Objeto indireto

O objeto direto e o indireto são termos integrantes da oração que completam o sentido dos verbos transitivos, ou seja, aqueles verbos que precisam…


O objeto direto e o indireto são termos integrantes da oração que completam o sentido dos verbos transitivos, ou seja, aqueles verbos que precisam de complemento porque possuem sentido incompleto. O objeto indireto, do ponto de vista sintático, é o termo que completa o sentido de um verbo transitivo indireto, isto é, aquele grupo de verbos que exigem complemento com preposição obrigatória. Do ponto de vista semântico, o objeto indireto é o ser ao qual a ação verbal é destinada. O objeto indireto pode ser formado por um substantivo, por pronome substantivo, numeral ou, ainda, uma oração substantiva objetiva indireta.

Objeto indireto

Foto: Reprodução

Observe os exemplos a seguir:

Exemplos

1)      João gosta de computadores.

João = sujeito

Gosta = verbo transitivo indireto

De computadores = objeto indireto

2)      O chefe confia em seus funcionários.

O chefe = sujeito

Confia = verbo transitivo indireto

Em seus funcionários = objeto indireto

Os pronomes

Os pronomes lhe, lhes, me, te, se, nos, vos atuam como objeto indireto. Confira o exemplo a seguir:

Exemplo: Enviei-lhe uma carta. (Enviei a ele/ela – a preposição “a” está subentendida).

Lhe = objeto indireto

Observação importante: Os pronomes oblíquos o, a, os, as (e as variantes lo, la, los, las, no, na, nos, nas) são sempre objeto direto; já os pronomes lhe, lhes são sempre objeto indireto.

Acompanhe os exemplos a seguir:

Exemplos: Eu o encontrei na sala (objeto direto).

Irei avisá-la (objeto direto).

Eu lhe darei uma rosa (objeto indireto).

Algumas vezes o objeto indireto inicia-se com crase (à, àquilo, àquele, àquela). Essa ocorrência aparece quando o verbo exige a preposição “a”, que se contrai com a palavra seguinte.

Exemplo: Entregaram à irmã o presente. (à = “a” preposição + “a” artigo definido)

Objeto indireto e adjunto adverbial

Objeto indireto e adjunto adverbial podem ser facilmente confundidos, já que ambos os termos são construídos com preposição. Uma regra eficiente para determinar o objeto indireto e até mesmo identificá-lo na oração é perguntar ao verbo se ele necessita de algum complemento preposicionado. Esse complemento pode ser adjunto adverbial ou objeto indireto. Confira os exemplos a seguir:

1)      Se o complemento estiver expressando um significado adicional, como lugar, tempo, companhia, modo etc., trata-se de um adjunto adverbial.

Exemplo: Ele sabia as conjugações dos verbos de cor. (adjunto adverbial de modo).

2)      Se o complemento estiver apenas completando o sentido do verbo, sem acrescentar outra ideia à oração, trata-se de objeto indireto.

Exemplo: Ela se encarregou da lista de presença. (objeto indireto).

*Débora Silva é graduada em Letras (Licenciatura em Língua Portuguesa e suas Literaturas)


Reportar erro