,

Cadeia alimentar

A união de várias cadeias alimentares e suas relações é chamada de teia alimentar

Os seres vivos (fatores bióticos) relacionam-se no meio ambiente com os fatores abióticos (água, ar, solo, luz e nutrientes). Dentro desse ecossistema a energia proveniente do Sol tem um papel fundamental na produção de alimento, seguindo um fluxo unidirecional através de diversos níveis.

É dentro da cadeia alimentar que se estabelece algumas relações em níveis tróficos ou alimentares, através da transformação de energia dos produtores (fotossintetizantes) aos consumidores. Normalmente, uma cadeia alimentar alcança até quatro níveis tróficos: primário, secundário, terciário e quaternário. Observe:

Níveis da cadeia alimentar

-Nível primário: representado pelos produtores.
-Nível secundário: representado pelos consumidores primários
-Nível terciário: representado pelos consumidores secundários
-Nível quaternário: representado pelos consumidores terciários

Vale-se ressaltar que os decompositores (fungos e bactérias) permeiam todos os níveis tróficos e são essenciais para a ciclagem de nutrientes na cadeia alimentar.

A cadeia alimentar pode alcançar até quatro níveis tróficos

Compõem a cadeia alimentar os produtores, os consumidores e os decompositores (Foto: depositphotos)

Quem compõe a cadeia alimentar?

 Produtores

Os produtores também são chamados de autótrofos, pois são capazes de sintetizar seu próprio alimento, ou seja, conseguem converter a matéria inorgânica em orgânica, através de processos bioquímicos. Dependendo da fonte de energia utilizada, os produtores podem ser de dois tipos: quimiossintetizantes ou fotossintetizantes. Os quimiossintetizantes captam a energia que necessitam das reações de oxidação que ocorrem com a matéria inorgânica. Como exemplo, temos as bactérias (nitrobactérias). Já os fotossintetizantes retiram a energia que necessitam da luz solar, como é o caso das plantas e algas.

Veja também: Por que alguns animais têm olhos na frente e outros têm nos lados?

Consumidores

Os consumidores também são chamados de heterótrofos e são seres incapazes de sintetizar seus próprios alimentos. Devido a isto, alimentam-se dos produtores ou de outros consumidores. O consumidor primário é aquele que se alimenta diretamente dos produtores, ou seja, são herbívoros. Como exemplo, temos o coelho, a vaca, etc. Os consumidores secundários são os que se alimentam dos herbívoros, são carnívoros. Os consumidores terciários são aquele que se alimentam dos secundários e assim, sucessivamente.

Decompositores

São aqueles que decompõem a matéria morta, geralmente representados pelas bactérias e fungos. São capazes de decompor a matéria orgânica em inorgânica e devolver ao ambiente compostos e nutrientes como sais minerais, água e dióxido de carbono, que serão reaproveitados pelos produtores num processo natural de reciclagem.

Veja também: Por que os olhos de alguns animais brilham no escuro?

Exemplo de cadeia alimentar completa

  1. Produtor: Flor
  2. Consumidor primário: borboleta
  3. Consumidor secundário: sapo
  4. Consumidor terciário: cobra
  5. Decompositores: fungos e bactérias

Observe que a borboleta é um herbívoro heterótrofo (consumidor primário), pois busca alimentação na flor (produtor/autótrofo). O sapo ao se alimentar da borboleta é o consumidor primário e a cobra o consumidor secundário. A cobra por sua vez, após morrer, entrará em decomposição através da ação dos fungos e bactérias, transformando a matéria orgânica em inorgânica, devolvendo assim, os nutrientes necessários às plantas. A união de várias cadeias alimentares e suas relações é chamada de teia alimentar.

Veja outro exemplo na imagem abaixo:

(Imagem: Estudo Prático)

Veja também: O que são animais hematófagos? Conheça suas particularidades

Referências

» Esteves, Katharina Eichbaum, and José Marcelo Rocha Aranha. “Ecologia trófica de peixes de riachos.” Ecologia de peixes de riachos. Série O ecologia Brasiliensis 6 (1999): 157-182.

» Thomaz, S. M. “O papel ecológico das bactérias e teias alimentares microbianas em ecossistemas aquáticos.” Perspectivas da Limnologia no Brasil. Gráfica e Editora União, São Luiz (1999): 147-167.

» Müllen da Paz, Alfredo, et al. “Modelos e modelizações no ensino: um estudo da cadeia alimentar.” Ensaio Pesquisa em Educação em Ciências 8.2 (2006).

Sobre o autor

Graduada em Ciências Biológicas (Universidade do Estado do Rio de Janeiro)