Economia da Alemanha – Detalhes de sua moeda e atividades econômicas

Conheça a economia da Alemanha, um dos países mais ricos do mundo. Veja sua moeda e detalhes sobre a indústria, o turismo e outras atividades econômicas

A Alemanha é uma República Federativa composta por dezesseis entes federados, localizada na Europa Central, possui uma estrutura cultural e econômica descentralizada. É um país considerado desenvolvido economicamente, com uma população que tem apresentado características de envelhecimento populacional, também é visada por imigrantes do mundo todo, os quais são atraídos pelas possibilidades no mercado de trabalho.

Características da Alemanha

A Alemanha é um país localizado na Europa Central, limitando-se ao norte pelo Mar do Norte e Mar Báltico, ao sul pela Suíça e Áustria, ao leste pela Polônia e República Tcheca e ao oeste pela França, Bélgica e Holanda. A Alemanha possui 357.376 km² de extensão, e tem como capital Berlim. São estados federativos alemães Baden-Württemberg, Baixa Saxônia, Baviera, Berlim, Brandemburgo, Bremen, Hamburgo, Hesse, Mecklemburgo-Pomerânia Ocidental, Renânia do Norte-Vestfália, Renânia-Palatinado, Sarre, Saxônia, Saxônia-Anhalt, Schleswig-Holstein e Turíngia.

Economia da Alemanha - Detalhes de sua moeda e atividades econômicas

Foto: depositphotos

A Alemanha estabelece fronteiras internacionais com nove países, sendo eles Dinamarca, Polônia, República Checa, Áustria, Suíça, Países Baixos, França, Luxemburgo, Bélgica.

Economia da Alemanha - Detalhes de sua moeda e atividades econômicas

Foto: depositphotos

O rio mais extenso do território da Alemanha é o Reno, o qual percorre 865 km no país, atravessando a Europa de Sul até Norte, tendo no todo 1.233 km de extensão. O rio é muito importante para economia alemã, uma vez que é inteiramente navegável, bem como seus afluentes. Além do Reno, destacam-se ainda o Danúbio (parcialmente navegável) e o Elba (importante via de transportes). A montanha mais alta da Alemanha é a Zugspitze, com 2.962 metros, localizada nos Alpes Bávaros.

Moeda e economia da Alemanha

Entre os anos de 1924 até 1948, a moeda em circulação na Alemanha era o Reichsmark, a qual foi substituída posteriormente pelo Marco Alemão na Alemanha Ocidental e o Marco Alemão Oriental na Alemanha Oriental (até 1989, quando houve a queda do Muro de Berlim). Em 2002 o Marco Alemão foi novamente substituído, desta vez pelo Euro. Apesar da oficialização apenas em 2002, o Euro já vinha sendo utilizado como moeda comum nas transações comerciais desde 1999, já circulando como papel-moeda em pelo menos doze Estados.

A Alemanha é a maior potência econômica da União Europeia, e encontra-se como quarta maior potência mundial, ficando apenas atrás dos Estados Unidos, China e Japão. O destaque da economia alemã se pauta nos produtos de exportação, derivados da indústria automobilística, da construção de maquinários e equipamentos tecnológicos, produtos químicos e tecnologias medicinais. Assim, com base nestas atividades, a economia da Alemanha tem praticamente metade de seu faturamento baseado nas exportações.

O setor agrícola não é um dos que mais se destaca na economia alemã, pois contribui apenas para cerca de 1% do Produto Interno Bruto (PIB) do país, empregando baixa quantidade de mão-de-obra, o que acaba transformando a Alemanha em um país que demanda importação de produtos primários. Destacam-se dentre as atividades agrícolas na Alemanha a produção de leite, a carne de porco, a criação de gado, produtos como beterraba utilizada para produção de açúcar, e ainda os cereais.

O setor industrial da Alemanha tem apresentado queda em relação ao PIB do país, ficando na casa dos 30%, sendo que na década de 1970, por exemplo, encontrava-se acima dos 50%. O destaque na indústria alemã é a produção de veículos automotivos, com ênfase para marcas conhecidas mundialmente, como VW, Mercedes-Benz, além do Porsche, Opel, Audi e ainda a BMW. Além destes, o setor terciário alemão é responsável por cerca de 70% do PIB do país, empregando a grande maioria da População Economicamente Ativa (PEA) da Alemanha. Destacam-se neste setor as pequenas e médias empresas, as quais concentram a maior parcela dos trabalhadores, e são responsáveis pela quase totalidade do PIB do terceiro setor.

Economia da Alemanha - Detalhes de sua moeda e atividades econômicas - Mercedes Benz

Foto: depositphotos

 População da Alemanha

Existem três tendências em relação à demografia na Alemanha, sendo elas as baixas taxas de natalidade, o aumento da expectativa de vida da população e ainda o envelhecimento populacional. Estes elementos estão inter-relacionados na prática, formando as bases para o entendimento do aspecto populacional do país. Desde a década de 1960 as taxas de natalidade alemãs têm diminuído, tendo atingido seu índice máximo no ano de 1964. No ano de 2014, houve um registro de 1,39 nascimentos por mulher na Alemanha, número este que sofre interferência das mulheres imigrantes que vivem no país, podendo elevar-se em momentos específicos.

Há na Alemanha outro elemento importante em relação à população, a qual é motivada pela melhoria na qualidade de vida daquela população, que é o envelhecimento populacional. Com acesso aos serviços de saúde, bem como um elevado Índice de Desenvolvimento Humano (IDH), as pessoas na Alemanha conseguem atingir uma idade mais elevada, chegando a uma média de 82 anos para mulheres e 77 anos para homens. O aumento nos índices de expectativa de vida dessa população se refletem na quantidade de pessoas idosas, bem como nos baixos índices de crianças na população alemã.

Economia da Alemanha - Detalhes de sua moeda e atividades econômicas - Frankfurt

Foto: depositphotos

Imigração na Alemanha

A Alemanha é um dos destinos mais procurados por imigrantes, e os índices de imigração (pessoas que chegam) no país são quase o dobro do que os dados de emigração (pessoas que saem). Os fatores de atração alemães, como as boas condições de vida da população, bem como as ofertas de emprego em áreas nas quais a população local não deseja mais trabalhar, e ainda as medidas de segurança e proteção imigrante, são fatores que atarem os imigrantes à Alemanha, somados aos fatores de repulsão nos países de origem dos imigrantes, como conflitos políticos, religiosos e perseguições.

O país que mais recebe imigrantes no mundo ainda é os Estados Unidos (América do Norte), especialmente os de origem latina. No entanto, os países europeus também são amplamente buscados pelos imigrantes, sendo os principais países a Alemanha, a Espanha, a Itália e o Reino Unido, cujos imigrantes mais expressivos são de origem africana e asiática. Já em relação aos índices de emigração em nível mundial, o fenômeno é mais comum em regiões do continente asiático, bem como na África e nas Caraíbas (México, América do Norte e Colômbia). A Europa é um ponto de atração também para imigrantes com qualificação profissional, pois há uma demanda em seus setores mais desenvolvidos.

A Alemanha ficou conhecida como um país que recebia bem os imigrantes, justamente pela necessidade que possui em relação à mão-de-obra em diversos setores de sua economia. No entanto, diante da crise migratória europeia, com a massiva entrada de imigrantes no continente europeu, a Alemanha também tornou mais rígida sua política migratória. A partir do ano de 2014, por conta da alta quantidade de novos pedidos de asilo em países como Alemanha, houve também um registro em relação à quantidade de recusas por parte deste Estado, como medida protecionista.

*Luana Caroline Kunast é mestre em Geografia.

Referências

» FRANKFURTER SOCIETÄTS-MEDIEN GMBH. Perfil da Alemanha. Berlim. Disponível em: < https://www.tatsachen-ueber-deutschland.de/pt-br/system/files/download/tatsachen_2015_por.pdf>. Acesso em: 16 de Maio de 2017.

» VESENTINI, José William. Geografia: o mundo em transição. São Paulo: Ática, 2011.