Especialista comenta sobre mudanças e estratégias na prova do Enem 2017

Uma das principais mudanças adotadas já para esta edição é que as provas não se concentrarão em apenas um final de semana e sim em dois domingos

Só em ouvir falar no Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) muitos estudantes já ficam nervosos ou então procuram saber mais sobre os assuntos que são explorados nas provas com o intuito de se darem bem. Para a edição 2017, algumas mudanças foram adotadas. Nesse sentido, nada melhor do que entender melhor como elas vão funcionar para ter o melhor rendimento.

De acordo com o coordenador Guedes, em um vídeo gravado para o canal Poliedro Educação, no YouTube, duas grandes mudanças que envolvem a preparação do aluno serão focadas nessas dicas. Vale ressaltar que a nota do Enem é usada como critério de acesso à educação superior por meio do Sistema de Seleção Unificada (Sisu) e do Programa Universidade para Todos (ProUni).

Só para se ter uma ideia, no ano de 2016 o número de inscritos foi de 9.276.328. O resultado é o segundo maior da série histórica do exame – ficando atrás apenas da edição de 2014, quando foram registrados 9.490.952 participantes. A julgar pela própria importância da prova e pelo número de inscritos, se preparar bem para ela é um fator que pode ajudar muito o inscrito.

Especialista comenta sobre mudanças e estratégias na prova do Enem 2017

Foto: depositphotos

Mudanças e estratégias

A partir da edição deste ano de 2017, o Ministério da Educação (Mec) publicou, no Diário Oficial da União (DOU) em junho, portaria fixando todas as novas regras do Enem 2017. Entre as principais delas estão: não haverá mais certificação do ensino médio com a nota do Enem e os resultados do Exame por escola serão extintos; além do mais, as provas agora serão realizadas em dois domingos.

Sobre essas mudanças, o coordenador Guedes, do Colégio e Curso Poliedro esclarece. “Considero essa mudança em relação ao calendário da prova como sendo bastante positiva. Antes a prova se concentrava em um final de semana: sábado e domingo. Agora a prova acontece em dois domingo. Essa disposição favorece muito o aluno na preparação. Aquela maratona agora ficou aberta na preparação”.

Quando essa mudança é analisada a nível de preparação anual, isso é bastante importante, pois há como ele se reter a preparação das matérias abordadas em cada semana. “Quando se trata de refinamento para a prova, isso é importantíssimo. Já que o aluno estará isento de todo aquele desgaste gerado”, completa Guedes.

Já em relação a segunda mudança, a análise vem de forma mais minuciosa. Estruturalmente, a prova adotava uma configuração na distribuição das disciplinas. Agora, ela ficou da seguinte forma: “No primeiro domingo vamos ter a Redação, Português e Ciências Humanas (História, Geografia, Filosofia, Sociologia e Atualidades). Essa é uma prova bastante densa, que exige muita leitura”, alerta. O tempo de duração da mesma é de cinco horas e meia.

Sobre a resolução da prova, Guedes aconselha que “o aluno deve ter domínio de todo o conteúdo, ser estratégico na seleção das questões e ter a capacidade de raciocinar por cinco horas e meia”. Esse último quesito do tempo é importante por exigir do aluno administrá-lo para saber qual a melhor hora de fazer a redação. “Tudo isso tem de ser treinado durante o ano”, endossa Guedes.

Já no segundo domingo, o candidato vai responder as questões das provas de Matemática e Ciências da Natureza (Física, Química e Biologia). “Esse é um dia de raciocínio lógico, ou exatas. Durante a preparação, o aluno tem de passar por modelamentos de estudo, onde ele treina a capacidade da cabeça dele pensar”, finaliza.

Confira o vídeo com as dicas do professor na íntegra aqui embaixo: