América Latina

Existem duas grandes subdivisões no continente americano, as quais não se pautam em critérios físicos ou políticos, mas sim nos aspectos culturais históricos. O continente americano é dividido com base na linguagem oficialmente adotada nos países, bem como os aspectos relativos aos processos de ocupação, sendo as divisões são denominadas de América Anglo-Saxônica e América Latina.

O que é a América Latina?

América Latina é uma denominação criada para designar os países do continente americano que foram colonizados por países europeus de idiomas latinos, sendo que estes países adotaram línguas oficiais como espanhol, português ou francês.

A América Latina, portanto, não é limitada pela questão político-territorial, mas tem como base os aspectos culturais relativos ao processo de colonização dos países. No continente americano existe ainda uma outra divisão que é a América Anglo-Saxônica, a qual é abrangida pelos países que possuem como idioma oficial a língua inglesa.

A maioria dos países latino-americanos tornou-se independente ainda no século XIX, embora tenham enfrentado sérios problemas em relação a processos como o fim da escravidão e substituição da mão-de-obra, os conflitos com indígenas em seus territórios e ainda os conflitos de interesses entre os colonizadores e as elites que se formavam nas colônias. 

Os países da América Latina ainda encontram dificuldades para se enquadrar no contexto da globalização

Compõem essa região os países que falam espanhol, francês ou português Foto: depositphotos)

Como é constituída a América Latina?

A América Latina é constituída por quase todos os países que estão localizados na América do Sul e na América Central, excetuando-se, no caso dos países sul-americanos a Guiana e o Suriname, e dos centro-americanos Belize, os quais são países originários de língua germânica. No caso da América do Norte, apenas o México é um país latino-americano, e dentre os países insulares da América Central são latino-americanos Cuba, Haiti e ainda a República Dominicana.

Em sua totalidade, são países considerados como latino-americanos a Argentina, a Bolívia, o Brasil, o Chile, a Colômbia, a Costa Rica, Cuba, o Equador, El Salvador, Guatemala, o Haiti, Honduras, o México, Nicarágua, Panamá, o Paraguai, Peru, a República Dominicana, Uruguai e ainda a Venezuela.

Veja também: América do Sul

Aspectos físicos da América Latina

O relevo da América do Sul, onde está contida a ampla maioria dos países latino-americanos, pode ser dividido em três grandes complexos, sendo eles: porção Leste do subcontinente, ou seja, é aquela porção que está na costa do Oceano Atlântico. Nesta região estão contidos relevos formados por depressões, planaltos e serras, as quais não alcançam grandes altitudes.

São formações antigas, as quais foram sendo his’oricamente desgastadas pelos processos erosivos. Já na porção Central do subcontinente o relevo é formado por planaltos, chapadas e depressões, sendo destaques as planícies Amazônica, bem como as do Pantanal e da Platina.

A porção Oeste do subcontinente possui particularidades em relação ao relevo, com características montanhosas, as quais foram constituídas mais recentemente se comparadas com as formas do relevo Leste do subcontinente. Um exemplo clássico da formação do relevo Oeste da América do Sul é a Cordilheira dos Andes. O ponto mais elevado desta região é o Pico do Aconcágua, em território argentino.

A diversidade em relação ao relevo promove também modos diferentes de ocupação das populações no território, as quais desenvolvem modos de vida próprios aos ambientes nos quais se estabelecem.

Clima e vegetação na América Latina

Existem variações acerca de elementos físicos, como clima e vegetação, quando se fala em América Latina, isso porque os países que compõem este agrupamento não respeitam a questão estritamente geográfica, mas sim cultural. No entanto, a grande maioria dos países latino-americanos estão na América do Sul, sendo, portanto, caracterizados por uma vasta quantidade de tipos de climas e vegetações, por conta das grandes dimensões territoriais da América do Sul.

Veja também: América Central

Clima

Os tipos climáticos predominantes na região são o Clima Tropical e o Clima Equatorial, excetuando-se as regiões montanhosas na porção Oeste do subcontinente, onde ocorre o Clima Frio de Montanha. Na porção Sul do Trópico de Capricórnio e na região Leste dos Andes, se desenvolve o Clima Subtropical.

Sendo que se desenvolvem ainda o Clima Semiárido e Desértico Frio na região da Patagônia argentina. A vegetação no subcontinente é correspondente ao tipo do clima existente no local, são comuns os biomas das Floresta Tropical e Equatorial, a Vegetação de Altitude, as Savanas, Cerrados e Caatingas, o Deserto, as Estepes e Pradarias e ainda as Florestas Temperada e Subtropical.

Economia da América Latina

Os países latino-americanos passaram por um processo de industrialização tardia se comparados com os demais países do continente americano. Ou seja, são países que passaram por suas revoluções industriais mais tardiamente do que os países já considerados desenvolvidos.

São alguns dos mais expressivos países com industrialização tardia o Brasil, a Argentina e o México, os quais concentravam suas indústrias basicamente no setor de bens de consumo não duráveis, como artigos feitos com couro, produção têxtil, indústria alimentícia, dentre outras.

Mudança após a 2ª Guerra

Após o contexto da Segunda Guerra Mundial, várias empresas multinacionais, especialmente norte-americanas e asiáticas, se instalaram nos territórios latino-americanos, por variados fatores como a mão-de-obra abundante e barata nos países da América Latina; a fragilidade dos movimentos sindicais no contexto, o que fazia com que os salários pudessem ser baixos, explorando ao máximo o trabalhador; as matérias-primas eram abundantes sem grandes limitações para exploração; o mercado consumidor estava se expandindo, por conta da ascensão de uma classe média urbana, um excelente público consumidor; construção de infraestruturas em países como Brasil (período da Ditadura), na Argentina e no México, facilitando os fluxos para a circulação de pessoas e capital e ainda pela própria necessidade do capitalismo de expandir sua atuação, visando sua sustentação como sistema.

Veja tambémAmérica Anglo-Saxônica

No contexto mais recente, os países da América Latina ainda encontram dificuldades para se enquadrar no contexto da globalização em sua plenitude.

Os países emergentes são aqueles que encontram maiores facilidades de estabelecer relações internacionais, participando de alguns grupos econômicos mundiais, como o próprio BRICS, do qual o Brasil é parte.

Terceira Revolução Industrial

A chamada Terceira Revolução Industrial, pautada em avanços da ciência, tecnologia e informação, tem encontrado limitações para ocorrer em alguns países latino-americanos, os quais ainda apresentam um desenvolvimento industrial restrito, pautando sua economia mais em atividades primárias, como a pecuária e agricultura, bem como o extrativismo mineral. As atividades dos países da América Latina ainda são muito pautadas em exportação, tornando-se dependentes do mercado externo.

 

Referências

» ADAS, Melhem. Geografia. 5 ed. São Paulo: Moderna, 2006.

» CARVALHO, Marcos Bernardino de; PEREIRA, Diamantino Alves Correia. Geografias do mundo. São Paulo: FTD, 2009.

Sobre o autor

Avatar
Mestre em Geografia e Graduada em Geografia pela Universidade Estadual do Oeste do Paraná (Unioeste), Especialista em Neuropedagogia pela Faculdade Alfa de Umuarama (FAU) e em Educação Profissional e Tecnológica (São Braz).