Tratado START II: início do desarmamento nuclear

Estados Unidos e União Soviética (atual Rússia) decidiram limitar a corrida armamentista, mesmo estando em um período turbulento


O mundo já viu e viveu duas grandes guerras, além de outros conflitos entre alguns países que terminaram na devastação de comunidades, territórios e da vida de muitos povos.

Toda essa violência foi provocada devido ao forte poder armamentista que as grandes nações tinham e ainda têm em seus domínios.

Contudo, após os dois maiores conflitos já ocorridos, Estados Unidos e União Soviética (atual Rússia) decidiram limitar a corrida armamentista, durante a Guerra Fria.

tratado-start-ii-inicio-do-desarmamento-nuclear

Foto: depositphotos

Surgem então acordos visando o desarmamento, mas que foram perdendo suas forças com o passar dos anos e com o descaso dos países envolvidos, que não conseguiram cumprir com as regras e os limites estabelecidos. Os tratados eram: SALT I e II, START I e II, e por fim, o SORT.

Contexto histórico e o surgimento do SALT I e II

A Segunda Guerra Mundial (1939-1945) foi avassaladora para alguns países. E culminou com a divisão do mundo em duas esferas: de um lado os países capitalistas, do outro os socialistas.

Foi esse cenário que levou ao surgimento da Guerra Fria, uma luta para mostrar qual país era mais desenvolvido, se a União Soviética (URSS), do bloco socialista; ou se os Estados Unidos, líder dos capitalistas.

Tendo consciência do que uma nova guerra poderia causar, as duas nações resolveram, a partir de 1960, limitar a corrida armamentista. Desta forma, a URSS e o EUA iniciaram em 1972, as Conversações sobre Limites para Armas Estratégicas, em inglês recebeu a sigla SALT.

O primeiro tratado tinha como propósito garantir o não desenvolvimento de defesas antimísseis. No SALT II (1979), foram estabelecidos limites para os mísseis balísticos intercontinentais.

START I: a substituição do SALT II

Em 1991, as duas superpotências firmaram um acordo que viria a substituir o SALT II, o Tratado de Redução de Armas Estratégicas (START I).

A proposta era diminuir o número de ogivas nucleares. Seria uma limpeza de 80% de todas as armas daquela época. Dois anos mais tarde, se viu a necessidade de assinarem outro termo, que ficou conhecido como START II.

Os pontos do START II e seu sucessor

Nesse acordo, ficava previsto a destruição dos mísseis utilizados para o lançamento de armas nucleares das duas maiores potências da época, Estados Unidos e Rússia, que já teria deixado a nomeclatura de União Soviética.

O START II proibia a utilização de ogivas múltiplas e tinha como objetivo conseguir a redução de dois terços dos arsenais nucleares dos norte-americanos e dos russos.

O Senado dos Estados Unidos validou esse tratado em 1996, enquanto que a câmara do Parlamento russo, a Duma, só ratificou o START II em 2000. Devido ao tempo para ser reconhecido e aceito pelos países envolvidos, o acordo perdeu a importância para ambas as partes.

Já em 2002, os presidentes americano George W. Bush e russo Vladimir Putin, substituíram o START II pelo Tratado sobre Reduções Estratégicas Ofensivas (SORT).

Neste novo sistema, fica permitido um teto de 1.700 a 2.200 ogivas nucleares para cada um desses Estados, além de liberar o estoque para abrigar as ogivas não utilizadas.


Reportar erro