Cavernas brasileiras

As cavernas são ambientes que geram curiosidade e influenciam atividades turísticas em várias partes do mundo. Nas cavernas podem ser vistas interesses formações geológicas constituídas ao longo do tempo, como galerias, espeleotemas, estalactites e estalagmites. 

O que são cavernas?

As cavernas são espaços que se formam no interior de rochas e que, segundo a União Internacional de Espeleologia, possuem condições de dar acesso a uma pessoa em seu interior. Assim, nem todos os buracos existentes em rochas são considerados como cavernas, mas somente aqueles que têm condições de permitir que as pessoas entrem dentro deles. As cavernas podem ser de vários tipos, em conformidade com a topografia, o comprimento e a forma destas. Alguns dos principais tipos de cavernas são:

  • Tocas: são cavernas com grandes aberturas, embora possuam uma única entrada. Elas possuem desenvolvimento horizontal menor do que 20 metros, e não possuem desníveis acentuados.
  • Grutas: também conhecidas como lapas, são cavernas com predominância horizontal, possuindo mais de 20 metros de comprimento. As grutas geralmente possuem mais de uma entrada, podendo ter ainda desníveis e salões internos.
  • Fossos: são cavernas verticais, com grandes aberturas e cujos desníveis não ultrapassam os 10 metros.
  • Abismos: são cavernas verticais, mas cujos desníveis ultrapassam os 10 metros. 

Espeleologia

Existe uma área do conhecimento que se preocupa com o estudo sobre as cavernas, observando as condições de sua gênese e evolução no decorrer do tempo. Além disso, os pesquisadores da Espeleologia têm como preocupação ainda o meio físico das cavernas, bem como as formas de vida que se desenvolvem ou se utilizam destes ambientes.

Estes pesquisadores pensam ainda nas melhores formas da coleta de dados, bem como nas formas para desenvolver um catálogo que possa ser utilizado como base para pesquisas. A origem do termo Espeleologia vem do latim, e significa spelaeum (caverna) e logos (estudo). Vários campos da ciência se utilizam dos conhecimentos da Espeleologia, como a Geologia, a Geografia, a Hidrologia, Biologia, Arqueologia, Climatologia, e demais que tem como função a compreensão do meio físico terrestre. 

A vida nas cavernas

Existem variados tipos de espécies de vida habitando as cavernas, as quais possuem as adaptações necessárias para que possam sobreviver naqueles ambientes.

Existem muitos animais que frequentam as cavernas para desenvolver sua alimentação, como morcegos e aves diversas, bem como algumas espécies de insetos. São estes animais, e outros tantos, que adentram estes espaços, que servem de matéria orgânica para alimentação de outros animais, o que ocorre por conta de suas fezes, bem como com suas carcaças quando estes morrem no interior das cavernas.

Há ainda animais que nascem e vivem suas vidas no interior das cavernas sem que haja necessidade de sair de dentro destas para sobreviver. Estes animais também morrem no interior das cavernas e servem de alimento para outras espécies.

Os animais que ficam permanentemente em cavernas possuem adaptações morfológicas que permitem sua vivência nestes ambientes, como olhos reduzidos por conta da pouca iluminação. Eles desenvolvem ainda características comportamentais evoluídas por conta de seu habitat, como condições de sobrevivência em períodos de escassez alimentar, pois dependem dos animais que adentram as cavernas para sobreviver. 

Cavernas no Brasil

Os estudos sobre cavernas no Brasil são relativamente recentes, sendo que apenas em 1971 é que um método de catalogação é efetivamente adotado pela recém-criada Sociedade Brasileira de Espeleologia em 1969. Esse sistema de numeração das cavernas foi elaborado em ordem cronológica da descoberta de cada uma das cavidades.

A caverna mais visitada

O Brasil possui várias cavernas importantes, as quais são amplamente visitadas por turistas e pesquisadores. Uma das mais importantes é a “Caverna do Diabo” na cidade de Eldorado em São Paulo, essa região é a que abriga a maior quantidade de cavernas da América do Sul. Essa caverna é uma das que mais recebe turistas dentre as cavernas brasileiras.

Caverna do Diabo em São Paulo

(Foto: Wikimedia Commons)

A maior caverna

Outra caverna de destaque no Brasil é a “Toca da Boa Vista”, em Campo Formoso na Bahia. Essa caverna é a maior do Brasil, contando com uma extensão de 107000 metros. A caverna em questão é também a maior conhecida em toda a América do Sul.

Toca da Boa Vista na Bahia

(Foto: Reprodução/Lugares Fantásticos)

A caverna mais bela

Uma das mais belas cavernas brasileiras é o “Poço Azul” na região da Chapada Diamantina, na cidade de Nova Redenção. Essa caverna é uma gruta de águas cristalinas, na qual são possíveis mergulhos por parte dos visitantes.

Poço Azul em Minas Gerais

(Foto: Wikimedia Commons)

A caverna mais profunda

A caverna mais profunda do Brasil é a “Gruta do Centenário”, onde fica o Pico do Inficionado (2.068 m de altitude), na Serra da Caraça, em Minas Gerais. Esta é a maior e mais profunda caverna quartzítica do mundo. Essa gruta possui um desnível de 481 metros.

Gruta do Centenário em Minas Gerais

(Foto: Reprodução/Núcleo Serra Grande)

O estado com mais cavernas registradas

A quantidade de cavernas descobertas no Brasil tem aumentado em um ritmo muito rápido, especialmente por conta dos avanços tecnológicos e da catalogação formas destes elementos naturais.

Estima-se que o Brasil tenha mais de 16,4 mil cavernas conhecidas e catalogadas, embora os pesquisadores acreditem que exista uma quantidade imensa de cavernas ainda não conhecidas no território brasileiro. Segundo o Ministério do Meio Ambiente, o Brasil passou de 4,4 mil cavernas catalogadas até 2004 para 16,4 mil registradas até 2017, sendo que Minas Gerais é o estado com maior quantidade de cavernas registradas.

Curiosidades

Existem vários grupos que estudam teoricamente e na prática as cavernas de todo o mundo. Existe uma associação internacionais que se interessa nas pesquisas sobre cavernas, a Union Internationale de Spéléologie (UIS), cujo site pode ser acessado no link: http://www.uis-speleo.org/.

E ainda, no Brasil há também uma associação que tem a mesma finalidade, que é a Sociedade Brasileira de Espeleologia, cujo site pode ser acessado em: http://www.sbe.com.br/cavernas_maiores.asp. A SBE tem como função a manutenção de um acervo centralizado com informações sobre as cavernas existentes no Brasil, o qual é constantemente nutrido com dados sobre novas descobertas na área.

 

Referências

» BRASIL. Serviço Geológico do Brasil. Espeleologia: o estudo das cavernas. 2014. Disponível em: < http://www.cprm.gov.br/publique/Redes-Institucionais/Rede-de-Bibliotecas—Rede-Ametista/Canal-Escola/Espeleologia%3A-o-estudo-das-cavernas-1278.html>. Acesso em 11 jul. 2017.

» BRASIL. Ministério do Meio Ambiente. Em 13 anos, número de cavernas brasileiras catalogadas quadruplica. Disponível em: <http://www.brasil.gov.br/meio-ambiente/2017/04/em-13-anos-numero-de-cavernas-brasileiras-catalogadas-quadruplica>. Acesso em 11 jul. 2017.

» FERREIRA, Rodrigo Lopes; MARTINS, Rogério Parentoni. A vida no interior das cavernas. In: Revista Ciência Hoje, vol. 29, no 173, julho de 2001, p. 23.

» RODRIGUES, Roberto. CNC – Cadastro Nacional de Cavernas – Brasil – (SBE – Sociedade Brasileira de Espeleologia). 13th International Congress of Speleology. Anais do… Brasília, 2001. Disponível em: < http://www.cavernas.org.br/anais26cbe/26CBE_485-492.pdf>. Acesso em 11 jul. 2017.

Sobre o autor

Avatar
Mestre em Geografia e Graduada em Geografia pela Universidade Estadual do Oeste do Paraná (Unioeste), Especialista em Neuropedagogia pela Faculdade Alfa de Umuarama (FAU) e em Educação Profissional e Tecnológica (São Braz).