Movimentos migratórios no Brasil

Por Gabriely Araujo

Movimentos migratórios no Brasil

Imagem: Reprodução

Os movimentos migratórios são o descolamento populacional de uma região para outra. Existem os tipos simples de migração interna que são classificados em dois: Migração Pendular, que caracteriza o movimento da população da periferia ao centro de uma cidade, por exemplo. E a Transumância, que é o movimento migratório que ocorre em determinadas épocas do ano, como nas férias de julho e janeiro, por exemplo. Mas há também movimentos migratórios mais complexos, como a saída de uma população de determinada região para outra do país por motivos econômicos ou naturais.

Por que ocorrem os movimentos migratórios no Brasil?

Migrações internas do Brasil

Imagem: Reprodução

Em terrenos brasileiros, ao contrário de outros países, estes movimentos não se dão por conta de guerras, mas em sua quase totalidade por aspectos econômicos ou por causas naturais como as grandes secas que assolam a região nordeste do país. Um bom exemplo de movimentos migratórios no Brasil é o êxodo rural, que ocorre até os dias de hoje. Este processo é definido pela grande migração com origem do norte e nordeste para a região sudeste, em busca de melhores oportunidades de emprego e melhores condições de vida. O êxodo rural teve seu ápice na década de 60 e 70 com a intensa industrialização de cidades como Rio de Janeiro e São Paulo, que ofereciam empregos em novas indústrias. E também na construção de Brasília, a qual os retirantes dessas regiões deram origem às cidades-satélites ao povoar as áreas em volta da capital federal.

Os aspectos demográficos do Brasil têm de ser analisados levando em consideração não só a população que reside em determinada região, mas o seu contínuo aumento ou diminuição devido aos processos migratórios. Atualmente, ao contrário do que se via no passado, São Paulo e Rio de Janeiro apresentam um percentual maior de saída da população em direção a outras regiões e cidades do interior do que o percentual de chegada dos retirantes. Embora sejam cidades que continuem crescendo em aspecto populacional. Mas seja chegando ou saindo dessas cidades, os motivos da migração em mais de 90 % dos casos envolve aspecto econômico. Seja por melhores oportunidades de emprego ou pela falta delas.

Regiões bastante industrializadas e em constante crescimento, como a região Sudeste, estão mais propícias aos impactos do movimento migratório interno que vão de aumento da população até o aumento no índice de violência e de trabalhadores desempregados já que muitas vezes a oferta de empregos acaba tornando-se escassa diante de um alto contingente de migrantes numa cidade.