Hibridismo – Do que se trata?

Para analisarmos a formação de uma palavra, devemos conhecer a sua origem. Quando uma palavra é formada por apenas um radical, diz-se que ela…


Para analisarmos a formação de uma palavra, devemos conhecer a sua origem. Quando uma palavra é formada por apenas um radical, diz-se que ela é formada por derivação; quando é formada por dois ou mais radicais, dizemos que ela é formada por composição.

Existem vários casos de derivação, a saber: derivação prefixal (acréscimo de um prefixo à palavra primitiva), sufixal (acréscimo de um sufixo à palavra primitiva), prefixal e sufixal (acréscimo de um prefixo e de um sufixo, em diferentes momentos), parassintética (ocorre o acréscimo de um prefixo e de um sufixo simultaneamente), regressiva (a retirada da parte final da palavra primitiva, obtendo-se através desta redução, a palavra derivada) e imprópria (formação de uma nova palavra pela mudança de classe gramatical). Já no caso da composição, a formação de novas palavras pode dar-se através da justaposição (nessa união, os radicais não sofrem qualquer alteração em sua estrutura) ou da aglutinação (na união, ao menos um dos radicais sofre alteração em sua estrutura).

Hibridismo – Do que se trata?

Foto: Reprodução

O que é o “hibridismo”?

Os hibridismos são as palavras existentes no nosso vocabulário, que foram formadas através da junção de radicais pertencentes a línguas diferentes.

Para muitos gramáticos, principalmente os tradicionais, o hibridismo é condenável, talvez pela não uniformidade da origem dos elementos que formam a palavra (já que os compostos são, em sua grande maioria, originários do grego e do latim). No entanto, mesmo originando-se de línguas diferentes e estrangeiras, os falantes do Português já consideram os elementos aportuguesados, devido à grande frequência com que essas palavras são utilizadas, tendo se incorporado ao nosso léxico.

Exemplos de hibridismos

Confira a seguir alguns exemplos de casos de hibridismo na Língua Portuguesa:

Alcoômetro – Álcool (árabe) + metro (grego)

Autoclave – Auto (grego) + clave (latim)

Burocracia – Buro (francês) + cracia (grego)

Endovenoso – Endo (grego) + venoso (latim)

Hiperacidez – Hiper (grego) + acidez (português)

Monocultura – Mono (grego) + Cultura (latim)

Psicomotor – Psico (grego) + motor (latim)

Romanista – Romano (latim) + -ista (grego)

Sociologia – Socio (latim) + -logia (grego)

Zincografia – Zinco  (alemão) + grafia (grego)

Outros casos notáveis são os seguintes:

Grego e latim

Astronauta (estrela + navegante)

Automóvel (por si mesmo + móvel)

Monóculo (um + olho)

Televisão (longe + visão)

Latim e grego

Altímetro (alto + medida)

Decímetro (dez + medida)

Árabe e grego

Alcaloide (soda + forma)

*Débora Silva é graduada em Letras (Licenciatura em Língua Portuguesa e suas Literaturas)


Reportar erro