O manifesto comunista

Conheça mais sobre a publicação de um dos tratados políticos de maior influência no mundo


O manifesto comunista idealizado por Karl Max e Friedrich Engels, foi publicado pela primeira vez em 1848. Escrito em uma linguagem simples e de fácil entendimento, com uma estrutura básica com uma breve introdução, três capítulos e uma conclusão curta, apresentando os principais ideais do comunismo. Foi escrito com base em reuniões de comunistas de diversos locais, e traduzido e publicado em vários idiomas.

A obra foi escrita em uma época em que a burguesia e o capitalismo imperavam, assim, condições de trabalho desiguais e desumanas, em que a exploração da mão de obra era algo “comum”. O manifesto veio mostrar a busca – até hoje raramente bem-sucedida – da igualdade social e na distribuição de recursos. Uma verdadeira idealização de mundo utópico que, para Marx, era como uma sociedade saudável deve ser, sem pobreza miséria ou fome.

O manifesto comunista

Foto: Reprodução/ YouTube

Capítulos do livro

Primeiro

Na estrutura básica do manifesto, o primeiro capítulo “Burgueses e Proletários” lista as diferenças e a evolução das duas classes ao longo do tempo, lançando uma crítica ao capitalismo. O manifesto visava mostrar que as classes menos favorecidas, como os desempregados, mendigos eram partes excluídas e esquecidas pela sociedade.

Segundo

O segundo capítulo abordava a relação entre os partidos e o proletariado, e mostrava seus pontos em comum, como a queda superioridade burguesa e a transferência do poder do político ao proletariado.

Terceiro

O próximo falava sobre os regimes comunista e socialista e apresentava críticas a três tipos de socialismo: o socialismo reacionário, que tinha um ponto de vista burguês visando continuar com o método de produção e troca, o socialismo conservador, que visava uma reforma e não uma revolução e o socialismo e comunismo crítico-utópico que buscava uma mudança por meio de exemplos e não por lutas políticas.

Conclusão

A conclusão se dá com as principais ideias do Manifesto, destacando questões sobre propriedade privada e buscando informar o quanto era importante uma união em prol de uma causa, com a célebre frase: “Proletários de todos os países, uni-vos.”

Com uma encomenda de elaborar um texto que mostrasse de uma maneira clara e objetiva os ideais do comunismo, a obra é um conjunto de ideias, de verdades acreditadas pelos revolucionários da época para a compreensão das transformações sociais. Pensando por este sentido, o Manifesto é mais um monumento que um documento. Uma escrita simples e concisa que queria “ter o poder de uma arma para mudar o mundo, colocando no lugar da velha sociedade burguesa uma associação na qual o livre desenvolvimento de cada membro é a condição para o desenvolvimento de todo”.


Reportar erro