WhatsApp tem mudado para melhor a relação escola/aluno

O celular é visto por muitos como algo que distrai e prejudica o rendimento dos alunos. Mas o WhatsApp está sendo cada vez mais usado para fins educativos


O uso da tecnologia, principalmente do celular, é visto por muitos como algo que distrai e prejudica o rendimento dos alunos. Mas saiba que o uso do aplicativo WhatsApp está sendo cada vez mais usado para fins educativos.

O WhatsApp é um aplicativo novo quando relacionado à sua popularidade. Com apenas sete anos de história, ele já atingiu uma marca de um bilhão de usuários que enviam cerca de 42 milhões de mensagens por dia em todo o mundo.

E o Brasil é um dos países mais importantes para o WhatsApp, o aplicativo já faz parte da forma de comunicação de diferentes setores, como hospitais, comércio e até mesmo escolas e faculdades.

whatsapp-tem-mudado-para-melhor-a-relacao-escolaaluno

Foto: Pixabay

O WhatsApp tem mudado a forma como os alunos, pais e professores se relacionam com as escolas. A agilidade, popularidade e segurança que o aplicativo de mensagens instantâneas garante, fazem com que esse seja um meio cada vez mais usado na comunicação que permeia as instituições educacionais.

Algumas escolas institucionalizaram o WhatsApp como um meio de comunicação que ajuda a incentivar os alunos a estudarem.

Escolas que aderiram a comunicação

Um exemplo é a Escola Estadual Filadélfia, em Salvador. Os alunos usam o WhatsApp para revisar e desenvolver os conhecimentos de matemática por meio do Projeto Tabuada. Os alunos estudam a matéria e depois entram no aplicativo para tirar dúvidas e receber exercícios sobre o conteúdo através do aplicativo.

O professor Humberto Lima, que idealizou o projeto, comenta que a praticidade oferecida pelo WhatsApp foi o motivo para sua escolha como finalidade pedagógica. “Foi uma forma de promover interação e fazer com que os estudantes tivessem acesso ao conhecimento de maneira mais divertida. Agora, posso tirar as dúvidas de qualquer lugar”, afirmou o professor.

Segundo Humberto, o mecanismo ainda ajuda o educador a perceber se o aluno está com alguma dificuldade específica.

Já na Escola Estadual Severino Vieira, também em Salvador, o WhatsApp tem servido como principal meio de comunicação entre os professores e responsáveis pelos alunos.

O Programa denominado Educar para Transformar consiste em formar grupos no aplicativo com os pais e professores. Os responsáveis ficam sabendo das atividades e desempenhos dos alunos que estudam no 6º e 7º ano.

A coordenadora pedagógica e psicopedagoga Vilma Beatriz Gonçalves, explica que com os grupos os pais têm participado mais da escola e, principalmente, ampliado o vínculo afetivo com os filhos. “O momento de integração da família com a escola favorece o entendimento e a internalização do sentimento de compreensão acerca da responsabilidade dos pais. Quando eles acompanham as atividades da escola e dos filhos, sistematizam um vínculo afetivo com eles”, considera.

Na escola São Leopoldo, no Rio Grande do Sul, a professora de ciências Debora Marchry, procura incentivar a leitura dos alunos usando o WhatsApp. A educadora escreve semanalmente artigos para um jornal local, fotografa e envia para o grupo que possui junto com seus alunos.

Débora propõe alguns exercícios que envolvam os textos enviados. “A participação no grupo é também um trabalho social. Dessa forma, eu sei que estão aplicando o conhecimento passado presencialmente”, revela.


Reportar erro