Hidrosfera – Poluição e importância da água

A hidrosfera compreende rios, lagos e geleiras, sendo que a Terra é composta por 70 % de água. Veja mais sobre sua importância e o problema da poluição

Aproximadamente 70% da superfície terrestre é recoberta por água, seja em estado líquido, sólido ou gasoso. Todos os reservatórios que guardam este bem natural – os oceanos, geleiras, rios, lagos, atmosfera e água subterrânea – formam a hidrosfera, que pode ser livremente entendida como “esfera de água”.

Além de ser um líquido vital, sem o qual animais, vegetais e seres humanos não sobreviveriam por muito tempo, a água é considerada o agente fundamental de modelagem da superfície do planeta, já que o movimento dos cursos d’água, das chuvas, das geleiras e dos oceanos são responsáveis pelo intemperismo, erosão, transporte e deposição de sedimentos na superfície.

Além disso, a água está em constante movimento e renovação por meio do ciclo hidrológico, que promove a sua circulação entre os diversos reservatórios terrestres, com a transformação entre seus estados físicos. A evaporação dos oceanos e a evapotranspiração, por exemplo, são dinâmicas que fazem parte do ciclo hidrológico. Estima-se que os oceanos contribuem com 85% do total anual evaporado e os continentes com 15% por evapotranspiração (a evaporação de água dos continentes mais a transpiração das plantas).

Hidrosfera - Poluição e importância da água

Foto: depositphotos

Distribuição desigual

Apesar de mais de dois terços da superfície terrestre serem cobertos por água, ela é desigualmente distribuída pelo planeta, o que gera problemas para o abastecimento dos diversos consumos humanos. Apenas 3% de toda a água terrestre não é salgada. Desse total, 68,7% encontram-se indisponíveis, por estarem reservados em geleiras e capas de gelo. Outros 30,1% estão localizados em reservatórios subterrâneos, como os aquíferos. A água considerada recurso, ou seja, que pode ser explorada economicamente, representa uma ínfima parte do total.

O Brasil contém 40% da água doce do mundo, distribuída em grandes bacias hidrográficas como a do Amazonas, Tocantins, do Paraná e do São Francisco e em aquíferos, como o Guarani. Ainda assim, o país sofre com situações de estresse hídrico devido a condições climáticas localizadas, manejo inadequado e grandes concentrações urbanas.

Quando a água deixa de ser recurso

A degradação da hidrosfera prejudica não só o consumo de água, como todo o equilíbrio do planeta, que se reflete na qualidade do solo, dos alimentos, na sobrevivência da vida animal e na biodiversidade.

Mesmo sendo considerada um recurso renovável, a água pode sofrer processos de poluição e contaminação que inviabilizem a sua reutilização. Dessa forma, nem mesmo a água doce disponível como recurso é utilizada de forma racional e inteligente.

No mundo todo, o setor agrícola é o maior consumidor de água, e teve um crescimento significativo nos últimos 50 anos, cerca de 60%. Nos países industrializados, o uso da água para fins industriais também é significativo. No século XX, o aumento do consumo de água superou em duas vezes o crescimento populacional. Saneamento básico precário, contaminação de lençol freático causada pela presença de lixo, atividades industrias, pecuária, atividades agrícolas com uso de agrotóxicos, desmatamento e mineração estão entre as práticas humanas que geram impactos significativos na hidrosfera. É fundamental uma mudança no padrão de uso da água, de forma a garantir a própria vida humana sobre a Terra.

*Lydia Minhoto é jornalista e professora graduada em  geografia

Referências

»TEIXEIRA, Wilson [et. al]. Decifrando a Terra. 2ª edição. São Paulo: Companhia Editora Nacional, 2009.