Narratologia

Narratologia é a denominação dada ao estudo das narrativas de ficção e não-ficção, como, por exemplo, a História e a reportagem. O termo foi…


Narratologia é a denominação dada ao estudo das narrativas de ficção e não-ficção, como, por exemplo, a História e a reportagem. O termo foi proposto pelo filósofo e linguista búlgaro Tzvetan Todorov, no início do século XX, para distingui-la como um campo de estudo dentro da teoria literária e apareceu em sua obra intitulada “Gramática do Decameron”, do ano de 1969.

A narratologia analisa as estruturas e os elementos das narrativas e foi consolidada como ciência por pesquisadores franceses, como Roland Barthes, e pela Escola Formalista Russa, com estudiosos como A. J. Greimas, Vladimir Propp e outros. Dentre os renomados estudiosos da narratologia destacam-se o professor e autor de livros Carlos Reis e o filósofo italiano Umberto Eco.

Narratologia

Foto: Reprodução

As características da narratologia

A narratologia é bastante influenciada pelas correntes teóricas estruturalistas e busca os contextos sociais e históricos em que o objeto analisado está inserido. Este campo de estudos é particularmente utilizado para a dramaturgia e o roteiro de audiovisual, como cinema, TV e quadrinhos.

A narratologia também tem como característica a busca por paradigmas, estruturas e repetições entre as diversas obras analisadas, levando-se em conta os diferentes contextos históricos e culturais em que foram produzidas. O seu objeto de análise geralmente são as narrativas verbalizadas (escritas ou orais) e, por isso, é uma ciência que possui certa proximidade com outra área de estudos, a Análise do Discurso.

Tendo o gênero textual narração como o seu objeto de estudo, a narratologia faz uma observação mais apurada das características presentes nas narrativas, tais como o agente narrativo, atores, história, fábula, tempo, lugar e acontecimento.

A estrutura narrativa e os elementos da narrativa

A estrutura de uma narrativa diz respeito à forma pela qual ela é construída para permitir o andamento da trama. O modo narrativo se divide em épico, lírico e dramático; o eixo dramático se divide no clímax, premissa, desmedida, peripécia e reviravolta.

Os primeiros estudos sobre estrutura narrativa remontam à obra “Poética”, do grego Aristóteles. No geral, todas as narrativas apresentam os seguintes elementos básicos: narrador, cenário e personagens, que são distribuídos em diversas categorias.

O narrador pode ser, fundamentalmente, de três tipos e às vezes se sobrepõem: narrador onisciente (tem conhecimento completo de toda a narrativa), incluso ou participante (participa da narrativa como um dos personagens e pode narrar em 1ª pessoa ou como um observador) e oculto ou ausente (não se mostra aparente).

O cenário pode ser realista, de geoficção ou fantástico. Já os personagens são divididos em diferentes classes ou categorias, como o protagonista (ou herói), antagonista (ou vilão), par romântico (ou mocinha) e comic relief (personagens de função humorística).

*Débora Silva é graduada em Letras (Licenciatura em Língua Portuguesa e suas Literaturas)


Reportar erro