Como andar de metrô

Andar de metrô é uma atividade corriqueira para muitas pessoas, mas alguns usuários ainda têm dificuldades ou até nunca andaram de metropolitano, meio de transporte urbano que circula sobre trilhos.

Grandes cidades do mundo têm o metrô como o principal e mais eficiente transporte de passageiros, e em continentes como a Europa é possível encontrá-lo até mesmo em cidades menores, graças à imensa cobertura em diversos países do Velho Continente.

Já no Brasil, somente algumas cidades possuem metrô. São elas: São Paulo, Rio de Janeiro, Recife, Salvador, Belo Horizonte, Porto Alegre, Brasília, Brasília, Fortaleza, Santos, Teresina, Maceió, João Pessoa, Natal, Sobral e Juazeiro do Norte.

Quando as pessoas passaram a andar de metrô?

O primeiro passo para andar de metro é comprar os bilhetes de acesso

O metrô é considerado como o principal e mais eficiente transporte de passageiros (Foto: depositphotos)

O metrô surgiu no começo do século 19 em Londres. A capital da Inglaterra possuía nessa época um trânsito caótico e cheio de carruagens. Para você ter uma ideia, os tradicionais ônibus de dois andares que são a marca da cidade já eram puxados a cavalos. Dá para acreditar?

Vendo essa situação caótica, Charles Pearson criou o trem subterrâneo para Londres. Com isso, ele resolvia dois problemas simultâneos: a falta de espaço nas vias públicas e o transporte precário. A obra foi coordenada pelo engenheiro John Fowler e colocada em prática por 3.500 operários. Para isso, o túnel foi cavado abaixo das ruas mais largas da cidade.

A engenharia que levou a assinatura de Charles Pearson e John Fowler ficou pronta em 10 de janeiro de 1863. Os primeiros metrôs eram movidos a vapor e o acúmulo de gases acabava gerando um mal estar entre os usuários. Por isso, durante o seu desenvolvimento, algumas partes dos túneis ficavam sem cobertura, a céu aberto, para facilitar a ventilação.

Somente em 1890, quando a eletricidade surgiu é que os problemas com a ventilação foram resolvidos. Com isso, o metrô de Londres se tornavam o meio de transporte mais popular da capital inglesa.

Veja também: Saiba quantos metros equivale um pé

Inicialmente, a linha tinha apenas 6,5 quilômetros e era composta de duas classes: uma para os mais abastados e outra para a população pobre da cidade. Os trechos entre o centro e Paddington foi o primeiro, mas rapidamente surgiriam outras variações e o bilhete começou a ficar mais barato.

No ano de 1900, apenas 10 anos após o primeiro trecho, Londres já contava com sete linhas e 84 estações.

Em poucos anos, cidades europeias também se inspiravam em Londres para implantar a sua malha ferroviária, como a capital da França, Paris; Berlim, na Alemanha; e Budapeste, na Hungria.

Como andar de metrô

Atualmente, o metrô já está mais do que consolidado como um meio de transporte eficiente, seguro e rápido. Existem muitas variações desse tipo de locomoção e você precisa saber andar de metrô para se dar bem no dia a dia seja na sua cidade  ou quando estiver viajando.

Bilhetes

A primeira coisa é comprar o bilhete de acesso. Geralmente, as cidades oferecem bilhetes únicos e integrados que podem ser usados tanto em ônibus como em metrôs por um determinado tempo, independentemente de quantas viagens sejam feitas.

Por exemplo, o bilhete único que é válido por duas horas. Nesse intervalo de tempo, você pode embarcar em quantas estações quiser, basta respeitar o limite do tempo estabelecido.

Em algumas cidades, existem caixas eletrônicos onde podem ser comprados os bilhetes. Já em outros, é preciso ir até os guichês com atendentes.

Catracas

Em seguida, você deve observar as placas indicativas e passar o seu bilhete de metrô pelos leitores das catracas para ter acesso às áreas de embarque das estações.

Destino

Depois disso é só escolher qual direção seguir. Pois o metrô só segue em uma direção, portanto é essencial você saber em qual direção vai seguir para não pegar o sentido contrário ao seu destino. Por exemplo:

Veja também: O que entender por educação no trânsito. Entenda de forma descomplicada

Você está na Paulista em São Paulo e quer ir para Pinheiros. Logo, você tem que pegar o sentido do metrô que vai para Vila Sônia e não o que vai com destino à estação da Luz, pois fica na direção contrária.

Mas caso isso aconteça, não tem problema: é só descer na próxima estação, procurar o lado oposto e embarcar, pois diferente dos ônibus não tem motorista ou cobrador em cada porta de embarque.

Paradas

Ah, outra diferença é que o metrô para obrigatoriamente em todas as estações, você não precisa pedir parada. Em alguns vagões é necessário somente que você acione um botão para que a porta se abra. Em outros, elas se abrem naturalmente em toda estação.

Você deve sempre guardar o bilhete de trem pelo tempo que ele for válido para possíveis baldeações, principalmente em algumas cidades da Europa, que não há catracas. Desta forma, você deve apresentar seu ticket aos fiscais, caso você seja abordado por um e for solicitado.

Se você precisa fazer várias baldeações para chegar ao seu destino, tenha cuidado para não sair da estação, pois você terá que pagar outro bilhete.

Dicas práticas para andar de metrô

Assim como nos ônibus, existem nos metrôs assentos especiais para idosos e deficientes

Ao entrar no vagão, não fique parado próximo à porta (Foto: depositphotos)

– Procure facilitar o troco na hora de comprar seus bilhetes. Em algumas cidades, só são aceitos pagamentos em espécie se não precisar de troco;

– Há sempre um setor de informações. Consulte-o se for necessário;

– Muitos mapas das estações ficam disponíveis, tanto em papel como nas paredes das estações;

– Os maiores metrôs do mundo já disponibilizam aplicativos de celular com o mapeamento completo. Dá para usá-los tanto online como offline;

– Enquanto estiver esperando o metrô na estação, respeite a linha amarela de segurança pintada sobre o chão;

– De preferência espere o metrô longe do vão das linhas para evitar que objetos caiam ou que você mesmo sofra algum acidente;

– Seu bilhete vale para qualquer vagão. Portanto, não existe uma porta específica para você subir ou descer;

Veja também: Metrópoles do Brasil

– Ao entrar no vagão, não fique parado próximo à porta. Ela precisa estar livre para que as pessoas entrem e saiam dos vagões;

– Assim como nos ônibus, existem cadeiras em cada vagão que são destinados aos idosos e pessoas com deficiência. Respeite-as;

– Geralmente, dentro dos vagões há um sistema interno de som onde as estações são anunciadas;

– Quando não há som, sempre existe um mapa acima da porta indicando quais são as estações que esse metrô passa. Alguns inclusive acendem umas luzes pequenas para indicar qual é a próxima parada;

– Se você vai andar de metrô pela primeira vez, fuja dos horários de pico para que você tenha tempo para entender como funciona esse tipo de transporte público e pegue-o menos lotado.

Sobre o autor

Avatar
Jornalista formada pela Universidade Federal da Paraíba com especialização em Comunicação Empresarial. Passagens pelas redações da BandNews e BandSports, TV Jornal e assessoria de imprensa de órgãos públicos.