‘Geladeiras de Livros’: conheça o projeto que estimula leitura em espaços públicos

O uso da geladeira como depósito de livros começou na própria casa do idealizador do projeto, depois passou para a comunidade. Hoje, vem ganhando o Brasil


Com o propósito de fomentar o gosto e acesso facilitado à leitura, o produtor cultural e videoartista Lucas Rafael, baiano que reside em região administrativa do Distrito Federal, resolveu dar um bom uso a geladeira velha que tinha em casa. Ele passou a usá-la como depósito para guardar livros em locais públicos. Esses foram os primeiros passos para a criação de um projeto de leitura que está ganhando força, Brasil a fora, que é “Geladeira de Livros”, que também pode ser identificado por outros nomes, de acordo com a localidade.

Como tudo começou

O uso da geladeira como depósito de livros e outros materiais começou na própria casa do idealizador do projeto. Porém, com a mudança da casa onde morava para outra, veio a ideia de dar um melhor destino para o utensílio. Foi quando ele colocou-a em uma praça pública, na comunidade onde residia, para servir de deposto de livros para a comunidade. Através do trabalho de artistas, uma nova cara foi dada a geladeira velha, que ganhou traços coloridos e chamativos.

A princípio, foram instaladas três geladeiras de livros na comunidade, todas em praças públicas. No entanto, algumas unidades foram alvo de depredações. Comovida com o que tinha acontecido, a própria comunidade tomou as rédeas da situação e passou a cuidar e proteger o utensílio que virou a cara do projeto. A geladeira evita que os livros sofram com a ação natural do tempo, ficando protegidos da chuva e vento. Sobre a ideia de depositá-las nas praças públicas, ela é puramente intencional, já que os espaços são de livre acesso e frequentados por toda população.

'Geladeiras de Livros': conheça o projeto que estimula leitura em espaços públicos

Foto: Reprodução/ Agência Brasil/ Jaime Batista da Silva/ Colaborativo

Dos consumidores aos doadores

Segundo o idealizador do projeto, as pessoas que mais utilizam a biblioteca improvisada são os idosos e as crianças. Quanto a arrecadação dos livros, o projeto é visto como alto-gestor, ou seja, a própria comunidade passa a doar os livros e zelar por eles como um patrimônio. Também há situações que o projeto é ministrado de forma itinerante, ficando acomodado em lugares diferentes de tempos em tempos.

A difusão da Geladeira de Livros

O projeto de fomento à leitura vem dando tão certo que está sendo copiado por muitas cidades Brasil a fora. Caso seu município ainda não disponha dele, você pode ser um agente difusor da ideia. Para isso, basta recorrer ao apoio da própria comunidade para doar geladeiras velhas e, também através dela, conseguir as doações dos livros. É importante saber que, para colocar o objeto em qualquer local público é necessário que se consiga autorização da prefeitura. Ela também pode auxiliar na difusão da ideia juntos as comunidades carentes e que necessitem desse incentivo.

Vale reforçar mais uma vez que o projeto incentiva a leitura, facilitando o acesso para as pessoas, inclusive, funcionando como uma espécie de mini biblioteca.


Reportar erro