Agrupamentos comerciais

Entenda o que são os agrupamentos comerciais e saiba como são divididos. Entenda como funcionam, suas vantagens e as desvantagens

Já faz séculos que as organizações supranacionais de ordem comercial são divididas em blocos. O ato de separar países em grupos baseado em acordos e interesses existe na Europa desde o século 19.

Atualmente há três tipos diferentes desses agrupamentos comerciais que dividem os países europeus. Conheça o que e quais são eles.

Agrupamentos comerciais

Áreas de livre comércio

Nesse tipo de grupo estão os países que não cobram tarifas e eliminam qualquer tipo de obstáculo entre os membros. No entanto, não pode haver nenhum tipo de alteração nas tarifas que são exigidas para o restante do mundo.

Agrupamentos comerciais

Imagem: Reprodução/ internet

Um exemplo é a Associação Europeia de Livre Comércio (Alec), grupo criado em 3 de maio de 1960 para fazer contraponto ao embrião da União Europeia. Os membros são a Suécia, Dinamarca, Áustria, Portugal, Reino Unido, Suíça e Noruega.

União alfandegária

Neste tipo de grupo existe a abolição total das tarifas e obstáculos comerciais entre os membros, que também optam pela existência de uma tarifa externa comum aos países. É o que acontece com a  organização econômica da Europa batizada de Benelux, criada em 1948 e que tinha inicialmente a Bélgica, Países Baixos e Luxemburgo como membros.

União econômica

Esse tipo de agrupamento também opta por abolir as tarifas e obstáculos comerciais e, mais uma vez, adota a opção de exigir a tarifa externa comum aos países. E eles ainda possuem formas que favorecem a liberação das fronteiras internas. Graças a isso, a circulação de capitais, bens e mão de obra acaba sendo algo livre.

Fora isso, o grupo ainda adota medidas para deixar homogêneo as políticas monetárias e fiscais entre os membros. Sendo assim, torna-se possível a existência de uma junção dos bancos centrais e da possibilidade de haver apenas uma só moeda de circulação para todos os países que fazem parte do grupo.

Um bom exemplo que representa o que acontece nessa caso é a União Europeia, que surgiu em 1991 e, a princípio, faziam parte Reino Unido, Alemanha, Áustria, Bélgica, Bulgária, Chipre, Croácia, Dinamarca, Eslováquia, Eslovênia, Espanha, Estônia, Finlândia, França, Grécia, Hungria, Irlanda, Itália, Letônia, Lituânia, Luxemburgo, Malta, Países Baixos, Polônia, Portugal, República Checa, Romênia e Suécia.

Algumas desvantagens

Apesar de haver vários tipos de vantagens na existência desses grupos, como a organização econômica, ampliação do mercado consumidor interno e o aceleramento da economia, também existem algumas complicações. Por exemplo, a administração é algo bastante complicado de ser feito e, muitas vezes, há grandes conflitos de interesses e ideias entre os membros. Foi o que recentemente aconteceu com o Reino Unido, que depois de um plebiscito popular votado pela população inglesa, decidiu deixar de fazer parte do grupo econômico.

Outro grande problema é que esse tipo de grupo acaba dividindo o mundo em blocos. Entre os países membros o comércio acontece de forma simples, mas para o restante, existem grandes barreiras comerciais, o que motiva o crescimento de guerras comerciais internacionais.