Lei de Hess

Usada para calcular a variação da entalpia de reações que não podem ser determinadas por meio de experimentos, a Lei de Hess é uma…


Usada para calcular a variação da entalpia de reações que não podem ser determinadas por meio de experimentos, a Lei de Hess é uma ferramenta muito poderosa para este fim. Mas como isso funciona?

A ideia é, para resolução, trabalhar com as equações fornecidas para que a sua soma algébrica determine a equação principal, tornando, dessa forma, possível calcular o ΔH.

Princípio de Conservação de Energia

Segundo o Princípio da Conservação da Energia, ela não pode nem ser criada nem destruída, mas apenas transformada. Vamos supor que ocorram as seguintes transformações:

Lei de Hess

Foto: Reprodução

Podemos observar que houve uma transformação do reagente A em um produto B. Isso pode se dar de duas formas distintas: a primeira, é direta e possui uma variação da entalpia GH1. Já a segunda forma, é em etapas. Para isso, do reagente A vai para o intermediário C com uma variação de entalpia igual a GH2 e, em seguida, para o produto B com o calor de reação igual a GH3.

Considerando, então, o Princípio de Conservação da Energia, temos que GH1 = GH2 + GH3.

Quando essa igualdade não puder ser verificada, há o ganho ou perda de energia, e isso vai contra o Princípio da Conservação. A Lei de Hess afirma que:

A variação de entalpia de uma reação química depende apenas dos estados inicial e final do sistema, não importando as etapas intermediárias pelas quais a transformação química passou”.

Dessa forma, para simplificar, podemos dizer que se transformação acontecer em várias etapas, o ΔH da reação terá valor igual à soma das variações de entalpia das diversas etapas. Com isso, podemos ainda somar duas ou mais equações termoquímicas, mas o ΔH da equação resultante será igual à soma dos ΔH das equações adicionadas.

Cálculo da entalpia

A variação de entalpia nada mais é do que o balanço total de energia: quando um processo é intermediado por outros vários, todas as variações devem ser somadas, resultando em uma total. Confira abaixo a reação de síntese do metano.

C(grafite)+ 2H2(g) ↔ CH4(g) ΔH = – 17,82 kcal

Por meio do cálculo da variação entálpica, podemos determinar que essa reação é moderadamente exotérmica, mas não tão direta quanto parece. A síntese do metano pode ser usada como um exemplo de uma sucessão de reações químicas com variações de entalpia particulares.

C(grafite) + O2(g) ↔ CO2(g) ΔH = – 94,05kcal

H2(g) + ½ O2(g) ↔ H2O(l) ΔH = 68,32 kcal

CO2(g) + 2 H2O(l) ↔ CH4(g) + 2 O2(g) ΔH = +212,87

Quando multiplicamos a segunda equação por 2 para balancear as moléculas de água na soma de todas as equações, temos a reação final de grafite e hidrogênio gerando metano, conforme demonstrado abaixo:

C(grafite) + O2(g) ↔ CO2(g) ΔH = – 94,05kcal

(H2(g) + ½ O2(g) ↔ H2O(l) ΔH = – 68,32 kcal) . 2      +

____________________________________________

CO2(g) + 2 H2O(l) ↔ CH4(g) + 2 O2(g) ΔH = +212,87

Mesmo que a equação direta entre hidrogênio e carbono fosse possível, a variação entálpica seria a mesma da soma das variações das reações intermediárias. Mas atenção, a regra da matemática, aqui não deve ser aplicada. Observe que mesmo quando multiplicamos o – 68 kcal por 2, ele continua negativo.

A Lei de Hess

A Lei de Hess pode ser aplicada a qualquer sistema de equações quando o objetivo é definir o valor da variação de entalpia total. A lei, então, é enunciada da seguinte maneira:

“A variação entálpica de uma reação química depende apenas dos estágios inicial e final da mesma. Não importando, portanto, os processos intermediários.”


Reportar erro