Império Babilônico – História da Babilônia

Conheça mais sobre o Império Babilônico e seus lendários jardins suspensos, como história e características culturais, políticas, etc.


Na Mesopotâmia houve uma dizimação de sumérios e acádios por meio de uma invasão territorial, isso por volta do ano de 1900 a.C.. Os povos do deserto árabe, chamados amoritas, criaram uma civilização onde a principal cidade era a Babilônia. Contudo, somente no século XVIII a.C., o Rei Hamurábi pacificou a região e fez o Primeiro Império Babilônico. Com sua regência, a Babilônia se transformou em uma cidade de grande importância.

Fatos sobre a história do Império Babilônico

  • O poder legislativo do lugar era bem organizado e, baseado na antiga Lei de Talião, (olho por olho, por dente), foi criado o Código de Hamurábi  que determinava que todo criminoso precisaria ser punido de alguma forma proporcional ao crime cometido;
  • Mesmo com tantas conquistas e um Estado muito organizado, os babilônicos não conseguiram ser eficientes na proteção de suas terras e acabaram sofrendo com as ondas de invasões ocorridas após o governo de Hamurábi;
  • Com o fim da era do imperador Hamurábi, começou o Segundo Império, também conhecido como Império Neobabilônico, comandado por Nabucodonosor;
  • Durante o Império Neobabilônico, a civilização vivenciou o auge do desenvolvimento arquitetônico;
  • Após o governo de Nabucodonosor a Babilônia foi conquistada pelos persas.

Os Jardins Suspensos da Babilônia

Considerada como uma das sete maravilhas do mundo antigo, os Jardins Suspensos da Babilônia foram lindos jardins construídos no ano de 600 a.C. por ordem do poderoso imperador Nabucodonosor II, para agradar a sua esposa preferida, Amitis, que supostamente sentia muita saudade das montanhas e do verde de sua terra natal.  Apesar de parecer algo magnífico, não há nenhum documento concreto que prove a existência dos Jardins Suspensos na Mesopotâmia. Alguns historiadores modernos chegaram a argumentar que quando os soldados fiéis a Alexandre, o Grande, conquistaram as terras da Mesopotâmia e chegaram à Babilônia, logo ficaram impressionados com tal beleza arquitetônica. Tempos depois, quando retornaram à suas terras natais, contavam histórias sobre os belos jardins e palmeiras da área conquistada, incluindo o vistoso palácio de Nabucodonosor, a Torre de Babel e os templos chamados de zigurates. Atualmente, vários arqueologistas dedicam seu trabalho às pesquisas para juntar evidências suficientes a fim de alcançar conclusões finais sobre a localização dos jardins, sua irrigação e suposta fantástica aparência.

Como eram os jardins?

Compostos por cerca de seis terraços construídos como andares, para dar a ideia de serem suspensos, os jardins suspensos da Babilônia foram muito bem projetados. Os andares tinham cerca de 120 metros quadrados, apoiados por gigantes colunas que chegavam a medir até 100 metros. Cada uma das superfícies era adornada com jardins botânicos que continham muitas árvores frutíferas. Algumas esculturas dos deuses cultuados pelos acádios também poderiam ser encontradas nas superfícies dos jardins. Havia uma planície retangular que continha cascatas, provavelmente para ajudar na irrigação. Como se localizava bastante próximo ao rio Eufrates, amplos sistemas de irrigação fluvial atingiam a superfície, e através de poços gigantes conseguiam regar perfeitamente os jardins, preservando sua beleza.

Imagens da antiga Babilônia

Supostos Jardins Suspensos

Imagem: Reprodução

 

Jardins Suspensos da Babilônia

Imagem: Reprodução

 

Torre de Babel

Imagem: Reprodução

 

Mapa da Mesopotâmia mostrando a Babilônia.

Imagem: Reprodução


Reportar erro