, ,

Biografia de Fernando Pessoa

Fernando Antônio Nogueira Pessoa, mais conhecido simplesmente por Fernando Pessoa, foi um poeta, ensaísta, tradutor e crítico literário português. Nascido no dia 13 de junho de 1888, na cidade de Lisboa, Portugal, Pessoa tornou-se um dos mais importantes poetas da língua portuguesa e figura central do Modernismo português.

Vida de Fernando Pessoa

Filho de Joaquim de Seabra Pessoa, natural de Lisboa, e de Maria Magdalena Pinheiro Nogueira Pessoa, natural dos Açores, Fernando Pessoa ficou órfão de pai aos cinco anos de idade, e sua mãe acabou se mudando com seu novo esposo para Durban, na África do Sul.

Lá, o pequeno Fernando recebeu educação britânica, tendo estudado no Liceu de Durban, o que lhe proporcionou um profundo contato com a língua inglesa e textos de autores como Shakespeare, Edgar Allan Poe, Lord Byron, John Keats, entre outros.

Em 1902, toda a família retorna a Portugal, mas Pessoa decide retornar, sozinho, para a África do Sul, onde ingressa novamente na Durban High School. Durante esse período, Fernando traduzia trabalhos de poetas ingleses, além de escrever seus próprios textos em língua inglesa. Em 1905, Pessoa regressa definitivamente à capital portuguesa, onde se matricula no Curso Superior de Letras. Nessa época, o poeta entra em contato com as obras de Cesário Verde e os sermões de Padre Antônio Vieira.

Fernando Pessoa

Fernando Antônio Nogueira Pessoa foi poeta, ensaísta, tradutor e crítico literário (Foto: Reprodução | Wikimedia Commons)

Em 1915, Fernando acaba por produzir textos para o lançamento da revista “Orpheu”, e suas produções literárias são taxadas como intensas, não sendo bem recebidas pela sociedade conservadora da época. Em decorrência disso, Fernando Pessoa começou a adotar heterônimos, e em vida, publicou apenas quatro de suas várias obras.

Vítima de cirrose hepática, o autor falece aos 47 anos, no dia 30 de novembro de 1935, na capital portuguesa. Um dia antes de sua morte, o poeta escreveu suas últimas palavras no hospital: Não sei o que o amanhã trará.

Seus principais heterônimos

Fernando Pessoa não foi apenas um, mas vários, e a sua pluralidade expressou-se por meio da criação de personalidades próprias para os vários poetas que viviam nele. Saiba mais acerca dos principais heterônimos de Fernando Pessoa a seguir:

Alberto Caeiro

Nasceu em Lisboa no dia 16 de abril de 1889. Foi o mais objetivo de seus heterônimos, buscando eliminar todos os vestígios de subjetividade em seus textos. O poeta se volta pela busca das sensações naturais dos elementos e se opõe radicalmente ao intelectualismo. Alguns de seus poemas mais conhecidos são “Há metafísica bastante em não pensar em nada” e “A espantosa realidade das coisas”.

Veja também: Saiba quem são os principais poetas europeus

Álvaro de Campos

Nasceu em Porto, no dia 19 de setembro de 1887. É tido como o heterônimo com o lado mais moderno de Fernando, sendo caracterizado pela vontade de conquista, pelo amor à civilização e ao progresso. O seu tom de linguagem era irreverente e o estilo se ligava ao Futurismo. Alguns de seus versos mais famosos são os iniciais do poema “Tabacaria”:

Não sou nada. 
Nunca serei nada.
Não posso querer ser nada.
À parte isso, tenho em mim todos os sonhos do mundo. (…)

Ricardo Reis

Nasce no mesmo dia do heterônimo anterior. Representa a vertente clássica ou neoclássica da criação de Pessoa. A linguagem é contida e bem disciplinada, com versos geralmente curtos, e que tendem à vernaculidade e ao formalismo.

Confira a seguir um poema publicado como Ricardo Reis:

Uns, com os olhos postos no passado,
Vêem o que não vêem; outros, fitos
Os mesmos olhos no futuro, vêem
O que não pode ver-se.

Porque tão longe ir pôr o que está perto –
A segurança nossa? Este é o dia,
Esta é a hora, este é o momento, isto
É quem somos, e é tudo.

Perene flui a interminável hora,
Que nos confessa nulos. No mesmo hausto
Em que vivemos, morreremos. Colhe
O dia, porque és ele.

Acervo de obras de Fernando Pessoa

Publicadas em vida:

1918: 35 Sonnets
1918: Antinous
1921: English Poems I, II e III
1934: Mensagem

Veja também: Melhores frases de livros

Obras póstumas:

1942: Poesias de Fernando Pessoa
1944: Poesias de Álvaro de Campos, A Nova Poesia Portuguesa
1946: Poesias de Alberto Caeiro, Odes de Ricardo Reis
1952: Poemas Dramáticos
1955 e 1956: Poesias Inéditas I e II
1968: Textos Filosóficos
1973: Novas Poesias Inéditas
1974: Poemas Ingleses Publicados por Fernando Pessoa
1978: Cartas de Amor de Fernando Pessoa
1979: Sobre Portugal
1980: Textos de Crítica e de Intervenção
1982: Carta de Fernando Pessoa a João Gaspar Simões
1985: Cartas de Fernando Pessoa a Armando Cortes Rodrigues
1986: O Guardador de Rebanhos de Alberto Caeiro
1986: Primeiro Fausto

Referências

» https://www.ebiografia.com/fernando_pessoa/

Sobre o autor

Avatar
Formada em Letras (Licenciatura em Língua Portuguesa e suas Literaturas) pela Universidade Federal de São João del-Rei (UFSJ), com certificado DELE (Diploma de Español como Lengua Extranjera), outorgado pelo Instituto Cervantes. Produz conteúdo web, abrangendo diversos temas, e realiza trabalhos de tradução e versão em Português-Espanhol.