Povos Fenícios – Religião e sociedade

Por Camila Albuquerque

Povos Fenícios

Os Povos Fenícios ganharam destaque na história, por conta do desenvolvimento da agricultura, e seus grandes passos nas navegações. | Imagem: Reprodução.

A Fenícia não era a mais poderosa, sequer a mais numerosa. Não possuía o maior território e manteve a paz com outros povos por meio de negociações. Suas cidades foram por mais de 1000 anos, grandes polos comerciais (no começo era voltada para a agricultura, porém seguiram para o comércio externo, já que seu posicionamento geográfico era favorável para essa atividade). Do século 30 a.C. até o 4 a.C., os povos fenícios foram de grandes comerciantes e construtores navais, ao declínio, retraídos diante da expansão de outras civilizações do Oriente Médio.

Apesar da falta de informações sobre essa civilização, a herança deixada pelos fenícios está refletida até no alfabeto de outros povos (como o alfabeto grego, o aramaico, hebraico, arábico e muitos outros). Pouco do que é conhecido sobre a Fenícia foi descoberto por inscrições deles mesmos – a maioria do que se sabe vem de informações dos gregos e romanos.

A civilização fenícia evitava envolver-se em conflitos, até poderiam ser classificados como “vassalos” de alguns impérios, pois pagavam por paz. Ofereciam tributos para civilizações vizinhas, em troca de convivência pacífica. A única cidade-estado que cresceu bastante e quase se tornou um império foi Cartago, porém, foi completamente destruída por Roma após a 3ª Guerra Púnica (149 – 146 a.C.). Os cartaginenses foram escravizados, Cartago foi queimada e a história daquela civilização, praticamente apagada.

Organização Política dos Povos Fenícios

  • Estavam organizados em cidades-estados; cada uma delas possuía um centro comercial independente e com administração pública própria, sendo as principais: Ugarit, Gebal, Sídon, Biblos, Cartago e Tiro.
  • O governo dessas cidades ficava nas mãos dos maiores comerciantes, chamados sufetas. Às vezes, conflitos aconteciam pela concorrência comercial – e consequentemente pelo governo.
  • Cartago, provavelmente a cidade-estado que mais se destacou na Fenícia, tornou-se independente em 650 a.C., virando uma república.

A Navegação

Os fenícios se destacaram também na navegação – que levou esse povo a desenvolver o campo da astronomia. Eles se aventuravam pelo mar em função de seu comércio externo, que começou tímido, porém, avançava pelo Mediterrâneo acompanhando o processo de colonização. A Fenícia tinha como principal concorrente no comércio, a Grécia. Alguns confrontos aconteceram, mas no geral, o Mediterrâneo era “dividido”, de maneira inconsciente, entre o comércio Fenício e o Grego. Alguns historiadores acreditam que os fenícios podem ter conseguido chegar ao Brasil com suas embarcações, contudo, as informações sobre essa civilização são escassas e nada pôde ser comprovado quanto a isso.

A Religião

  • Eram politeístas (acreditavam em várias divindades, geralmente originadas de cidades vizinhas) e seus deuses eram celestes e terrestres.
  • Conservaram ritos arcaicos, como o sacrifício de animais e homens (incluindo crianças primogênitas), que geralmente eram feitos ao ar livre.
  • A religião dos fenícios também era antropomórfica, pois eles atribuíam características ou aspectos humanos às suas divindades.

Imagens

Navio Fenício

Os Fenícios também tiveram bastante destaque nas navegações. | Imagem: Reprodução.

 

Mapa - povos fenícios

Mapa da Fenícia. | Imagem: Reprodução

 

Alfabeto dos povos fenícios

Alfabeto Fenício. | Imagem: Reprodução

 

Povos Fenícios

Ruínas de um tempo de Biblos. | Imagem: Reprodução