Verbos anômalos

Na língua portuguesa, os verbos são classificados em regulares, irregulares, defectivos, abundantes e anômalos. Neste artigo, conheceremos um pouco mais sobre os verbos anômalos,…


Na língua portuguesa, os verbos são classificados em regulares, irregulares, defectivos, abundantes e anômalos. Neste artigo, conheceremos um pouco mais sobre os verbos anômalos, que são aqueles que sofrem alterações profundas em seu radical.

Definição

Na sua conjugação, os verbos anômalos apresentam no radical algumas alterações mais profundas do que os verbos irregulares. Eles são seguem as regras das terminações dos verbos regulares que pertencem à sua conjugação.

“Ser” e “ir” são exemplos de verbos anômalos, pois apresentam variações profundas no radical. Alguns gramáticos também consideram que os verbos “ter” e “pôr” são anômalos.

Verbos anômalos

Foto: depositphotos

Observe atentamente como é a conjugação dos verbos “ser” e “ir” no presente do indicativo:

  SER IR
Eu sou vou
Tu és vais
Ele/ela é vai
Nós somos vamos
Vós sois ides
Eles/elas são vão

Observe que esses verbos não possuem apenas um radical quando são conjugados, e não há uma regra que determine essas alterações. Por esse motivo, tais verbos são denominados anômalos.

No caso do verbo “ter”, temos as seguintes formas verbais: eu teria, tu tinhas, se ele/ela tivesse, nós temos, eles/elas terão.

 

*Débora Silva é graduada em Letras (Licenciatura em Língua Portuguesa e suas Literaturas).


Informar erro