

Na Era Moderna, surgiu o Renascimento que apelava à razão humana e muitos pensadores daquela época, tais como Galileu, Bruno e Descartes, reinventaram o pensamento contra a fé cega das crenças religiosas. O Iluminismo, expressão desse movimento, abarcava a superação das crenças e superstições infundadas, pautando-se na razão. Para a religião, a Filosofia é a ciência da incredulidade; já a Filosofia vê a religião como preconceituosa e desatualizada. Como podemos ver, esse embate entre razão e fé parece ser contínuo e a verdade completa não está em posse de nenhuma das duas doutrinas.


Reportar erro