Revolta de Espártaco – Gladiador da Roma Antiga

Conheça a história do gladiador Espártaco e da Guerra que ele iniciou, mobilizando 120 mil pessoas num exército contra Roma


Primeiro, saiba que:

  • Foi considerada por muitos historiadores como a maior revolta de escravos da história da Roma antiga, também conhecida como “terceira guerra servil” ou “guerra dos escravos”.
  • Foi liderada pelo ex-gladiador Espártaco.
  • Resultou em um dos maiores derramamentos de sangue da história da humanidade.

Sobre Espártaco

Existem duas versões sobre a vida de Espártaco:

A primeira diz que: Nascido na região da Trácia, Espártaco foi soldado romano, porém se tornou escravo por ser desertor do exército romano, seu dono era o mercador Lêtulo Betiato. Foi Levado para a escola de gladiadores de Cápua, situada na Campânia, e foi na sua época de gladiador que iniciou e liderou a revolta.

Revolta de Espártaco - Gladiador da Roma Antiga

Imagem: Reprodução

A outra versão da história de Espártaco diz que: começou a vida como pastor, depois ingressou na vida militar na qual deixou para articular um grupo de ladrões, dos quais realizavam assaltos por toda a Itália. Foi preso em 73 a.C, foi vendido como escravo e começou um treinamento para se tornar gladiador, e nessa época que motivado pelos maus tratos e humilhações sofridas pelos escravos, começou o levante contra o governo romano.

A revolta

Ilustração da guerra de Espártaco

Ilustração da guerra | Imagem: Reprodução

Logo que Espártaco começou o levante, o governo romano não deu a atenção devida, apenas tentou abafar organizando algumas frentes, porém, surpreendentemente, os revoltosos conseguiram derrotar as forças romanas. Logo, a revolta começou a tomar proporções maiores, até chegar ao número de 120 mil pessoas – alguns historiadores dizem 70 mil e outros dizem 100 mil, mas o número mais citado é 120 mil. Roma começou a temer a revolta quando viu que dentre os participantes havia escravos e marginalizados, antes munidos apenas de facas de cozinha e que logo conseguiram romper a barreira de soldados e tomaram pra si armas do exército romano.

Por causa do tamanho, o exército de Espártaco se dividiu em dois grupos: Um que permaneceu em Cápua, e outro liderado por Espártaco foi em direção ao norte da Península Itálica.

O exército romano conseguiu abater uma parte do exército de Espártaco, mesmo assim o grupo de revoltosos conseguiu mais uma vez romper as barreiras romanas e continuou a marchar em direção a terra natal do seu líder. Antes de chegar ao seu destino o grupo decidiu voltar para o sul, e nesse meio-tempo Roma organizou um exército de mais de 60 mil homens, liderados pelo general Licinio Crasso para combater a legião, aparentemente indomável, de Espártaco.

A revolta teve seu fim quando Espártaco, movido pelo desejo de apanhar alguns navios para ir até a ilha de Sicília, concentrou seu exército ao sul. Quando o general Crasso teve acesso a essas informações, reorganizou o exército e assim conseguiu abater diversas investidas dos escravos. Quando Espártaco viu seu levante sendo derrotado, tentou negociar com o General Crasso, porém sequer obteve sucesso. Espártaco então não teve outra escolha, senão lutar até a morte.

Por fim, o exército romano (a fim de coibir mais ações como essa) mandou crucificar 6 mil escravos às margens da via Alpia, que era a ligação entre a cidade de Cápua até Roma.


Reportar erro