Seguir a carreira dos pais compensa ou não?

Seguir a vontade própria ou a de parentes? Na hora de decidir o futuro acadêmico, muita gente se pega nesse conflito


Chegar na adolescência e não ser influenciado pela dúvida de qual carreira seguir, é mais comum do que se pensa. Nessa fase, a cabeça dos jovens costuma ficar dividida entre escolher uma profissão que lhe identifique, ou ceder à pressão dos familiares em seguir a mesma carreira dos pais ou daquele outro parente que alcançou sucesso. Antes de tudo, alguns fatores devem ser levados em consideração, porém, o mais importante deles é a vontade do jovem. Afinal de contas é ele que vai conviver fazendo aquilo para “o resto da vida”.

É importante que fique claro que não há nenhum problema em escolher a profissão dos pais. O estresse só começa quando a profissão em questão não tem nada a ver com o que o jovem almeja para o futuro profissional. O impasse já começa com a falta de empatia, proximidade e entusiasmo para se dedicar a uma coisa que você não gosta. Alguns até chegam a percorrer os primeiros passos, mas, chegam um pouco mais a frente e descobrem que não é aquilo que imaginava para a carreira. Nessa fase, não há nada o que impeça em mudar de curso, a não ser o descontentamento da família.

Em outros casos, o jovem até aceita levar a carreira que não é da sua vontade a frente, o que se limita até o período de conclusão do curso, apenas para não entrar em conflito com pais e familiares. Depois, eles optam por seguir sua vontade, escolhendo um caminho próprio. Geralmente a justificativa vem da dependência financeira dos pais. Aos poucos, isso vem mudando. Exceto em tempos de crise, a inserção no mercado de trabalho, somado a programas que garantem essa entrada, vem desvinculando os jovens da dependência dos pais, culminando na conquista do próprio sustento.

Seguir a carreira dos pais compensa ou não?

Foto: Depositphotos

Também tem aqueles casos que a pessoa começou o curso sem o menor entusiasmo e se encantou no decorrer do mesmo. Isso pode vir a representar um forte indício de que será um profissional bem sucedido, pois a empolgação em investir na carreira existe. Não há nada mais satisfatório do que ver ou ser um profissional feliz por ter escolhido a profissão certa, ou então, empolgado em adquirir mais conhecimento, investindo em cursos e especializações.

Flexibilidade e tolerância

Uma boa dica para os pais e demais familiares é, acima de tudo, ouvir a vontade do jovem, unindo forças e abrindo espaços para diálogos. Comprovadamente, a adolescência já é uma fase sujeita ao desenvolvimento do comportamento rebelde. Para que isso não aconteça e se transforme em um problema maior, vale o esforço em armar uma situação de diálogo, em que sejam apresentados os prós e contras da escolha profissional. Afinal de contas, quem quer ver o filho, sobrinho ou neto frustrado?

Ajuda é sempre bem-vinda

Quando o caso foge do controle, nada melhor do que recorrer a um profissional para mediar esse conflito, seja em relação a dúvida da própria cabeça, quanto por interferência de terceiros. Psicólogos, psicanalistas e terapeutas estão aí para isso: ajudar a resolver. Por isso, vale a pena abrir mão de uma discussão conflituosa para se apegar a quem se preparou para auxiliar em casos dessa natureza. Nunca deixe que seus objetivos se percam no caminho; Procure entender e aceitar as opiniões dos outros, mesmo que não comunguem com a sua, assim, muitos problemas serão evitados. Ao final de tudo, boa sorte na escolha!


Reportar erro