Bússola

A bússola é um dos instrumentos utilizados para localização e orientação espacial por parte dos homens, e que teve importante destaque histórico, principalmente no contexto das navegações, quando era uma necessidade iminente a condição de conhecer os rumos que deveriam ser seguidos. No contexto contemporâneo, poucas pessoas ainda sabem como manusear uma bússola, porque elementos tecnológicos são cada vez mais disseminados, como os sistemas de posicionamento global. 

Localização e Orientação

Existem dois tipos de localização geográfica: uma denominada de absoluta, a qual aponta com precisão a posição de um dado local na superfície terrestre (aspecto simples). Outra chamada de relativa, que corresponde à situação do local apontado, diz respeito às relações que um lugar mantém com outros, bem como as vantagens e desvantagens deste lugar para as atividades humanas (aspecto complexo).

Para que as pessoas consigam se localizar no espaço existem variadas técnicas, algumas utilizando-se apenas de informações sobre o próprio local em que estão, como a posição dos astros no céu, outras utilizando-se de recursos tecnológicos, desde os mais simples até complexos com funções remotas.

A localização e a orientação espacial são algumas das primeiras habilidades que os seres vivos desenvolvem, mesmo inconscientemente, pois desde que nascem (ou até mesmo antes, no útero materno) os bebês já desenvolvem noções espaciais. Historicamente, a localização e orientação no espaço foram elementos que se relacionavam com a própria sobrevivência, já que o homem primitivo deveria saber se orientar espacialmente para desenvolver atividades como caça, coleta e pesca.

Juntamente com o desenvolvimento destas habilidades, os homens criaram também estratégias de registrar suas informações sobre o espaço, desenhando nas paredes das cavernas e posteriormente criando recursos como mapas e cartas.

Recursos de localização e orientação

Ao longo do tempo, os homens criaram artifícios para promover uma melhoria em relação à sua localização e orientação no espaço. Os produtos cartográficos são meios pelos quais uma mensagem é disseminada, portanto, tornam-se em veículos de comunicação, adotando, para tal, uma linguagem específica.

Representações geográficas

Globo

Dentre as principais formas de representação do espaço geográfico estão o globo, cuja representação é feita em uma superfície esférica em escala pequena (poucos detalhes), onde podem ser representados elementos naturais e artificiais.

Mapas

Os mapas também são representações comuns, igualmente em escala pequena, onde podem ser representados elementos naturais, artificiais e culturais, bem como físicos e político-administrativos.

Cartas

As cartas são representações planas, em escala média ou grande, onde são representados elementos artificiais e naturais. As folhas das cartas são delimitadas pelas linhas imaginárias (paralelos e meridianos).

Plantas

As plantas são representações de áreas restritas, onde são preservados muitos detalhes.

Bússola

Um importante instrumento que auxilia na localização e orientação das pessoas no espaço é a bússola, a qual é um instrumento antigo, mas muito relevante na história da humanidade.

GPS

Hoje são comuns instrumentos tecnológicos modernos, que carregam em si variadas funções em relação a localização e orientação, como é o caso do Global Positioning System, popularmente conhecido como GPS, os quais possuem configurações que indicam os caminhos aos “viajantes”, além de conter outras informações, como hotéis, restaurantes, locais turísticos, etc., tudo para auxiliar aos que necessitam de localizar espacialmente. 

Os pontos cardeais na bússola

As bússolas possuem como base os pontos cardeais, os quais são elementos criados para facilitar e padronizar a orientação espacial. Os pontos cardeais foram criados observando-se o movimento aparente dos astros no céu. Assim, são reconhecidos formalmente quatro pontos cardeais, sendo eles Norte (N), Sul (S), Leste (E) e Oeste (W).

Pontos colaterais e subcolaterais

Além destes, para tornar ainda mais precisa a localização, foram convencionados também os pontos colaterais e os subcolaterais. De modo amplo, pode-se conhecer os pontos cardeais a partir de uma atividade simples, esticando-se o braço direito para o local onde o Sol surge (Leste), enquanto o braço esquerdo fica em posição contrária, onde o Sol se põe (Oeste). Na frente do observador, tem-se o Norte, enquanto atrás deste, tem-se o Sul. Na bússola, a agulha magnética irá indicar a direção Norte.

Saiba mais: Pontos cardeais

O que são as bússolas?

A bússola é um objeto criado pelos chineses no século IV a.C., sendo que as primeiras bússolas não eram idênticas as que são hoje comumente utilizadas. Elas eram feitas de bronze, sendo que os pontos cardeais estavam assinalados nestas. Elas não se utilizavam de agulhas, mas sim de um objeto em formato de concha, o qual era imantado (imagem abaixo) e indicava as direções.

As primeiras bússolas não se utilizavam de agulhas, mas sim de um objeto em formato de concha

As primeiras bússolas eram feitas de bronze (Foto: Reprodução/Editora do Brasil)

As bússolas foram aperfeiçoadas posteriormente, tornando-se mais acessíveis e práticas. Atualmente, as bússolas são formadas a partir de uma base, com uma agulha magnetizada, a qual se movimenta sobre um eixo, sempre apontando para o Norte.

A bússola mostra o Norte magnético da Terra (Foto: depositphotos)

Geralmente as bússolas trazem os pontos cardeais e, às vezes, também os colaterais. A agulha da bússola é imantada, adquirindo a condição de um imã. A bússola mostra o Norte magnético da Terra, de modo que o planeta possui um núcleo interno composto por ferro e níquel, criando um campo magnético nos polos Sul e Norte.

Apesar da relativa precisão, dependendo do local em que se encontra o observador, a bússola não aponta exatamente para o Norte, pois sua agulha é atraída pelo polo magnético do Norte, o qual não se encontra exatamente no polo Norte, mas sim 1400 quilômetros deste.

Norte Magnético (Imagem: Reprodução/Heliodon)

Como utilizar uma bússola?

A bússola só deve ser efetivamente utilizada em casos que necessitem de localização ou orientação espacial, nunca se devendo adentrar ambientes de risco, como matas, apenas para testar seus usos (ao menos que a pessoa tenha um excelente domínio da técnica).

As bússolas não podem ser armazenadas e utilizadas próximas de objetos metálicos, porque isso interfere em sua capacidade magnética. Ao escolher o local para o qual deseja se deslocar, aponte a seta indicadora (linha de fé) para um ponto de referência, girando para tal o anel graduado da bússola.

A bússola deve sempre ser utilizada na posição horizontal, e quando alinhadas a seta indicadora com a parte destacada da agulha magnetizada, é preciso coletar a informação do azimute, o qual é um ângulo obtido a partir da relação entre o meridiano do lugar em que se encontra o observador e o plano vertical que contém o ponto observado pelo observador.

Feito, isso pode ocorrer o deslocamento até o local desejado. Para regressar, basta encontrar na bússola o azimute indicado anteriormente. No entanto, essas orientações parecem simples na teoria, mas poucos metros de erro nos cálculos são suficientes para deslocar totalmente o sujeito de seu objetivo.

Assim, para conhecer mais sobre a técnica de localização geográfica com uso de bússolas, consulte o site do Exército Brasileiro, através do Colégio Militar de Santa Maria – RS, no qual existem orientações importantes sobre o uso deste recurso: http://www.cmsm.eb.mil.br/index.php/gremios/orientacao.

 

Referências

» ADAS, Melhem. Geografia. 5 ed. São Paulo: Moderna, 2006.

» FITZ, Paulo Roberto. Cartografia Básica. São Paulo: Oficina de Textos, 2010.

» MENEZES, P. M. L.; FERNANDES, M. C. Roteiro de Cartografia. São Paulo: Oficina de Textos, 2013.

» VESENTINI, José William. Geografia: o mundo em transição. São Paulo: Ática, 2011.

Sobre o autor

Avatar
Mestre em Geografia e Graduada em Geografia pela Universidade Estadual do Oeste do Paraná (Unioeste), Especialista em Neuropedagogia pela Faculdade Alfa de Umuarama (FAU) e em Educação Profissional e Tecnológica (São Braz).