Kung fu: saiba tudo sobre esta arte marcial

Neste artigo você saberá tudo sobre a arte marcial chinesa, Kung fu. Desde a sua história até os benefícios que ela proporciona para o corpo e para a mente de quem a pratica, uma vez que essa atividade é praticamente uma filosofia de vida.

O Kung fu também é chamado de Wushu ou Kuoshu. De acordo com o “Instituto de Kung Fu”, ela é “uma arte marcial chinesa, criada há mais de 1500 anos. Seus movimentos de ataque e defesa foram inspirados na natureza e na observação dos movimentos dos animais”. Saiba mais sobre essa arte marcial agora.

História do Kung Fu

Não existe uma data certa para dizer quando o Kung Fu surgiu na China. Porém, estudiosos acreditam que por volta de 4 mil anos atrás, ela tenha nascido. Contudo, sabe-se que nos seus primeiros anos de vida, essa arte marcial era bastante utilizada nas guerras internas chinesas.

O registro mais confiável que existe já é de mais de 2 mil anos depois, em 1.122 a.C., quando os guerreiros da dinastia Chou da China Ocidental derrotaram o monarca da dinastia Shang utilizando a técnica chinesa.

Homem em posição de golpe Kung Fu

O Kung Fu é uma arte marcial chinesa muito conhecida (Foto: depositphotos)

A partir desse episódio, muitas guerras foram travadas tendo como base o Kung Fu. Entre os anos de 480 a 211 a.C, ela foi utilizada durante os Estados Guerreiros, logo após esse período até 206 a.C., foi a vez das dinastias Ch’in se utilizarem o Kung Fu.

As dinastias subsequentes também continuaram a usar a arte marcial, como a Rã, entre os anos de 206 a.C. a 220 d. C., a dinastia Jin, entre 265 d.C. até 439 d.C e as sequentes dinastias do Norte e do Sul, entre 420 d.C a 581 d.C.

Ao longo desses processos, o Kung Fu foi desenvolvendo algumas das suas maiores características, que é a imitação dos movimentos e comportamentos dos animais.

De acordo com o site especialista “Lutas Artes Marciais”: eles “foram adaptados ao homem e ao seu estilo de lutar, daí o motivo de existirem vários estilos de Kung Fu com nomes de animais como: Macaco, Garça, Louva-a-Deus, Tigre, Leopardo, entre outros”.

Outra característica forte do Kung Fu desenvolvida ao longo da sua história, é o controle sobre a respiração, uma premissa muito utilizada em todas as técnicas orientais.

Características do Kung Fu

Inspirado nos movimentos dos animais, o Kung Fu é dividido em estilos de acordo com determinados bichos. Por exemplo, o Choy Lay Fut é baseado em movimentos de 5 animais, o tigre, pantera, garça, serpente e dragão.

Já o estilo de Kung Fu chamado de Ton Long, traz consigo os movimentos de um inseto chamado Louva-Deus.

O Kung Fu pode ser visto com um poderoso método de autodefesa, contudo seu maior mérito está na sua filosofia e nos benefícios que proporcionam algumas das suas características.

O primeiro deles, e mais citado, é o aumento da concentração. O praticante do Kung Fu aprende a controlar sua respiração e pensamentos para atuar como um todo durante a luta. Prestar atenção aos movimentos e próximos passos do combate faz toda a diferença no Kung Fu.

Na verdade, as técnicas do Kung Fu se concentram na defesa e não no ataque. “A sua prática é um ato de fé e de resistência que permite aperfeiçoar o corpo, a moral, o caráter e a disciplina mental. O corpo de um indivíduo não pode agir sem a interferência da mente e esta deve ser orientada a acalmar o espírito. Esta é a essência do Kung Fu, pois une a mente, o corpo e o espírito”, ensina o site especializado, Lutas Artes Marciais.

Filosofia do Kung Fu e cultura chinesa

Uma das principais filosofias que envolve o Kung Fu, e que tem tudo a ver com a cultura chinesa, é a busca pela harmonia entre as coisas. Por isso, muitos utilizam o símbolo “yin e yang” para representar essa arte marcial. É a busca pelo equilíbrio perfeito que faz com que os atletas trabalhem não só o corpo, mas também a mente.

Se você já viu algum vídeo na internet que mostra um lutador de Kung Fu partindo um tijolo ao meio com um golpe certeiro, saiba que isso pouco tem a ver com a força, mas sim, com canalizar a energia na mente, dar-lhe poder e concentrar sua energia em uma única ação. Por isso, é possível partir um objeto duro. Sem essa filosofia do Kung Fu, isso não seria possível.

Bruce Lee e Kung Fu

Sempre que se fala em Kung Fu é impossível não relacioná-lo ao Bruce Lee. Ao menos aqui no Ocidente. É que o atleta e ator norte-americano foi o grande responsável pela divulgação dessa arte marcial chinesa no mundo inteiro.

Homem preparando golpe Kung Fu

O Kung Fu busca a harmonia do corpo e da mente (Foto: depositphotos)

Filho de chineses, mas nascido em São Francisco, nos Estados Unidos, seu nome verdadeiro era Lee Jun Fan. Desde criança atuando como ator no cinema americano, e entre idas e vindas da China, Bruce Lee alcançou o auge da fama com os filmes “Hong Kong” e “Hollywood”, onde em ambos ele apresentava o Kung Fu.

As produções “Operação Dragão” e “A Fúria do Dragão” vieram em seguida para coroar Lee como um verdadeiro representante dessa arte marcial.

Ao longo da sua vida, ele deu aulas de Kung Fu, interpretou e levantou a bandeira da cultura chinesa por onde passou. Infelizmente, ele morreu muito jovem aos 32 anos.

Uma de suas marcas registradas era a forma como ele chamava o Kung Fu. Para Bruce Lee, a palavra era “Gung Fu”. Isso se explicava pois com G a palavra fazia menção ao idioma cantonês e a palavra quando escrita com K valia-se do mandarim.

E assim, como todo bom guerreiro, Lee teve um mentor especial ainda na adolescência, quando apresentava comportamentos rebeldes, chegando a arrumar brigas e confusões no colégio.

Foi o Mestre Yip Man que transformou o comportamento de Bruce Lee aos 13 anos. Ele ensinava Wing Chun do “Gung” Fu. Foi esse professor que ensinou a Lee que ele não precisava concentrar somente suas forças para derrubar os adversários, mas sim ter concentração, foco e equilíbrio para usar a seu favor nos combates. E foi essa mensagem que Bruce Lee passou para o planeta.

Sobre o autor

Avatar
Jornalista formada pela Universidade Federal da Paraíba com especialização em Comunicação Empresarial. Passagens pelas redações da BandNews e BandSports, TV Jornal e assessoria de imprensa de órgãos públicos.