,

Células eucariontes

Nesse artigo você vai aprender sobre as células eucariontes, o que são, como se formam, como surgiram os primeiros eucariontes e sua diversidade. Acompanhe a seguir!

Se compararmos a organização do corpo de uma bactéria com as células que formam o corpo de um animal qualquer, vamos notar que a célula da bactéria, quanto a sua organização, é muito mais simples, não apresentando núcleo diferenciado.

A cromatina, que forma o material genético, encontra-se espalhada pelo citoplasma na região central da célula e também dispersos pelo citoplasma, são encontrados os ribossomos, que são responsáveis pela síntese de proteínas. Um conjunto de membranas envolve todo esse material: por fora a membrana esquelética (membrana primária), mais espessa e resistente e sob ela a membrana plasmática.

Por não possuir a membrana nuclear ou carioteca, que separa o material genético do citoplasma, as bactérias e cianobactérias são denominadas procariontes (proto = primeiro, primitivo, karyon = núcleo), pois não têm o núcleo diferenciado. Todos os demais seres vivos são denominados eucariontes.

 

Diferença entre célula procarionte e eucarionte

Imagem comparativa: célula procarionte x célula eucarionte

Estima-se que os primeiros organismos com estrutura celular mais complexa, eucariontes ou eucariotos, surgiram por volta de 2 bilhões de anos atrás, muito antes do que  se pensava até há pouco tempo.

O que é uma célula eucarionte?

A palavra eucariontes significa eu = verdadeiro e karyon = núcleo, ou seja, são organismos unicelulares ou multicelulares que apresentam um núcleo diferenciado, pois o material genético encontra-se delimitado no citoplasma pela membrana nuclear (carioteca). Tais organismos apresentam células chamadas eucarióticas, formadas por membrana plasmática, citoplasma e núcleo. A maior parte dos seres vivos conhecidos é eucarionte, sejam unicelulares, como as amebas, ou multicelulares, como as plantas e os animais.

Veja tambémCélulas procariontes

Como surgiu?

A maneira como ocorreu o surgimento e a evolução das primeiras células eucarióticas ainda é questão de discussão. Uma hipótese bastante aceita propõe que as primeiras células eucarióticas teriam surgido de células procarióticas (sem carioteca) sem parede celular ou que teriam perdido a parede celular.

Essas células teriam passado a desenvolver dobramentos da membrana plasmática, tornando-se maiores e mais complexas. Esses dobramentos teriam dado origem a organelas citoplasmáticas e ao envelope nuclear (carioteca), estrutura membranosa que delimita o núcleo, onde se concentra o material genético da célula.

Célula eucarionte

Entre as organelas membranosas, apenas as mitocôndrias e os cloroplastos tiveram origem diferente. As mitocôndrias são responsáveis pela respiração celular, ocorrendo em praticamente todos os eucariontes.

Sabe-se hoje que os eucariontes que não possuem mitocôndrias perderam essa organela na evolução. Assim, o surgimento da mitocôndria ocorreu logo no início da evolução da célula eucariótica. Os cloroplastos são responsáveis pela fotossíntese, estando presentes apenas nos seres eucariontes fotossintetizantes, como as plantas. Há indícios bem aceitos pela comunidade científica de que essas duas organelas teriam surgido por meio de um processo chamado simbiose ou endossimbiose.

Nesse processo, a célula eucariótica em formação teria englobado bactérias que já realizavam respiração e não as teria degradado. Elas teriam sido mantidas no citoplasma em uma relação que se mostrou vantajosa tanto para as bactérias quanto para o eucarionte em formação.

As bactérias teriam obtido proteção e nutrientes do eucarionte em formação e este, por sua vez, teria passado a se beneficiar do processo de respiração realizado por elas. Essa associação teria se perpetuado, e essas bactérias teriam dado origem às atuais mitocôndrias. Dessa linhagem de células eucarióticas derivavam vários grupos de eucariontes tanto unicelulares, como as amebas, quanto multicelulares, como os animais e fungos.

Algum tempo depois, teria ocorrido outro processo de endossimbiose, mas agora entre as células eucarióticas, com mitocôndria e as cianobactérias, que realizam a fotossíntese. Tal associação mostrou-se tão vantajosa que se perpetuou e essas cianobactérias teriam dado origem aos atuais cloroplastos. Dessa linhagem teriam derivado as atuais plantas e vários outros grupos de organismos fotossintetizantes.

Veja também: Citoplasma das células – Função e composição

O surgimento dos multicelulares eucariontes

O próximo grande evento evolutivo na história da vida foi a origem dos seres multicelulares eucariontes. Supõe-se que a multicelularidade tenha surgido de forma independente a partir de grupos distintos de unicelulares eucariontes, cujas células teriam ficado unidas após sucessivas divisões celulares.

Além de unidas, essas células teriam passado a apresentar divisão e cooperação de trabalho entre elas, de modo que cada célula não pode mais viver de forma independente. Os primeiros fósseis de multicelulares eucariontes são de animais e vegetais marinhos, que datam de cerca de 670 milhões de anos, o que nos leva a supor que a multicelularidade tenha surgido antes desse período.

As plantas evoluíram muito provavelmente a partir de algas verdes unicelulares. Fungos e animais surgiram de unicelulares heterótrofos. Evidências moleculares indicam que os fungos são mais aparentados com os animais do que com as plantas. Pode-se observar que os organismos considerados eucariontes apresentam maior grau de organização estrutural e de complexidade. Eles possuem metabolismos um tanto semelhantes, mas sofreram uma enorme diversificação evolutiva na morfologia e comportamento.

Diversidade de eucariontes

A maioria dos eucariontes que encontram-se presentes na vida do ser humano são as plantas e os animais terrestres, que são formados por inúmeras células eucarióticas. A grande quantidade de plantas e animais que o homem pode observar, sugere uma enorme diversidade de organismos e formas. Microscopicamente também há muita diversidade deste grupo de seres vivos e o estudo deles torna-se possível graças aos avanços tecnológicas em técnicas de microscopia eletrônica e biologia molecular.

A diversidade de características morfológicas é consequência de diversas adaptações que esses organismos vêm enfrentando durante o processo evolutivo, relacionado à questões de alimentação, defesa e reprodução. Vários unicelulares atingiram alto grau de complexidade, já outros, tornaram-se bem simplificados. Os eucariontes multicelulares como as baleias e elefantes, atingiram o tamanho máximo possível de corpo físico geral, enquanto outros, como os nematoides, são menores que os organismos unicelulares com os quais convivem.

Independente do tamanho do eucarionte, eles compartilham muitas características em comum, seja um gato, um fungo, um musgo, um coqueiro ou o ser humano. As células dos eucariontes são grandes e bem compartimentadas, com grande variedade de membranas e estruturas internas, denominadas de organelas.

Veja também: Organelas celulares

As organelas são responsáveis por funções específicas em uma célula. O esqueleto celular desempenha um papel fundamental na estruturação da célula e o material genético permanece no núcleo separado do restante da célula por uma dupla membrana, a carioteca.

Referências

» ESTEVES, Luciano M. Meio ambiente & botânica. Senac, 2017.

» IHA, Cíntia; SENA, Fernando. A Origem do Cloroplasto e a Evolução dos Eucariontes Fotossintetizantes. Botânica no inverno, p. 110.

» COLZANI, Emílio; MARTINS ALVES, Maria Aparecida. Riqueza e distribuição de eucariontes unicelulares em três córregos sob influência antrópica na cidade de Ivinhema, Mato Grosso do Sul, Brasil. Ambiente & Água-An Interdisciplinary Journal of Applied Science, v. 8, n. 2, 2013.

Sobre o autor

Avatar
Natália Duque é Graduada em Ciências Biológicas pela Universidade do Estado do Rio de Janeiro.