O criacionismo e o Evolucionismo. Saiba mais sobre essas teorias.

Entenda a diferença entre o criacionismo e o evolucionismo. Duas teorias que tentam explicar a origem e evolução da vida


O criacionismo refere-se, assim como o evolucionismo, a uma teoria elaborada para tentar explicar a origem e a evolução do ser humano.

As duas teorias, entretanto, seguem duas linhas totalmente distintas para explicar o surgimento da vida no planeta Terra.

O criacionismo e o Evolucionismo. Saiba mais sobre essas teorias.

Foto: Pixabay

No que se baseia o criacionismo?

A teoria do criacionismo leva em consideração a fé na criação divina, como é narrado no livro Gênesis, na Bíblia Sagrada. Nesse livro, é relatado como Deus criou todas as coisas, incluindo o homem.

Isso, no entanto, não pode ser padronizado, já que diversas culturas, como é o caso da mitologia grega, mitologia chinesa, entre outras, têm suas próprias versões do criacionismo.

E o evolucionismo?

O evolucionismo é baseado em pesquisas científicas que começaram com o experimento de Oparin-Haldane. Acreditava-se que os gases existentes seriam responsáveis pela formação das primeiras moléculas orgânicas e, consequentemente, algum tempo depois, os primeiros seres vivos.

Stanley Miller com seus experimentos, acabou defendendo a teoria. Ele construiu um equipamento para simular as condições na Terra durante a época em que os primeiros seres vivos surgiram, e teve resultados: a presença de aminoácidos no líquido formado.

Em “A Origem das Espécies”, de 1859, Charles Darwin afirmou que o homem foi um resultado de uma evolução bastante longa que teve início nos hominídeos, chegando ao homo sapiens, dos quais herdamos nossas características atuais.

Ele sugeriu que o homem e o macaco teriam um passado em comum: o mesmo ascendente. Isso foi afirmado com base nas semelhanças biológicas, mas ao contrário do que muitos pensam, isso não significa que o homem seja um descendente do macaco.

Ele desenvolveu ainda uma ideia de seleção natural, onde os seres vivos mais adaptados sobreviveriam ao ambiente imposto a eles.

Criacionismo x evolucionismo

Criacionismo Evolucionismo
Deus criou o homem e os demais seres vivos na forma atual há menos de 10 mil anos. O homem, assim como os demais seres vivos, são resultado de uma lenta e gradual transformação que remonta há milhões de anos.
Os fósseis, mesmo dos dinossauros, são de animais que não conseguiram embarcar na Arca de Noé para salvarem-se do dilúvio. Os fósseis e sua datação remota confirmam que a extinção de algumas espécies faz parte do processo evolutivo.
Deus teria criado todos os seres vivos seguindo um propósito e uma intenção As transformações evolutivas dos seres vivos são um resultado das mutações genéticas aleatórias expostas à seleção natural do ambiente.
O homem foi feito à imagem e semelhança de Deus e, portanto, não é um descendente de primatas. O homem não é descendente de primatas atuais, mas tem uma relação de parentesco, descendendo de um ancestral comum já extinto.
Não existe comprovação da hipótese evolutiva em laboratório e, por isso, ela não é científica. Alguns seres vivos têm ciclo de vida mais curto e comprovam a evolução por seleção e adaptação, como as bactérias que são resistentes à determinados antibióticos.
Vários aspectos da teoria de Darwin foram revistos e provaram sua inconsistência Somente alguns detalhes científicos ainda não claros nos tempos de Darwin foram revistos, como alguns avanços na Genética e na Biologia Molecular.
A segunda Lei da Termodinâmica demonstra que os sistemas tendem naturalmente à entropia A segunda Lei da Termodinâmica não se aplica a sistemas abertos, como é o caso dos seres vivos.
A perfeição dos seres vivos comprova a existência de um Criador inteligente Os seres vivos não são perfeitos, mas sim complexos. O apêndice humano, mesmo, é um exemplo de estrutura residual que não possui função.
Mesmo admitindo a evolução, ela teria, com certeza, origem divina, já que caminha sempre para a complexidade e aperfeiçoamento biológico. A evolução nem sempre caminha para a maior complexidade. Os insetos atuais, por exemplo, são mais simples que os ancestrais já extintos. A evolução, nem sempre significa melhoria, mas sim adaptação ao meio ambiente.
A origem da vida não é explicada de modo satisfatório pelos evolucionistas. Existem muitos aspectos fundamentais em torno da origem da vida que precisam ser melhor esclarecidos, mas o método não-dogmático e científico é o mais adequado para alcançar os objetivos traçados.

 


Reportar erro