Lendas do folclore brasileiro

As lendas do folclore brasileiro são as grandes responsáveis por divulgar o nosso folclore. Isso porque, de geração em geração, elas conquistam ouvintes e leitores muito mais do que outros tipos de linguagens, como as danças, músicas ou encenações.

Basta alguém falar na lenda do Saci Pererê, do Boto Cor de Rosa ou da Iara para muitas pessoas saberem do que se trata ou ao menos já terem ouvido alguma história relacionada, mesmo que não lembre os detalhes. É o poder da literatura e da contação de histórias.

Por isso que o papel das lendas é tão importante. Elas mexem com o imaginário ao ponto de ficar guardado em algum lugar na memória das pessoas. E nada melhor do que rememorar essas lendas do folclore brasileiro. Vamos lá?

Principais lendas do folclore brasileiro

As principais lendas do folclore brasileiro são influenciadas, sobretudo, pela miscigenação do nosso povo e têm origem africana, indígena e europeia. Sendo assim, você encontrará um pouco da inspiração de cada um desses povos em diferentes lendas, as quais você conhecerá agora.

Lenda Iara

A lenda da Iara é uma das mais populares do nosso folclore brasileiro. Ela nasceu na Amazônia por conta da abundância de água doce e muitos pescadores. A lenda é estudada até hoje e contada de geração em geração.

Conta a lenda que existe uma linda mulher com calda de sereia nas profundezas do rio da Amazônia. Sua pele era morena, seus cabelos longos e seus olhos são verdes da cor da mata da floresta.

Uma das suas características é um canto alto e bonito que atrai quem estiver por perto. Geralmente, os pescadores que estão na região começam a escutar o seu canto e atraídos por ele chegam até a linda mulher, que adquire forma completamente humana para ficar às margens do rio.

Outro fato que atrai os pescadores, além do seu canto, é a beleza inenarrável de Iara. E ela sabe usar isso a seu favor para seduzir os pescadores aos seus braços. Depois disso, ela os leva para as profundezas do rio. Poucos conseguem sobreviver.

Aqueles que conseguem nunca mais são os mesmos. Vivem assustados e contam tudo o que viram nas profundezas do rio da Amazônia. Além dela, essa região é cheia de outras criaturas estranhas e o modo de vida é totalmente diferente do conhecido.

Saci Pererê

O Saci Pererê é um personagem muito popular do nosso folclore nacional. Algumas pessoas o confunde com outra lenda de um negrinho que fica em cima de cavalos. E é bem natural algumas lendas serem adaptadas e contadas de forma diferente e até misturadas. É a movimentação natural das tradições orais.

Mas a história original do Saci Pererê é a seguinte: sua origem é no norte do Brasil e ele seria um descendente de negros escravizados. Por isso, adorava jogar capoeira e foi durante uma luta que ele teria perdido uma das suas pernas, sua maior característica física.

Outro detalhe que chama a atenção da lenda do Saci Pererê é que ele está sempre com um cachimbo na boca. Esse acessório já seria de origem africana e dos seus contos locais. Na sua cabeça está sempre uma espécie de touca vermelha. De acordo com estudiosos, isso já é uma herança da mitologia europeia. Mas é nessa touca que está o poder mágico do Saci.

Algumas lendas descrevem o Saci Pererê como um personagem brincalhão que gosta de pregar peças nas pessoas que caminham pela floresta. Outras já acreditam que ele não é tão bonzinho assim e gosta mesmo é de ver as pessoas com medo e aterrorizadas.

O Saci frequentemente assovia alto e fino para assustar as pessoas. Também faz tranças nos animais ou faz com que as cozinheiras queimem as comidas. Ainda é responsável por pequenas travessuras, como colocar açúcar nas comidas ou sal no lugar do doce.

Além disso, ele dá uma forcinha para que os viajantes se percam durante o caminho só para se divertir com suas atrapalhadas.

Veja também: Lenda do Saci-Pererê

Curupira

Esse personagem lendário do folclore brasileiro é conhecido também como Pai-do-mato, Caapora, Anhanga ou Caiçara. Sua origem é indígena e ele é considerado como um ser que protege as matas e os animais.

Suas características físicas são: cabelos laranja, estatura pequena e os pés virados para trás. Esse último atributo é muito interessante, pois como ele é o defensor da floresta, precisa constantemente perseguir caçadores e pessoas que desmatam a floresta.

Desta forma, enquanto seus inimigos pensam que ele foi para um lado, na verdade ele está mais próximo do que parece. Mas ele não anda só a pé, uma vez que pode ser visto também sobre um porco do mato que o transporta de um lado para o outro.

Em agradecimento pela sua postura de defensor da natureza, os índios costumam deixar oferendas para o Curupira.

Cobra-grande ou Boiuna

Essa é mais uma lenda da cultura popular que teve origem na Amazônia. A Cobra-grande ou Boiuna é um personagem que mora nas profundezas dos rios da região.

Seu principal papel é afundar barcos que navegam, principalmente durante o período noturno. Algumas vezes, essa cobra muda de forma e pode adquirir um corpo humano em noite de lua cheia. Mas também pode se transformar em outro barco e até em arco-íris em tempos de tempestade.

Reza a lenda de que a Cobra-grande nasceu de um problema familiar. Tudo começou quando uma índia ficou grávida de uma cobra sucuri. Nasceram duas crianças: Honorato e Maria. Porém, insatisfeita, a mãe as jogou no rio e elas se transformaram em cobra.

A menina acabou sendo morta pelo próprio irmão, pois ela só fazia maldades com os outros animais e até com humanos. Por isso, Honorato decidiu acabar com a vida dela. Quando se transformava em homem, Honorato era triste e queria se libertar do feitiço.

O encanto foi destruído por um caboclo muito corajoso do estado do Pará. Segundo contam, ele teria encontrado a cobra-grande, jogado leite na boca dela e ferido a cabeça da serpente (duas ações obrigatórias para acabar com o feitiço).

Por fim, diz a lenda que o pobre Honorato deixou de ser uma cobra-grande e passou a viver como um homem normal. Tudo isso devido à atitude corajosa do paraense.

Veja também: Folclore brasileiro: o que é, lendas e principais personagens

O que é uma lenda?

De acordo com o Dicionário de Sinônimos Online, lenda é uma “narrativa de caráter fantástico: narrativa, narração, história, conto, fábula, saga, legenda; Mito popular: mito, crença, mitologia; Relato de acontecimentos reais ou fictícios: tradição popular”.

Sendo assim, podemos afirmar que uma lenda trata de personagens fantásticos ou humanos vivendo situações baseadas em crenças locais. Logo, é comum vermos alguns personagens que nasceram na Grécia inspirando personagens bem nacionais.

Para ser considerada uma lenda há um quesito importante: ela precisa ter vindo da tradição oral. Outra característica dela é que o espaço geográfico da narração é relevante, conforme afirma Rúbia Lóssio, Pesquisadora da Fundação Joaquim Nabuco e Coordenadora do Centro de Estudos Folclóricos Mário souto Maior, citando o autor Paulo de Carvalho Neto, em documento publicado pela Fundarj:

Lenda “é uma narrativa imaginária que possui raízes na realidade objetiva. É sempre localizável, isto é, ligada ao lugar geográfico determinado”.

Mito, conto e caso

A estudiosa também difere outras classificações comumente confundidas com uma lenda. Ainda citando Neto, Lóssio classifica:

  • Mito: narrativa da ação de um ser inexistente. É a representação mental e irreal de um elemento com formas humanas, de astros, de peixes, de outros animais ou qualquer coisa, cuja ação em geral causa medo”. (p.146)
  • Conto: narrativa ficcional, em prosa ou em prosa e verso, com começo, clímax e final, com a finalidade explícita de entretenimento”. (p. 57)
  • Caso: é a narrativa de um fato, às vezes com origem em acontecimento real, com a finalidade explícita de entretenimento”. (p. 42)

Além disso, há outra classificação que vem desde a década de 60 sobre o que é uma lenda. Essa classificação foi feita na Hungria durante o encontro Internacional Society for FolK-Narrative Research, feito por uma pesquisadora chamada Susana Chertudi.

Para ela, existem as lendas etiológicas e escatológicas, as históricas e as históricas-culturais, são elas: “origem de lugares e bens culturais; lendas relativas a localidades; lendas concernentes à pré-história e à história dos primeiros tempos; guerras e catástrofes; personalidades destacadas; e infração de uma ordem”.

E há também as lendas míticas que envolvem seres e forças sobrenaturais, como: “o destino; a morte e mortos; lugares encantados e aparecimentos de fantasmas; procissões e lutas de fantasmas; estada em outro mundo; espíritos da natureza; espíritos de ambientes culturais”.

Além dos “seres metamorfoseados; o diabo; demônio da doença e das enfermidades; pessoas que possuem dons e forças sobrenaturais/mágicos; animais e plantas míticos; tesouros. E as lendas religiosas com seus mitos de deuses e heróis”.

Veja também: Mito e lenda

Folclore brasileiro e sua herança cultural

Em meio a centenas de manifestações da cultura popular, as lendas são aquelas que trazem diversas influências e misturam heranças dos índios, negros e europeus. Conhecê-las é mergulhar fundo nas nossas tradições e costumes e valorizar a sabedoria do povo.

Não deixe de ler mais e estudar sobre o nosso folclore nacional, além de divulgá-lo no dia 22 de agosto, o Dia do Folclore.

Referências

»LÓSSIO, Rúbia. Lendas: Processo de folkcomunicação. Disponível em: http://www.fundaj.gov.br/geral/folclore/lendastextos.pdf. Acesso em 15 de agosto de 2018.

Sobre o autor

Avatar
Jornalista formada pela Universidade Federal da Paraíba com especialização em Comunicação Empresarial. Passagens pelas redações da BandNews e BandSports, TV Jornal e assessoria de imprensa de órgãos públicos.