Verbos reflexivos

O verbo é conhecido como a classe de palavras que exprime ação, estado, fato ou fenômeno, sendo flexionado de diferentes formas para indicar a…


O verbo é conhecido como a classe de palavras que exprime ação, estado, fato ou fenômeno, sendo flexionado de diferentes formas para indicar a pessoa do discurso, o número, o tempo, o modo e a voz.

Na língua portuguesa, nós encontramos várias classificações dos verbos, como os verbos regulares, verbos irregulares, verbos de ligações e outros. Neste artigo, trataremos de um tipo em particular: os verbos reflexivos. 

O que são os verbos reflexivos?

Os verbos reflexivos são aqueles em que a ação se reflete no próprio sujeito que a pratica. Esses verbos sempre aparecem acompanhados do pronome pessoal oblíquo átono.

Observe o exemplo abaixo: 

-Joana penteou-se e saiu com os pais.

Verbos reflexivos

Foto: depositphotos

Neste caso, temos Joana (o sujeito), que é o agente da oração, ou seja, foi quem praticou a ação de pegar um pente e passar pelos cabelos. Assim, a ação de Joana foi a de pentear bem como a de se tornar penteada. Por esse motivo, podemos dizer que a ação volta para o próprio sujeito, ou seja, a mesma Joana pratica e sofre a ação.

Veja outro exemplo:

-O caçador feriu-se com a arma.

Observe que o caçador (o sujeito) praticou a ação, ou seja, entrou em contato com a arma e, em seguida, essa ação (usar a arma e acidentalmente ferir-se com o objeto) se voltou para ele mesmo. Como a ação voltou-se para quem a praticou, temos um verbo reflexivo.

Verbos reflexivos e verbos pronominais: qual é a diferença?

Ao abordamos os verbos reflexivos, é importante voltarmos ao conceito de verbos pronominais, a fim de evitar confusão entre as duas classificações.

Ambos os verbos trazem consigo o pronome oblíquo átono “se”, mas existem algumas particularidades que devem ser esclarecidas. Nos verbos reflexivos, o pronome pessoal oblíquo átono “se” não é parte do verbo, apenas o acompanha.

Os verbos pronominais, por sua vez, são aqueles que, necessariamente, trazem junto de si esse pronome.

Observe atentamente os exemplos a seguir:

-Nádia queixou-se de dor.
-O moço arrependeu-se de sua decisão.

Nas frases acima, o uso do pronome oblíquo ocorre por uma exigência da própria gramática da língua portuguesa, sendo, portanto, exemplos de verbos pronominais.

 

*Débora Silva é graduada em Letras (Licenciatura em Língua Portuguesa e suas Literaturas). 


Informar erro