Conheça o cogumelo mais estranho que você já viu

Você já deve ter visto inúmeros animais estranhos, alguns deles que nem mesmo pareciam ser deste mundo, além de pessoas, pinturas, criações, imagens, entre outras coisas muito estranhas, inusitadas ou até mesmo bizarras. É fato que em todo mundo diversas pessoas têm relatos de arrepiar sobre algo que viu, testemunhou ou presenciou.

Cogumelo clathrus archeri

Pois bem. Se por acaso você ainda não passou por nenhuma experiência do tipo, prepare-se! Nesta publicação, apresentamos um ser vivo que poderá te deixar de cabelos em pé. Até mesmo o nome dessa criatura de origem vegetal é de causar arrepios. Trata-se do cogumelo clathrus archeri.

Conheça o cogumelo mais estranho que você já viu

Foto: Reprodução/ Mistérios do Mundo

Origem do vegetal

É, pela imagem, dá para assustar. Até mesmo parece que o clathrus archeri veio do inferno ou algo do tipo. Mas não veio. Fique tranquilo. Entretanto, o mesmo ganhou um apelido em inglês (Devil’s Fingers) que, traduzido para o português, nada mais é do que “Dedos do Diabo”. Nossa!

Classificado como um fungo, o clathrus archeri é normalmente encontrado na Tasmânia e Austrália. O mesmo, entretanto, foi inserido na vegetação da Europa, Ásia e América do Norte, sendo, portanto, visto em terras de regiões como os Estados Unidos, Reino Unido, entre outros países europeus.

Tal espécie tem um odor muito forte, parecido com o de carniça, capaz de espantar para bem distante qualquer tipo de animal. Os braços deste vegetal podem medir até 10 centímetros e, até então, não há relatos de que algum ser vivo já tenha consumido o clathrus archeri.

Via Mistérios do Mundo

Sobre o autor

Avatar
Jornalista (MTB-PE: 5833), formado em Comunicação Social com habilitação em Jornalismo pelo Centro Universitário UniFavip/Wyden, com experiência em rádio, TV, impresso, web, assessoria de comunicação política e Marketing. Além da iHaa Network, já atuou no portal G1, no Sistema Jornal do Comércio de Comunicação (na TV Jornal/SBT, Rádio Jornal e portal NE10), e também no antigo Jornal Extra de Pernambuco.