Prosódia e ortoépia

Prosódia e ortoépia são as áreas da gramática responsáveis pelo estudo da pronúncia correta das palavras. Neste artigo, veremos as explicações sobre cada uma…


Prosódia e ortoépia são as áreas da gramática responsáveis pelo estudo da pronúncia correta das palavras. Neste artigo, veremos as explicações sobre cada uma delas.

Prosódia

De acordo com o gramático Domingos Paschoal Cegalla, prosódia é a parte da fonética que tem por objeto a exata acentuação tônica das palavras.

Um erro de prosódia acontece quando há transposição do acento tônico de uma palavra, isto é, ele é transportado de uma sílaba para outra na fala. Assim, uma palavra paroxítona pode ser transformada em oxítona, por exemplo. Quando há o deslocamento do acento prosódico, dizemos que o indivíduo cometeu silabadas.

Confira a seguir algumas palavras que causam dúvidas quanto à pronúncia, causando os erros mais comuns de prosódia:

Prosódia e ortoépia

Imagem: Estudo Prático

  • Oxítonas: cateter, condor, masseter, ruim, sutil, sutis, ureter, hangar, novel, recém, refém, mister, negus etc.
  • Paroxítonas: alcácer, austero, avaro, batavo, Bolívar, caracteres, ciclope, decano, Epicuro, erudito, filantropo, gratuito, fortuito, impudico, inaudito, misantropo, ônix, necromancia, poliglota etc.
  • Proparoxítonas: aeródromo, aerólito, década, égide, elétrodo, lêvedo, leucócito, alcoólatra, apóstata, antídoto, arquétipo, crisântemo, hieróglifo, ínterim, invólucro, pólipo, vermífugo etc.

Existem também palavras na língua portuguesa cujo acento é incerto, oscilante, admitindo pronúncias duplas. Alguns exemplos são os seguintes: acrobata e acrobata; autópsia e autopsia; hieroglifo e hieróglifo; Oceania e Oceânia; projétil e projetil; réptil e reptil; xerox e xérox.

Há também palavras que assumem significados diversos conforme a acentuação tônica. Por exemplo: valido (verbo validar) e válido (adjetivo); Cupido (deus do amor) e cúpido (ambicioso); fervido (particípio de ferver) e férvido (quente, ardoroso); vivido (experiente, que viveu muito) e vívido (vivaz, que tem vivacidade).

Ortoépia

Segundo o gramático Cegalla, a ortoépia (do grego orthós, correto + hepós, fala) ocupa-se da boa pronunciação das palavras no ato de fala. É a ortoépia que trata da perfeita emissão das vogais e dos grupos vocálicos, respeitando o timbre (aberto ou fechado) das vogais tônicas, além da correta e adequada ligação das palavras na frase e a articulação correta e nítida dos fonemas consonantais.

Os erros de ortoépia são denominados cacoépia. Confira alguns erros a seguir:

CORRETO INCORRETO
Bandeja Bandeija
Advogado Adevogado
Asterisco Asterístico
Empecilho Impecilho
Cuspe Guspe
Estupro Estrupo
Intitular Entitular
Privilégio Previlégio
Fachada Faixada

Em sua “Novíssima Gramática da Língua Portuguesa”, Domingos Paschoal Cegalla afirma que em muitas palavras há divergência quanto ao timbre das vogais tônicas /e/ e /o/. De acordo com o gramático, recomenda-se pronunciar:

  1. a) com timbre aberto: acerbo, coeso, grelha, groselha, ileso, obsoleto, dolo, inodoro, suor etc.
  2. b) com timbre fechado: acervo, cerda, escaravelho, algoz, crosta, bodas, poça, torpe etc. 

Plurais metafônicos

O conceito de plurais metafônicos diz respeito à mudança de timbres de alguma vogal ao ser flexionada para o plural. Trata-se de um fenômeno muito comum na língua portuguesa. Confira alguns exemplos a seguir:

Aposto – apostos
Caroço – caroços
Corcovo – corcovos
Destroço – destroços
Fosso – fossos
Olho – olhos
Povo – povos
Tijolo – tijolos

 

*Débora Silva é graduada em Letras (Licenciatura em Língua Portuguesa e suas Literaturas).


Informar erro