Massacre da Praça da Paz Celestial

O Massacre da Praça da Paz Celestial foi o maior movimento popular contra o Partido Comunista Chinês, e um verdadeiro símbolo da luta pela democracia


Provavelmente você já viu a famosa foto de um homem parado, segurando sacolas em cada mão, de frente para tanques de guerra. O misterioso escudo-humano. Apesar de até hoje a identidade de tal homem ser desconhecida, o evento em que a foto foi tirada não é. Essa foi uma das muitas cenas dos protestos que ocorreram no que ficou conhecido como o Massacre da Praça da Paz Celestial, a maior manifestação popular contra o Partido Comunista Chinês (PCC).

Com o fim da União Soviética, a China voltou-se para o capitalismo. Mas essa mudança não alterou a forma de governo chinês e a população estava insatisfeita. Com esse, diversos levantes eram feitos, mas logo silenciados pelos líderes. No entanto, no dia 15 de abril de 1989 foi dado o “estopim” dos protestos, quando Hu Yaobang, líder reformista destituído pelo presidente Deng Xiaoping desde as primeiras revoltas em 1986, faleceu. Yaobang tinha lutado bravamente pela reabilitação dos perseguidos durante a Revolução Cultural, e era a favor de uma mudança política, posição que lhe gerou diversos inimigos.

Massacre da Praça da Paz Celestial

Foto: Reprodução/ internet

Um líder morto

Com a morte de Yaobang, milhares de estudantes da Universidade de Pequim saíram em protesto. Esses universitários encheram a cidade de fotografias dele e levaram coroas de flores em sua homenagem ao Monumento aos Heróis do Povo da Praça da Paz Celestial. O que era apenas uma manifestação de luto se tornou um grande protesto popular. Os estudantes acamparam e dormiram na Praça da Paz Celestial (Tian’anmen). Logo, intelectuais e trabalhadores começaram a se juntar também, todos reivindicando o fim da corrupção burocrática, do desemprego e da inflação, além de pedir uma maior liberdade no país.

Movimento espontâneo

Em meados de maio de 1989, a visita de Mikhail Gorbatchev, dirigente russo, atraiu ainda mais estudantes, operários e profissionais de outras cidades e províncias chinesas a se unirem aos protestos. Cientes da presença de correspondentes estrangeiros, os manifestantes ergueram em Tian’anmen uma estátua, que chamaram de Deusa da Liberdade, para assim atrair a atenção do mundo. O objetivo do movimento não era acabar com o comunismo chinês, e sim pedir reformas.

O Massacre

Diante das inúmeras falhas em suas tentativas de desocupação da praça e de calar os protestos, Deng Xiaoping acionou as tropas do exército. Nas noites de 3 a 4 de junho de 1989, civis desarmados foram mortos pelos disparos das armas dos soldados, ou esmagados pelos tanques de guerra. Contra uma população completamente indefesa, o exército usou de toda sua força para massacrar o que se estima ser cerca de 1.300 pessoas, fora as muitas prisões e torturas. O PCC afirma que foram apenas 200 mortos, e justificam suas ações como necessárias, para “evitar uma rebelião contrarrevolucionária que acabasse com o sistema socialista”.

As memórias

Por mais que o governo chinês e os militares tenham apagado todos os restos da revolta estudantil, e que até hoje esse massacre seja chamado oficialmente apenas de “incidente”, a imagem o rebelde solitário desafiando toda uma linha de tanques de guerra permanece na memória de todo o mundo. No ocidente, essa foto virou símbolo da resistência democrática.


Reportar erro