A saída do Reino Unido da União Europeia

O termo “Brexit”, é uma junção entre as palavras Britain (Grã-Bretanha) e Exit (saída)

A União Europeia é hoje o modelo mais complexo de agrupamento internacional, já que é hoje o maior bloco de integração regional contemporâneo e destaca-se não apenas pela quantidade de países que participam de sua integração, mas também pela qualidade dos acordos e pela diversidade de medidas.

Apesar da integração e das vantagens que a participação no grupo traz aos seus membros, existem também problemas no âmbito deste, os quais podem motivar a saída de integrantes que se mostram descontentes com as políticas do grupo.

Os agrupamentos mundiais são uma forma de fortalecimento regional diante do processo de globalização, possibilitando que haja uma maior atuação no cenário mundial, especialmente em relação a capacidade de competição econômica.

Dos blocos econômicos existentes, a União Europeia é o mais consolidado, pois reúne atributos como a implantação de uma moeda única, bem como a criação de um banco centralizador, com políticas voltadas também para possibilitar uma maior circulação de pessoas e capitais no interior do grupo.

Brexit – a saída do Reino Unido da UE

A saída do Reino Unido da União Europeia é chamada de brexit

Dos blocos econômicos existentes, a União Europeia é o mais consolidado (Foto: depositphotos)

Em 2016 o mundo foi surpreendido pela notícia de que o Reino Unido estaria deixando a União Europeia, o que causou muitos questionamentos e até mesmo críticas.

No referido ano, os cidadãos do Reino Unido acabaram votando pela saída do seu país do grupo da União Europeia, e já no ano seguinte houve a ativação do artigo 50.º do Tratado de Lisboa, realizando a notificação oficial diante do Conselho Europeu para sua retirada da União Europeia.

Para se referir ao contexto de retirada do Reino Unido da União Europeia é comum o uso do termo “Brexit”, o qual é uma junção entre as palavras Britain (Grã-Bretanha) e Exit (saída), ou seja, a saída dos britânicos em relação ao grupo. É preciso compreender, no entanto, que esse processo de retirada não é algo tão simples.

Veja também: União Europeia – História, mapa e países deste bloco econômico

O desligamento ainda está em processo de tramitação, e segundo o site da União Europeia, o Reino Unido continua a ser um membro de pleno direito da UE, continuando a usufruir dos direitos e a ter as obrigações inerentes a este estatuto.

Desde o pedido inicial de saída do Reino Unido do grupo, muitos debates surgiram, muitas divergências dentro do próprio país, dividindo aqueles que defendem a permanência e os que lutam pela saída.

Quais são os motivos para o Brexit?

O Reino Unido aderiu à Comunidade Econômica Europeia – CEE em 1973, grupo este que precedeu a criação da União Europeia. E já no começo surgiram muitas dúvidas sobre a viabilidade de permanecer neste grupo, sendo que já dois anos depois foi realizado um referendo para decidir se haveria continuidade a relação do país com a União Europeia.

Na ocasião, foi aprovada a permanência do Reino Unido no grupo pela ampla maioria, já que o país se encontrava em um momento de declínio industrial, com altos índices de inflação e problemas no âmbito trabalhista.

Apesar da integração ao grupo, o qual tem como base o mercado único e a livre circulação de bens e de pessoas, a União Europeia não se rendeu ao uso de uma moeda única, o Euro, mantendo sua própria moeda, a libra esterlina.

A relação do Reino Unido com o grupo sempre foi bastante complexa, já que as discussões sobre o controle e a centralização de poderes sempre esteve presente nessa relação.

Uma das maiores críticas dos britânicos em relação ao grupo é a de que economia britânica de hoje é muito mais criativa e dinâmica que a dos anos 1970, e que as dinâmicas econômicas são limitadas pelas burocracias e exigências no âmbito do grupo.

Diante disso, o Reino Unido passou a exigir algumas diferenciações em relação a União Europeia, como a não discriminação por não integrar a zona do euro, o que não deveria gerar danos para a economia britânica.

Além disso, outra questão muito relevante foi o contexto das migrações, já que o Reino Unido solicitou a possibilidade de limitar os benefícios que imigrantes europeus podem pedir no país, o que seria uma forma de privilégio ou de diferenciação que o país teria em detrimento dos demais países do grupo.

Veja tambémComunidade Econômica Europeia

Essas ações não foram vistas com bons olhos por alguns países do grupo, os quais consideram que o Reino Unido precisa se retirar do grupo para que possa exercer essas exigências.

As principais razões para a decisão da saída do Reino Unido em relação a União Europeia são:

  • Questões econômicas, já que se considera que o Reino Unido pode crescer mais se não se submeter as exigências da União Europeia; investimentos em áreas estratégicas, essa foi uma das promessas feitas aos britânicos caso houvesse a saída do bloco, já que o Reino Unido poderia investir mais dinheiro em setores como a saúde, importantes já que há um elevado índice de expectativa de vida da população britânica;
  • Imigração, a qual foi um dos mais fortes argumentos para saída do Reino Unido do grupo, já que foi criado um suposto medo das migrações, especialmente por uma incapacidade de controlar o número de imigrantes no Reino Unido caso ele continuasse no bloco, o que causaria problemas. Além disso, figuras importantes foram usadas como artifícios para motivarem os britânicos a votarem contra a permanência no grupo, sendo que as pessoas mais idosas (Reino Unido tem uma população idosa grande!) foram as que mais votaram pela saída da União Europeia.

Sobre o Reino Unido

O Reino Unido é um Estado Soberano, o qual é constituído como uma união política de quatro países constituintes, sendo eles a Escócia, a Inglaterra, a Irlanda do Norte e o País de Gales.

Excetuando-se a Inglaterra, os três demais países têm administrações descentralizadas com diferentes níveis de competências. O Reino Unido é também chamado de Reino Unido da Grã-Bretanha e Irlanda do Norte, e fica na margem Noroeste da parte continental da Europa.

O Reino Unido tem uma extensão territorial de 242.495 km², com uma população de cerca de 65,64 milhões de pessoas, segundo dados do ano de 2016.

O Reino Unido é uma das maiores potências comerciais do mundo, com elevados indicadores sociais, como expectativa de vida, educação e um dos maiores Produto Interno Bruto – PIB do mundo.

 

Referências

» KUNAST, Luana. Estudo Prático. União Europeia – História, mapa e países deste bloco econômico. Disponível em: https://www.estudopratico.com.br/uniao-europeia-historia-mapa-e-paises-deste-bloco-economico/. Acesso em 20 de abril de 2018.

» REINO UNIDO. União Europeia. Disponível em: https://europa.eu/european-union/about-eu/countries/member-countries/unitedkingdom_pt. Acesso em 20 de abril de 2018.

Sobre o autor

Avatar
Mestre em Geografia e Graduada em Geografia pela Universidade Estadual do Oeste do Paraná (Unioeste), Especialista em Neuropedagogia pela Faculdade Alfa de Umuarama (FAU) e em Educação Profissional e Tecnológica (São Braz).